Cadeia produtiva avançou no conceito – Economia circular

Questões da reciclagem

Economia circular - Cadeia produtiva avançou no conceito, apesar da pandemia ©QD Foto: Divulgação/Braskem

Cadeia produtiva avançou no conceito, apesar da pandemia

A pandemia fez de 2020 um ano inusitado, repleto de distorções e exigindo novos modelos de atividade e relacionamento em todas as vertentes da vida humana.

Até na produção industrial, que após as enormes preocupações iniciais, imergiu em uma conjuntura de desequilíbrios e desproporções nos mais diversos mercados, com problemas de abastecimento de matérias-primas, insumos e equipamentos.

Cenário, como não poderia deixar de ser, materializado também na cadeia produtiva do plástico que, a despeito das dificuldades atuais, procurou se aproximar um pouco mais dos preceitos da economia circular.

Houve, é claro, contratempos e obstáculos adicionais ao avanço desse processo: por exemplo, na reciclagem, duramente afetada pela quase total paralisação por razões sanitárias das atividades de catadores e cooperativas.

Além disso, se no início da pandemia os projetos para o desenvolvimento de produtos e processos mais afeitos ao conceito da circularidade foram prejudicados pelas necessidades de isolamento social, seguiu difícil realizá-los também depois, quando foi preciso atender a uma demanda em rápida expansão.


Economia circular - Cadeia produtiva avançou no conceito, apesar da pandemia ©QD Foto: Divulgação/Braskem
Paulo Teixeira: cooperação técnica para aprimorar gestão

Foram, no entanto, surgindo projetos para vincular ainda mais o setor à economia circular.

Um deles, anunciado em agosto pela Abiplast (Associação Brasileira da Indústria do Plástico): o início de implementação de um acordo de cooperação técnica desenvolvido em parceria com a ABDI (Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial), focado em métodos eficazes de gestão de resíduos e logística reversa.

“Ele tem duração de um ano, e seu primeiro relatório deve ser apresentado em dezembro”, diz Paulo Teixeira, diretor-superintendente da Abiplast

(veja adiante quadro com informações sobre programas institucionais recentes de economia circular da indústria do plástico).

Pouco antes, em junho, a Plastivida (Instituto Socioambiental dos Plásticos) lançou oficialmente o programa Pellet Zero – OCS, destinado a certificar empresas comprometidas com a redução da perda na forma de pellets, cuja base são os parâmetros estabelecidos no programa internacional OCS (Operation Clean Sweep), adaptados para a realidade brasileira

Braskem, Dow, Innova, Unigel, e outras vinte empresas – entre transformadores, distribuidores e transportadoras – já obtiveram diferentes estágios dessa certificação.

“Até o final deste ano, a Braskem será a primeira empresa da América Latina a receber a certificação Blue, a máxima concedida pela OCS”, destaca Miguel Bahiense, presidente da Plastivida. “Outras empresas estão em processo de obtenção da certificação”, acrescenta.

A pandemia, pondera Bahiense, não poderia deixar de afetar o avanço da adoção da economia circular pela indústria do plástico, pois impactou toda a vida humana. “Mas ela não diminuiu o interesse do setor por esse tema, aliás, esse interesse é crescente”, enfatiza.

1 2 3Próxima página

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios