Compósitos

Construção: Compósitos oferecem soluções

Antonio Carlos Santomauro
11 de julho de 2019
    -(reset)+

    Construção: Compósitos oferecem soluções ©QD Foto: Divulgação

    Sistemas construtivos com estruturas, revestimentos, painéis e isolamentos integralmente feitos em compósitos; vergalhões capazes de substituir o aço em fundações; portas produzidas pelo processo SMC (prensagem a quente): em expansão em outros países, essas aplicações podem gerar maior aproveitamento de compósitos também na construção civil brasileira, crê Erika Bernardino Aprá, presidente da Almaco (Associação Latino-Americana de Materiais Compósitos).

    Construção: Compósitos oferecem soluções ©QD Foto: Divulgação

    Erika Bernardino Aprá, presidente da Almaco (Associação Latino-Americana de Materiais Compósitos)

    Os sistemas construtivos são modulares e, apoiados em um apelo que evoca desempenho, ganham espaço em mercados como Canadá, Coreia do Sul, Japão e países árabes. “O Brasil foi um dos pioneiros nesses sistemas, mas ainda tem uma cultura muito forte em construções com tijolo e cimento”, observa Erika.

    A indústria de portas residenciais feitas por SMC – geralmente com base em resinas de PS e PU – é “gigantesca globalmente”, avalia a presidente da Almaco. “No Brasil, uma empresa desenvolveu um projeto piloto dessas portas, mas por causa do baixo custo local das portas de madeira isso está em stand by”, relata. “E os vergalhões de compósitos já constituem um grande produto nos Estados Unidos”, acrescenta.

    Com um share de 35%, a construção civil é o principal destino nacional dos compósitos de poliéster – os mais usuais nesse setor –, vindo a seguir nesse ranking a indústria do transporte, com 30%. “Caixas d’água, piscinas, banheiras e agora os vergalhões são os componentes da construção civil brasileira nos quais são hoje mais aplicados os compósitos”, especifica Erika. “As resinas mais utilizadas são de poliéster, mas a resina epóxi e o poliuretano vêm crescendo globalmente”, ela finaliza.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *