Reciclagem de PET por métodos mecânico ou termomecânicos são preferidos: Economia Circular

Parte da Reportagem sobre Reciclagem Química dos Plástico

Reciclagem de PET Mesmo por métodos mecânicos – ou termomecânicos, pelo intenso uso de calor –, resina reciclada de PET tem demanda elevada, não apenas porque pode ser novamente utilizada em embalagens de bebidas e alimentos, mas também para uso em têxteis, termoformados, filmes laminados, entre outras aplicações.

Tecnicamente, observa Auri Marçon, presidente-executivo da Abipet (Associação Brasileira da Indústria do PET), é possível uma reciclagem que retorne o PET a sua molécula original, mais exatamente a seus componentes básicos: o PTA (ácido tereftálico purificado) e o MEG (monoetileno glicol).

Ela ainda não demonstrou viabilidade econômica, mas já há no Brasil uma cadeia bem estruturada de um processo que principia pela reciclagem mecânica – separação, moagem e descontaminação do PET na fase de flakes – com subsequente reciclagem química, na qual esses flakes são submetidos a quimólise por diluição em MEG.

A posterior adição de outras matérias-primas leva o produto dessa reciclagem a duas diferentes rotas: produção de resinas insaturadas de poliéster – que reforçadas com fibras geram piscinas e autopeças, entre outras aplicações –, ou alquídicas, também de poliéster, para tintas e vernizes.

Essas aplicações químicas hoje absorvem cerca de 15% do PET reciclado no Brasil. “100% da reciclagem do PET inicia com reciclagem mecânica”, ressalta Marçon.

Resinas e Aditivos

 

Auri Marçon, presidente-executivo da Abipet (Associação Brasileira da Indústria do PET) Método Mecânico de Reciclagem de PETPlástico Moderno - Economia circular - PET prefere processo tradicional ©QD Foto: iStockPhoto
Auri Marçon – Abipet: Reciclagem de PET por métodos mecânico

“Mas essas aplicações químicas são importantes até por permitirem reciclar também o PET que, por problemas como contaminação ou cor, não passam na seleção do material que pode ser novamente utilizado em embalagens de alimentos”,

observa.

 

 

Leia a Primeira Parte desta Reportagem:

Reciclagem Química dos Plásticos Ampliam as Possibilidades e Lidam com Materiais Complexos

Leia mais:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios