Plástico

Distribuição – Rearranjo petroquímico força mudanças no varejo que enfrenta margens pífas excessiva concorrência

Maria Aparecida de Sino Reto
3 de julho de 2007
    -(reset)+

    O último investimento da Thathi, estimado em R$ 1,7 milhão, resultou na sua sede própria, levantada em Tamboré, com 1.500 m² de área construída. Inaugurada em janeiro deste ano, a unidade entrou em atividade efetivamente em março. Próxima ao Rodoanel, Rodovia Castelo Branco e Marginais, facilita a circulação de caminhões. Ainda se localiza estrategicamente perto da DuPont, de quem carrega bandeira oficial, comercializando as famílias de poliamida, poliacetal, PBT, PET grau injeção e elastômeros termoplásticos. A empresa também efetua revenda autorizada das resinas da GE, que não trabalha com distribuição.

    Além da questão logística, o investimento reverteu ainda em maior conforto para o trabalho e estrutura comercial, agora ampliada, e em novo sistema integrado com rede de atendimento ao cliente. Resultado: negociações mais rápidas e melhor desempenho, com mais agilidade na entrega e no acesso a informações, entre as quais de estoque e pós-venda. Na avaliação de Rodrigues, o espaço bem mais amplo oferece melhor visualização de todo o armazenamento e disposição dos produtos. “Melhoramos a organização e o armazenamento”, comemora.

    Agora Rodrigues parte atrás de novas bandeiras, ainda no campo das resinas especiais. “As negociações estão bem adiantadas, mas ainda estamos em fase de conversação com os fabricantes; as parcerias devem ser fechadas no segundo semestre”, prevê. Sem revelar de quais empresas se trata, ele ressalta que as novas incorporações não entram em conflito com os produtos da DuPont. “Seria no segmento de ABS, de PC e elastômeros.”

    Em outra frente, a Thathi planeja investir em linha própria de produtos industriais (matéria-prima residual de indústria). “São oriundos de avarias, sinistros, ou material de estoque perdido pelos clientes”, explica Rodrigues. Ele pretende fazer da família de poliamidas o carro-chefe e depois agregar outros plásticos de engenharia.

    Com 22 anos de atuação no mercado distribuidor, a Piramidal reforçou seu campo de atuação no segmento das resinas de engenharia, no segundo semestre do ano passado, quando criou uma unidade de especialidades. “Dois engenheiros fazem o desenvolvimento das resinas entre as montadoras e produtores de linha branca e marrom, grandes usuários de especialidades, aprovando, desde o projeto, a resina distribuída pela Piramidal”, explica Cataldi. Nesse campo de negócios, a empresa é parceira da Huntsman (poliuretano termoplástico), da Kepital (poliacetal), da Bayer (PC e blendas), da DuPont (poliamidas), da Borealis (compostos de PP), da Basf (SAN), da Unigel (acrílicos) e da Lanxess (ABS especiais).

    Instalada em área total de 12 mil m², dos quais 9 mil m² de armazém, a empresa dispõe de capacidade da ordem de 7 mil toneladas de resinas, entre 420 tipos diferentes. “A operação hoje é bastante adequada e atualizada para acompanhar o crescimento do mercado nos próximos cinco anos”, acredita Cataldi.

    Plástico Moderno, Laércio Gonçalves, diretor da Activas, Distribuição - Rearranjo petroquímico força mudanças no varejo que enfrenta margens pífas excessiva concorrência

    Gonçalves comemora a abertura em breve de duas novas filiais

    Casa nova – Em maio último, a Resinet inaugurou filial em Caxias do Sul-RS, um armazém com 1.200 t/mês de capacidade, e está com as malas prontas para mudança de sede. Agora em julho, a empresa ocupa seu novo espaço em São Paulo, apto a armazenar até 10 mil toneladas. “A quantidade é cinco vezes superior à da sede antiga, além de escoamento mais fácil, por estarmos próximos do Rodoanel e da Rodovia dos Bandeirantes, o que torna a distribuição mais ágil”, destaca Alberto Nakazone, do marketing.

    Além das inaugurações, a Resinet assumiu a distribuição oficial da Dow para blendas ABS/PC e resinas ABS, PC e SAN; e da Tronox, para dióxido de titânio; além da revenda de acrílicos da Unigel. Nakazone considerou bom o desempenho do mercado no primeiro semestre, reforçado pela conquista de novos clientes na Brasilplast, e prevê o segundo melhor ainda.

    “Estamos com ótima perspectiva e acreditamos que os investimentos em armazéns, feiras e em pessoal trarão retorno muito satisfatório.” A expectativa da Activas também é das melhores, com previsão de alta de 22% nos negócios nesta segunda metade do ano, com o reforço gerado pela participação na Brasilplast e pela entrada em operação de novos armazéns.

    Nas contas de Gonçalves, a visitação nesta feira aumentou 50% em relação à última.

    Plástico Moderno, Daniela Dias Janota Antunes Guerini, diretora-comercial da Mais Polímeros, Distribuição - Rearranjo petroquímico força mudanças no varejo que enfrenta margens pífas excessiva concorrência

    Daniela Investiu na Instalação de sistema on-line

    Ele credita esse fato à confiança que a empresa transmite ao mercado por seus diferenciais, entre os quais ele refere o maior portfólio da distribuição na América do Sul, somando 30 resinas; a estrutura verticalizada; e frota nova, com mais de 30 veículos trocados neste ano; entre outros.

    A empresa é distribuidora autorizada da Suzano Petroquímica (PP), Riopol (polietilenos), Basf (PS), Lanxess (ABS e SAN), Bayer (blenda ABS/PC), Unigel (acrílico), Policarbonatos do Brasil (PC), Multibase (TPE), e Kolon (poliacetal). A Activas também distribui os produtos da Actplus, empresa do grupo, e aditivos da Rohm and Haas.

    “Distribuímos para as principais petroquímicas do Brasil e do mundo, com maior valor agregado de serviços na distribuição. Esses fatores impulsionaram os nossos negócios e os dos nossos clientes”, diz o diretor. A animação de Gonçalves vai além. Ele está investindo em duas novas filiais da Activas: uma no Rio de Janeiro e outra em Estado ainda indefinido, na Região Nordeste. “Estamos pesquisando onde seremos mais competitivos”, justificou. Mas é certo que ambas entram em operação em breve. “No mais tardar até agosto próximo.” Outra iniciativa da empresa fica por conta da produção de compostos, micronização e resinas reforçadas, do mix distribuído, em nova unidade em Cajamar-SP. O investimento prevê área produtiva de 5 mil m². “Faz parte do planejamento estratégico do grupo Activas.”



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *