Plástico

Câmara quente – Sistemas mais precisos e com custos menores avançam sobre a injeção tradicional com galhos

Simone Ferro
12 de março de 2007
    -(reset)+

    Ele ressalta, ainda, que os sistemas convencionais de câmara quente são mais indicados para aplicações de baixo valor agregado ou quando se visa apenas eliminar os canais frios. “Mesmo nesses casos, apresentam vantagens em relação ao uso de canais frios, principalmente na redução do tensionamento do material e na melhoria da qualidade dos produtos.”

    Instalada em Itatiba, a fábrica brasileira da Incoe fornece sistemas convencionais e valvulados com acionamento hidráulico ou pneumático; buchas quentes rosqueadas e de sobrepor; buchas valvuladas e Mult-Tip, para aplicação unitária ou com manifolds; bicos e filtros para injetoras; controladores de temperatura multizona; controladores seqüenciais e acessórios. “Temos também insertos que facilitam a usinagem dos alojamentos para o sistema de câmara quente”, explica o engenheiro de aplicações, William dos Santos.

    Plástico Moderno, Michael Rollmann, gerente-geral da Incoe International Brasil, de Itatiba-SP, Câmara quente - Sistemas mais precisos e com custos menores avançam sobre a injeção tradicional com galhos

    Rollmann observa tendência de alta nos sistemas valvulados

    De acordo com Santos, os sistemas são totalmente concebidos no Brasil, desde o projeto até a usinagem das peças.

    “Os únicos componentes importados da matriz, nos Estados Unidos, ou da fábrica, na Alemanha, são as resistências, termopares e os acionamentos dos sistemas valvulados.”

    Da linha de produtos, um dos destaques fica por conta dos bicos pré-montados, rosqueados diretamente no manifold. O diferencial, segundo o fabricante, está no projeto do bloco distribuidor unificado, que elimina o uso da placa de retenção, pois operam como unidades auto-suficientes, prontas para a instalação no molde. “Garantem conexão à prova de vazamentos e perfil térmico uniforme, eliminando perdas térmicas”, assegura Santos. Outros produtos da linha são as buchas DF Gold Series, cujas inovações melhoraram o desempenho e a robustez do sistema, reduzindo o tempo de parada de máquina.

    A empresa lançou também novos tipos de diretores dse fluxo que passaram a contar com cobertura para aumentar a resistência ao desgaste.
    A linha é composta ainda pelos bicos Multi-Tip. “Trata-se de uma solução econômica para moldes com grande número de cavidades e moldagem de peças que não demandam altos investimentos, ou com dimensões reduzidas e que antes usavam parcialmente o canal frio.”

    O maior bico Multi-Tip pode ter até seis pontos de injeção em um círculo de 26 mm. O novo DMT-3 Micro permite seis pontos em um círculo de 12 mm. Rollmann destaca ainda o sistema Color Seal, indicado para facilitar a troca de cor, e o sistema de controle de abertura do gate em sistemas valvulados. A empresa lançou sistema para a injeção lateral que incorpora as características da linha DF. “Continuamos a investir na otimização dos processos de montagem e em equipamentos de teste e controle de qualidade, além de oferecer equipe técnica altamente qualificada”, diz Rollmann.

    Plástico Moderno, William dos Santos, engenheiro de aplicações, Câmara quente - Sistemas mais precisos e com custos menores avançam sobre a injeção tradicional com galhos

    Santos traz de fora do País apenas poucos componentes

    Integração – Acessórios de tecnologia agregados aos moldes, os sistemas de câmaras quentes buscam aumentar a produtividade, melhorar a qualidade do produto e reduzir o consumo de todos os itens envolvidos no processo de injeção, tais como: resina, energia e manutenção de equipamentos ao submeter os mesmos a menores esforços.

    Porém, como toda tecnologia, necessita de conhecimento para sua aplicação. “Por isso, plano de treinamento aos usuários e programa de manutenção preventiva são itens de suma importância para que se obtenha o máximo de recursos que estes equipamentos nos dão”, defende o diretor-comercial da Fator, de São Paulo, Milton Tadeu Loguercio.

    No entanto, o mercado ainda carece de maior integração entre as ferramentarias e os fornecedores de câmara quente no desenvolvimento do molde. “Muitas vezes somos chamados quando o projeto já está concebido, e temos de nos adaptar para torná-lo viável”, lamenta o diretor.

    Quando a participação ocorre no início do desenvolvimento, a situação muda. “Podemos sugerir e demonstrar as vantagens de iniciarmos o projeto com uma concepção voltada para o sistema de câmara quente mais adequado”, propõe.

    Recursos para isso não faltam, a começar pela simulação da injeção com um e outro sistema. “Em grande parte dos casos simulados concluímos que o sistema valvulado, embora com valor agregado maior, sempre trás um custo de produto final menor. Como os moldes, em sua maioria, são feitos para anos de uso e milhares de peças de produção, é sempre mais interessante desenvolver ferramentas que beneficiam o menor custo de processo”, defende.

    Plástico Moderno, Milton Tadeu Loguercio, diretor-comercial da Fator, de São Paulo, Câmara quente - Sistemas mais precisos e com custos menores avançam sobre a injeção tradicional com galhos

    Loguercio: sistemas valvulados melhoram injeção de parede fina

    Dentro desse contexto, Loguercio aposta na tendência de substituição gradativa dos sistemas convencionais pelos valvulados e valvulados seqüenciais. “O convencional é mais usado, primeiro pelo menor valor agregado, segundo pelo próprio desconhecimento das grandes vantagens que o valvulado traz.”

    Além das vantagens já elencadas, Loguercio cita a injeção de peças de paredes finas. “Em grandes produções, o sistema valvulado emprega pressões de injeção e forças de fechamento menores, reduzindo os custos de hora máquina. ”Na injeção de grandes volumes, com velocidades altas, possibilita ponto de injeção maior, favorecendo a passagem do material.  “A válvula fecha no término da injeção, sem prejudicar o acabamento ou deixar vestígio.”

    O sistema é indicado também para peças com longos fluxos de injeção, como grades, frisos e pára-choques, que não podem ter linhas de emendas aparentes. “Permite deslocar as linhas de emendas de acordo com a necessidade do processo.”



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *