Máquinas e Equipamentos

Conceito 4.0 exige automatizar operações desde o estoque de insumos

Antonio Carlos Santomauro
29 de junho de 2018
    -(reset)+

    Plástico Moderno, Dosador gravimétrico da Wittmann Battenfeld oferece alta precisão ao processo gerenciado pelo painel ou por meio de um celular

    Dosador gravimétrico da Wittmann Battenfeld oferece alta precisão ao processo gerenciado pelo painel ou por meio de um celular

    Dutos nos quais é possível controlar melhor a velocidade de transporte das resinas, masterbatches e aditivos que seguem por eles até sistemas centralizados de alimentação e distribuição e a dosadores extremamente precisos, antes de chegarem às injetoras, extrusoras ou sopradoras. Tudo isso integrado em um único sistema automatizado, cuja gestão pode ser feita mediante um telefone celular. Aparentemente futurista, essa realidade se impõe a cada dia mais incisivamente nos processos de manuseio e preparo das matérias-primas da indústria de transformação do plástico (também designada como material handling, expressão inglesa para ‘manuseio de materiais).

    Plástico Moderno, Dosador gravimétrico da Wittmann Battenfeld oferece alta precisão ao processo gerenciado pelo painel ou por meio de um celular

    Dosador gravimétrico da Wittmann Battenfeld oferece alta precisão ao processo gerenciado pelo painel ou por meio de um celular

    Essa realidade se evidencia também no Brasil. “Já instalamos no mercado brasileiro cerca de dez sistemas totalmente automatizados de material handling, especialmente em setores em que a produção precisa ser mais rigorosa, como a indústria automobilística”, relata Thiago Mercuri, analista técnico da Wittmann Battenfeld (empresa produtora de toda a tecnologia necessária a esse processo). “Mas isso deve se expandir para outros segmentos da transformação, como a indústria de embalagens, no qual elevar a produtividade é vital”, acrescenta.

    Mercuri cita o conceito de Indústria 4.0 como principal diretriz dessa evolução dos processos de material handling: “Nossa tecnologia já está toda adequada a esse conceito: totalmente integrada, automatizada e conectada, permitindo o gerenciamento a partir de um celular”, diz. “Estamos preparando para um cliente, aqui no Brasil, um módulo que será gerenciado a partir de uma operação espanhola da empresa”, acrescenta o profissional da Whitmann Battenfeld.

    Plástico Moderno, Dosador gravimétrico da Automaq alimenta extrusora

    Dosador gravimétrico da Automaq alimenta extrusora

    Também a atual tecnologia de material handling da Piovan está totalmente adequada ao conceito da Indústria 4.0, assegura Ricardo Prado, vice-presidente desse grupo na América do Sul. “Todos os nossos equipamentos estão prontos para serem utilizados com nosso software de gestão Winfactory, que permite gerenciar todo o processo e oferece informações para sua contínua melhoria”, ressalta o profissional da Piovan (cujo portfólio de equipamentos para manuseio e preparação das matérias-primas inclui alimentadores, sistemas de distribuição, dosadores gravimétricos e volumétricos, entre outros).

    Prado ressalta a atual possibilidade de utilização de centrais totalmente automatizadas de distribuição das matérias-primas para as várias máquinas. Na Piovan, essa solução traz a marca Easylink, cujos equipamentos permitem usar até 60 matérias-primas diferentes (ou de diferentes pontos de aspiração para até sessenta máquinas). “O transformador hoje sabe que precisa ser competitivo, e já não vejo nenhuma nova planta, ou ampliação de planta, que não inclua a automação desse processo”, ressalta.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *