Armazenamento e Transporte

15 de setembro de 2017

Distribuição: Exxonmobil amplia oferta de PE

Mais artigos por »
Publicado por: Antonio Carlos Santomauro
+(reset)-
Compartilhe esta página

    A concorrência de resinas importadas no mercado brasileiro deve ganhar corpo também pela intensificação da presença de fabricantes internacionais. É o caso da ExxonMobil, que ainda neste trimestre inaugura na cidade norte-americana de Mont Belvieu uma planta de produção de polietileno, com capacidade de produção de 1,3 milhão de t/ano. Desde o ano passado, a ExxonMobil tem a empresa gaúcha Apta como distribuidora no Brasil de suas resinas de alta performance Exceed e Enable, assim como das commodities PEAD, PEBD e PE linear com buteno. Já os elastômeros da ExxonMobil (marca Vistamaxx), são comercializados no Brasil pela Biesterfeld-Simko.

    A Apta é uma subsidiária da distribuidora norte-americana Vinmar, que possui escritório no Rio de Janeiro e se dedica à comercialização de resinas da ExxonMobil em outros países. “A Vinmar conta com equipe de vendas no Brasil para atender clientes que desejam importar diretamente e, por meio da Apta, dá suporte ao mercado interessado em compras locais”, detalha Fabiana Grossi, representante de vendas de PE da ExxonMobil.

    Sediada em São Leopoldo-RS, a Apta conta com unidades também em Joinville-SC e em Mauá-SP, dotadas de escritório e estoque de produtos. “Temos como diferenciais o trabalho apenas com marcas top, capacidade logística e de atendimento em qualquer local do Brasil, e atendimento técnico qualificado”, ressalta Marcelo Berghahn, diretor comercial da empresa.

    Fabiana visualiza no mercado brasileiro grandes oportunidades para as marcas Exceed, Enable e Vistamaxx, tanto no segmento de embalagens flexíveis quanto rígidas. “Entre outras vantagens, os materiais de alta performance propiciam a melhoria de propriedades organolépticas e a redução de espessura e resistência mecânica”, destaca. “Acreditamos que a necessidade de preservação dos alimentos, assim como a proteção de bens duráveis e não duráveis, aliadas às novas tecnologias em máquinas, gerarão ainda mais oportunidades no médio prazo”, complementa.



    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *