Aditivos e Masterbatches

Demanda nacional por plásticos crescerá – Resinas

Antonio Carlos Santomauro
2 de março de 2019
    -(reset)+

    Outras resinas – No comércio de resinas, as vendas de resinas devem neste ano registrar um incremento entre 5% e 10%, prevê Laercio Gonçalves, presidente da Adirplast (Associação Brasileira dos Distribuidores de Resinas Plásticas e Afins). Essa previsão não se refere apenas às distribuidoras autorizadas, inclui também as revendas que importam resinas e, em muitos casos, conseguem vendê-las a preços menores, utilizando artifícios com os quais driblam a legislação fiscal, por exemplo, recebendo os produtos em estados nos quais é menor o imposto sobre a importação e comercializando-os em outros onde esse imposto é maior, sem realizar o necessário recolhimento da diferença tributária.

    Plástico Moderno, Demanda nacional por plásticos crescerá, mas falta avaliar o impacto de eventuaus reformas

    Gonçalves: distribuição ampliou vendas nos materiais avançados

    Gonçalves ressalta: nem todas as revendas realizam essa prática de evasão fiscal, mas aquelas que assim atuam conseguem importar resinas com alíquota de 4% e revendê-las em estados com uma alíquota de 18%, sem pagar a diferença de 14% de tributos que deveria ser recolhida. “Não é possível cobrir essa diferença, nem mesmo um distribuidor bem azeitado consegue hoje trabalhar com margem de dois dígitos”, ressalta o presidente da Adirplast. “Reforma tributária e ajuste fiscal poderiam reduzir esse problema, mas ainda não antevejo mudanças nessas áreas”, acrescenta.

    Atualmente, estima Gonçalves, as revendas movimentam cerca de 55% das aproximadamente 900 mil toneladas de resinas vendidas anualmente pelo comércio nacional (15% do mercado total de resinas); os demais 45% ficam com distribuidoras, que devem este ano obter índices maiores de expansão de seus negócios no segmento dos plásticos de engenharia, em que é menor a concorrência com as revendas, que encontram mais dificuldade para trabalhar com esse gênero de produtos, demandantes de maior conhecimento técnico, e por isso privilegiam as commodities.

    Entre as especialidades oferecidas pelas distribuidoras nas quais projeta maior potencial de expansão de vendas, o presidente da Adirplast cita ABS e POM, cuja demanda deve se expandir principalmente na indústria automobilística. “O policarbonato também tem potencial de crescimento, em indústrias, como na fabricação de caixas de luz”, ele especifica.

    Plástico Moderno, Demanda nacional por plásticos crescerá, mas falta avaliar o impacto de eventuaus reformas

    Natal: expectativa de aumentar as vendas de PS e PMMA

    Na Unigel as vendas de poliestireno e de PMMA (resina acrílica), devem este ano, respectivamente, aumentar entre 3% e 5% (relativamente a 2018), projeta Marcelo Natal, diretor comercial adjunto da empresa. Tais números, ele ressalta, deverão ser similares àqueles referentes à evolução de todo o mercado nacional dessas duas resinas. “Estamos otimistas com relação a 2019: prevemos melhoria nos níveis de consumo e observamos uma nova onda de investimentos em alguns setores industriais”, comenta.

    No mercado do PS, a expansão das vendas da Unigel decorrerá principalmente dos negócios com as indústrias da linha branca, especialmente no segmento da refrigeração, bens de consumo e embalagens. “Em substituição a outros materiais, como o ABS, o poliestireno apresenta potencial de crescimento em aplicações de nicho, como alguns componentes da linha branca – peças externas de lavadoras e refrigeradores, por exemplo – e também no setor de embalagens”, ressalta Natal.

    O PMMA, por sua vez, terá suas vendas incrementadas especialmente pela demanda proveniente da indústria automotiva e da construção civil, ambas já usuárias relevantes dessa resina em sua forma granulada (a produção de chapas de acrílico é realizada diretamente do monômero MMA mediante o processo cast). O setor automobilístico, por exemplo, emprega PMMA granulado na injeção das lentes das lanternas traseiras de veículos, enquanto a construção civil o aproveita em componentes de iluminação. “Devido ao seu alto grau de transparência e ao acabamento superior, o PMMA tem potencial importante em aplicações ligadas à iluminação”, enfatiza o profissional da Unigel.

    Plástico Moderno, Demanda nacional por plásticos crescerá, mas falta avaliar o impacto de eventuaus reformas

    Baruque: evolução de vendas justifica investimentos no país

    Tendo como carro-chefe as poliamidas – em um portfólio que inclui ainda opções como POM e PBT, entre outras –, o grupo Radici deve este ano incrementar suas vendas no mercado brasileiro em aproximadamente 10%, prevê Luis Carlos Baruque, gerente de marketing e desenvolvimento da empresa. Atualmente, cerca de 40% dessas vendas se destinam ao setor automotivo. “Com lançamentos, deveremos aumentar nossa participação neste mercado, mas cresceremos também nos setores eletroeletrônico e de embalagens, nos quais já temos grande participação”, enfatiza Baruque.

    Também Marcelo Correa, head de marketing e vendas da unidade de materiais de alta performance da Lanxess na América Latina, prevê expansão dos negócios com poliamidas, creditando-a principalmente à indústria automobilística. “A Anfavea [Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores] projeta crescimento de 9% na produção do setor, o que impacta positivamente nas vendas de toda a cadeia de fornecimento dessa indústria, inclusive de nossos compostos de poliamidas 6 e 6.6”, destaca Correa. “Mas o tamanho deste crescimento dependerá de uma série de fatores externos, como a aprovação das reformas estruturais que devem ser apresentadas ao Legislativo.”



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *