Chapas e Perfis

Compostos alcançam desempenho desejado para cada aplicação – PVC

Antonio Carlos Santomauro
11 de janeiro de 2019
    -(reset)+

    Plástico Moderno, Compostos alcançam desempenho desejado para cada aplicação - PVC

    Plástico Moderno, Penido: capacidade chegará a 400 mil t/ano em 2019

    Penido: capacidade chegará a 400 mil t/ano em 2019

    O polímero de cloreto de vinila, mas conhecido pela sigla PVC, encontra uso intensivo na construção civil, na forma de tubos, conexões, fios, cabos, telhas, perfis, entre outros itens aos quais agrega propriedades favoráveis em quesitos como durabilidade e resistência à corrosão. A versatilidade garante ao PVC espaço em diversos outros setores, como as indústrias de automóveis, calçados, embalagens, brinquedos e material hospitalar. A adaptação do polímero aos usos finais depende da formulação de compostos, que carregam aditivos com funções diversas para alcançar os objetivos pretendidos.

    Aplicações rígidas requerem compostos de PVC mais simples – basicamente com resina, estabilizante e eventualmente um pigmento –, geralmente produzidos pelos próprios transformadores, a exemplo dos fabricantes de tubos e conexões. Mas os produtos flexíveis abrem um largo campo para os composteiros, como são chamados os fabricantes dos compostos formulados que agregam à resina plastificantes e aditivos, entre outros ingredientes.

    No Brasil, a maior fabricante de compostos de PVC é a Karina, empresa sediada em Guarulhos-SP, com uma capacidade produtiva de 320 mil t/ano, aproximadamente, que lhe permitiria atender sozinha esse mercado, estimado em 300 mil t/ano, no Brasil, por Edson Penido, diretor de operações comerciais da companhia.

    A Karina já desenvolveu cerca 30 mil formulações de compostos e, continuamente, é solicitada para promover variações pontuais nesse portfólio. Por exemplo, para suprir uma nova tendência de cores na indústria de calçados. Eventualmente, lembra Penido, surgem também compostos realmente novos, como aqueles destinados às telhas de PVC, que a Karina começou a oferecer há cerca de quatro anos.

    Plástico Moderno, Capstock protege as telhas plásticas contra intemperismo

    Capstock protege as telhas plásticas contra intemperismo

    Essas telhas exigem dois tipos de compostos: um deles, para a base, bastante simples e muitas vezes produzido pelos próprios fabricantes de telhas. Mas o composto para o capstock, a película que recobre a parte superior, é fornecido por composteiros e contém aditivos destinados a conferir proteção contra fatores ambientais, a exemplo da radiação UV solar. Em telhas, ressalta Penido, o PVC pode substituir materiais como cerâmica, outras resinas e amianto. “No Brasil, o mercado para essa aplicação ainda não cresceu como se esperava pelas dificuldades vividas pela construção civil, mas com certeza será um mercado significativo”, prevê.

    Atualmente, especifica o diretor da Karina, o principal consumidor de compostos de PVC (quase 40% da demanda) é a indústria de fios e cabos; vem a seguir a indústria calçadista, para a qual Karina fornece tanto compostos de PVC compacto, quanto PVC expandido; inclusive, com o PVC expandido microcelular (além de borrachas termoplásticas, entre outras opções).

    É exclusivamente com a tecnologia da expansão microcelular que monta seu portfólio de compostos de PVC expandido a PVC Sul, empresa instalada no polo calçadista da região de São Leopoldo-RS. “Pelas características de desempenho e custo, nos solados de calçados o PVC expandido microcelular substitui, em doses crescentes, materiais como PU expandido, borracha termoplástica, EVA, e até o PVC expandido tradicional”, explica Mônica Debarba, gerente de desenvolvimento da PVC Sul.

    Plástico Moderno, Mônica: solados mais leves com PVC expandido microcelular

    Mônica: solados mais leves com PVC expandido microcelular

    Diferentemente do processo convencional de expansão do PVC, explica Mônica, a expansão microcelular não requer ar na injeção e, por isso, gera peças mais homogêneas e sem bolhas. Além disso, tem muito menos limitações de altura que o PVC expandido tradicional, podendo confeccionar tanto solados muito finos quanto outros bem grossos. “Compostos de PVC expandido microcelular abrangem uma faixa de dureza bastante ampla, que vai de 35 Shore A até 60 Shore D, podendo ser aplicado nos solados dos mais diversos tipos de calçados, desde os infantis – cujos solados geralmente são mais macios – até os mais variados tipos de calçados adultos”, complementa.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *