Economia circular: Tributação excessiva atrapalha

Grande transformadora de EPS (poliestireno expandido), a Termotécnica trabalha para, até 2030, reciclar pelo menos 25% da matéria-prima que coloca no mercado.

“Este ano, devemos chegar a 17%”, afirma Albano Schmidt, presidente da empresa. “Já reciclamos mais de 44 mil toneladas de material”, acrescenta.

O produto dessa reciclagem, explica Schmidt, é uma resina de poliestireno comercializada com a marca Repor, que pode ser utilizada em peças e componentes técnicos, especialmente internos, pois para peças externas ainda se exige um visual mais claro e mais transparente, mais difícil de obtenção com reciclados.

A própria Unigel – que fornece resina virgem para a Termotécnica – utiliza esse PS reciclado em sua linha Ecogel, já utilizada pela Electrolux em peças de eletrodomésticos.

Denominado Reciclar EPS, o programa da Termotécnica busca agora envolver mais os clientes, tanto na coleta de matéria-prima, quanto no sentido de maior utilização de produtos com resina reciclada.

Economia circular: Tributação excessiva atrapalha ©QD Foto: iStockPhoto
Albano Schmidt, presidente da Termotécnica

“Alguns já trabalham assim, mas a maioria ainda pergunta quanto vai pagar a menos pelo fato de ser reciclado”, relata Schmidt.

“Essa pergunta não cabe mais, a resina reciclada deveria custar mais, ou pelo menos o mesmo, do que a resina nova”, pondera.

Para divulgar a reciclabilidade do EPS, a empresa ampliou os investimentos na exposição do conceito Sou Reciclável, tema de um portal lançado no ano passado no qual uma ferramenta localiza pontos de entrega próximos ao interessado.

Economia circular: Tributação excessiva atrapalha ©QD Foto: iStockPhoto
Reciclar EPS, o programa da Termotécnica

“Em alguns de nossos produtos – caixas para frutas, por exemplo –, inserimos QR Codes que conduzem a esse portal”, diz Schmidt.

“Mas é preciso rever a cadeia tributária, buscar não tributar novamente o que já foi tributado na cadeia produtiva”, finaliza o presidente da Termotécncia, lembrando a tradicional requisição de recicladores e outros integrantes dessa cadeia pelo fim da taxação dos reciclados com os impostos incidentes sobre os plásticos que lhes deram origem.

Leia Mais:

Um Comentário

  1. Boa tarde! Gostaria de saber o que nos microempresas do ramo da reciclagem de garrafas pets e pead em geral vamos fazer, a dias não conseguimos encaminhar os materiais para as indústrias. São toneladas é toneladas de materiais nos depósitos de reciclagem. O que devemos fazer? Estourar esses fardos nos rios e mananciais. Está se instalando uma crise a esse respeito e ninguém quer dar importância. Simplesmente os catadores vão deixar de catar os plasticos recicláveis já que nós não estamos conseguindo mandar para a indústria. Peço atenção a respeito.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios