Embalagem para cosméticos – Explosão do consumo impõe mais dinamismo aos transformadores

Dinâmica, a indústria da beleza absorve novos produtos de tempos em tempos. Por isso, a maior parte das empresas busca sempre inovar, como a C-Pack. A fabricante lançou o tubo de PE antifalsificação, com a promessa de garantir a originalidade da embalagem usada para o envase. Esse controle se dá com aditivos cuja presença é indicada pelo comprimento de onda reconhecido por um detector específico.

Plástico Moderno, Fábio Mestriner, mbalagem para cosméticos - Explosão do consumo impõe mais dinamismo aos transformadores
Mestriner elogia desempenho dos fabricantes locais

Outra novidade, o tubo termossensível, traz como principal benefício a capacidade de mudar de cor, de acordo com a temperatura. “Essa propriedade é fornecida por meio de um pigmento especial contido na formulação do masterbatch”, diz Thais Coan, engenheira química da C-Pack. O produto é fornecido em monocamada ou coextrudado com EVOH (etileno vinil álcool). Entre suas aplicações, a fabricante sugere seu emprego em protetores solares e fórmulas com alto teor de acidez – como os dermocosméticos –, que precisam ser mantidas refrigeradas.

Na tentativa de trazer os conceitos de sustentabilidade ao chão da fábrica, a empresa apresentou também as tampas feitas de WPC (wood plastic composite). Para tubos de diâmetros de 19 mm, 30 mm, 35 mm, 40 mm e 50 mm, o produto conta com a certificação do Forest Stewardship Council (FSC). O tubo PCR (post consumer recycled) embute o mesmo princípio de promover o menor impacto ambiental possível. O desenvolvimento se baseia na restrição do uso de matéria-prima virgem, pois é feito com até 30% de resina pós-consumo. “Trata-se de uma inovação no processo de extrusão, desenvolvido pelo núcleo da C-Pack”, afirma André Michel Kehrwald, engenheiro de materiais da empresa.

Plástico Moderno, Célia Boucalt, Assessora de embalagens, Embalagem para cosméticos - Explosão do consumo impõe mais dinamismo aos transformadores
Célia: mercado de embalagens estará cada vez mais segmentado

No entanto, apesar desse cenário, a corrida desenfreada pela inovação parece ter recuado um pouco. Segundo a assessora de embalagens Célia Boucalt, os expositores da Interpack, a feira internacional mais importante para o mercado de embalagens, em sua mais recente edição, realizada em Düsseldorf, Alemanha, em maio, investiram muito mais em melhorias dos seus processos do que na apresentação de produtos e conceitos diferenciados.

Por aqui, o Centro de Tecnologia de Embalagem (Cetea) não destaca produtos como uma novidade do setor, mas sim o aumento da consulta por testes de qualidade. “A indústria está procurando meios de ofertar um produto de maior qualidade”, confirma Léa Mariza de Oliveira, pesquisadora científica do instituto. Segundo ela, a principal demanda é da indústria de embalagens rígidas, para ensaios de compatibilidade, funcionalidade, interação química e qualidade do fechamento. O Cetea nasceu para atender o mercado de embalagem. No início, as consultas eram prioritariamente dos segmentos de alimentos e bebidas; hoje abrangem outras áreas como a de cosméticos, aliás, essa última categoria é uma das que mais tem requisitado os serviços do instituto.

Praticamente não há normas específicas para avaliar a qualidade das embalagens para os cosméticos. Em geral, os métodos de ensaio são definidos com base em regras já utilizadas pelos setores de alimentos, bebidas e farmacêutico. A indústria também se apropria de especificações aplicadas às embalagens de forma geral, independentemente do uso final.

Expansão – Com aprimoramentos ou novos desenvolvimentos, o mercado tem se movimentado. Os negócios, não há dúvida, estão acontecendo. Se não fosse assim, o país não absorveria a avalanche de investimentos dos fabricantes de embalagens. A Aptar Beauty + Home apresenta lançamentos constantes e, não por acaso, prevê elevar sua capacidade produtiva. Aliás, essa é uma das áreas do grupo que mais receberá verba. A C-Pack, empresa de Santa Catarina, líder no mercado latino-americano de embalagens plásticas no formato de bisnaga (tubo), também respondeu ao aumento da demanda. A empresa projetou dobrar sua capacidade produtiva até dezembro, porém com o aquecimento das vendas precisou se antecipar e até agosto 50% do projeto já terá sido implantado. O investimento total ultrapassa 60 milhões de reais, segundo o diretor comercial da C-Pack, Fábio Yassuda. Esse aporte tem um porquê. “Atualmente, e já faz alguns anos, estamos operando com plena capacidade”, afirma Yassuda.

Plástico Moderno, Embalagem para cosméticos - Explosão do consumo impõe mais dinamismo aos transformadores - Foto: Divulgação

No ano passado, a Bompack, fabricante de embalagens PET de Diadema-SP, expandiu sua unidade para ter a possibilidade de triplicar a sua capacidade produtiva. E já para 2012 prevê duplicar sua linha de produção. A Vepakum, fornecedora de embalagens sopradas e injetadas para as indústrias de cosmético e farmacêutica, não por acaso, direcionou seus investimentos mais recentes para o aumento da linha de embalagens de luxo. Os projetos refletem a aposta no setor. No próximo ano, a Vepakum prevê aumentar a área construída de sua fábrica em quatro vezes.

Plástico Moderno, Embalagem para cosméticos - Explosão do consumo impõe mais dinamismo aos transformadores
Tampas produzidas pela Incom para perfumaria imitam o vidro

Só neste primeiro semestre, a Incom Industrial lançou cinco novos produtos, divididos entre a perfumaria e o segmento de potes, e recentemente entrou no mercado de embalagens para cremes corporais. Antes era focada somente em produtos para o rosto (em geral, embalagens de acrílico, com alto valor agregado). Um ponto que favorece os lançamentos, segundo Andréia Johansen, gerente de vendas e marketing da Incom Industrial, é ter ferramentaria própria.

A empresa foi criada para atuar na injeção de peças técnicas há trinta anos. O cosmético veio depois de quinze anos, e hoje esse negócio já representa 60% do faturamento da empresa, e para este ano a ideia é elevar para 65%. Essa taxa não é à toa. Segundo Andréia, a fabricante cresce ao ano 30% no ramo de cosméticos. A linha é extensa: são potes, estojos de maquiagem e batons, frascos e tampas para perfumes (esse último, o carro-chefe da marca). “A perfumaria é o nosso maior mercado”, ratifica Andréia. A empresa conta com uma linha standard e outra para projetos especiais.

Página anterior 1 2 3 4Próxima página

Um Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios