Embalagem – Faturamento setorial volta a crescer

Uma luz apareceu no final do túnel

Após seis períodos de quedas consecutivas, a indústria de embalagens registrou crescimento de 2,54% em comparação com a média dos três primeiros meses do ano.

O setor apresentou recuo de 5,15% na produção física de embalagens no primeiro semestre em relação ao mesmo período de 2015.

Para o segundo semestre, a previsão é de queda de 0,2% em relação ao segundo semestre do ano passado. O valor bruto de produção previsto para esse ano fica na casa dos R$ 60,6 bilhões, contra R$ 57,2 bilhões movimentados em 2015. Para o próximo ano, está estimado crescimento de 1%.

Os dados são do Estudo Macroeconômico da Embalagem Abre/FGV, patrocinado pela Associação Brasileira de Embalagem.

Para Salomão Quadros, economista responsável pela pesquisa, os números refletem uma possível retomada da economia, mudando o curso negativo enfrentado pelo setor nos últimos tempos. “Ao que tudo indica o segundo semestre será melhor”.

Quadros ressalta que essa recuperação será bem gradativa e só ganhará velocidade depois que o consumidor ajeitar suas dívidas e recuperar a confiança.

Como o setor de embalagens tem desempenho muito influenciado pelo consumo de produtos semiduráveis e não duráveis, é preciso ter cautela ao avaliar as tendências futuras.

Por um lado, isso é positivo, pois tais produtos são os que sofrem menos nas épocas das crises. Ninguém, por exemplo, pode deixar de consumir alimentos ou produtos de limpeza. Por outro, a redução da taxa de ocupação e a queda de rendimento dos trabalhadores são fatores preocupantes.

Entre os materiais usados para confeccionar as embalagens, em peso:

  1. papel, papelão e cartão com 40,5%;
  2. plástico 35%;
  3. metal 15,1%;
  4. vidro 8%;
  5. madeira 1,4%.

A indústria do plástico, por outro lado, lidera o setor em termos de faturamento – Embalagem

Para 2016, estima-se que ele movimente, em valor bruto, em torno de:

  1. plástico com R$ 24,3 bilhões (40,17%);
  2. papel, papelão e cartão com R$ 10,9 bilhões (18,02%);
  3. metais com R$ 10,4 bilhões (17,29%);
  4. e demais matérias-primas.

Quando comparados os resultados do segundo trimestre com os do primeiro, o plástico foi o que mais caiu em termos de produção física, com redução de 9,96%.

O vidro foi o único a apresentar crescimento, com avanço de 1,09%. “Esse resultado se deve à forma diferente como as vendas das diversas categorias de produtos estão reagindo”, avalia o economista.

 

Perspectivas 2016 – Plásticos: Transformação de plásticos abre mercados para compensar retração dos clientes usuais

Anuário Brasileiro do Plástico – A Maior Exposição Permanente de Fornecedores do Setor

Cerca de 1.500 itens de resinas, blendas, polímeros, aditivos, cargas, máquinas, acessórios, moldes, equipamentos, instrumentos, periféricos, semiacabados, oferecidos ao mercado brasileiro por 1.200 empresas fornecedoras, com seus respectivos endereços, razão social, telefones etc.

Mostrar mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios