Brasilplast 2011 – Plásticos de engenharia – Poliamidas reforçam investimentos

O mercado de plásticos de engenharia conheceu diversas novidades, particularmente relacionadas ao velho e bom náilon e seus compostos.

A Invista aproveitou a Brasilplast para anunciar a sua decisão de produzir no país formulações com base no seu náilon 6.6, já ofertado ao mercado nacional. Porém, em vez de investir em uma fábrica, a empresa optou por terceirizar a produção, contratou duas produtoras de compostos e está negociando com uma terceira. Com intenções de reforçar a atuação nesse negócio na América do Sul, ainda assinou contrato com outras três na Argentina.

Plástico Moderno, Nelson Altero, Diretor de negócios PSM & Intermediates, Brasilplast 2011 - Plásticos de engenharia - Poliamidas reforçam investimentos
Altero opta pelos produtos consagrados

Reconhecida como uma das maiores fabricantes mundiais de náilon 6.6 (possui plantas nos Estados Unidos, Argentina e Holanda), a Invista decidiu participar do segmento de compostos há dois anos e, embora contrate empresas para produzi-los, é ela a responsável pela comercialização dos produtos. “Se houver necessidade, podemos oferecer soluções customizadas”, ressaltou Nelson Altero, diretor de negócios PSM & Intermediates.

A declaração dessas decisões para o mercado brasileiro contou com a presença estratégica do vice-presidente executivo de polímeros de engenharia, Kurt Burmeister, na Brasilplast, que disse ter intenções de trazer inicialmente dez formulações já consagradas no mercado, com as quais espera suprir por volta de 45% da demanda brasileira de compostos de poliamidas. O principal endereço, como não poderia deixar de ser, é a indústria automotiva, mas segmentos como o de eletroeletrônicos e o de bens de consumo, entre outros, também serão beneficiados. “A Invista montou equipe para atender a esse mercado, desenvolveu produtos e espera que as vendas brasileiras representem 10% das vendas globais nos próximos dois anos”, comentou Burmeister.

Plástico Moderno, Victor Costa, Gerente de desenvolvimento de negócios, Brasilplast 2011 - Plásticos de engenharia - Poliamidas reforçam investimentos
Costa oferece equipe técnica e prestação de serviços direta

A empresa já possui volume suficiente para venda de alguns grades, compostos homologados e outros em processo de homologação. A opção de Altero é por participar do mercado brasileiro com produtos que a indústria já conhece. Outra proposta dos executivos envolve a produção de compostos baseados em resina reciclada de origem pós-industrial. Eles comentaram que a empresa possui tecnologia para processar reciclado também de pós-consumo. A ideia é fechar o ciclo, destinando os resíduos.

Outra novidade interessante partiu da UBE Latin America, subsidiária do grupo japonês UBE. A notícia é a introdução no país das suas poliamidas, terpolímeros (6/6.6/12), comercializadas sob a marca Terpalex. Já conhecida do mercado brasileiro há cerca de oito anos por suas copoliamidas, há um ano abriu escritório em São Paulo, que responde pelo atendimento na América Latina.

O terpolímero sobressai por um conjunto de propriedades, englobando alta transparência e resistência à punctura, maior termoencolhimento em comparação aos copolímeros, e ainda baixa temperatura de fusão (sinônimo de maior eficiência energética) e alta permeabilidade ao CO2. Segundo o gerente de desenvolvimento de negócios, Victor Costa, o produto é um sucesso no mercado europeu e ele planeja repetir a dose no mercado nacional; para tanto disponibiliza uma equipe técnica de brasileiros e oferece prestação de serviços direta.

Plástico Moderno, François Hincker, Presidente da Rhodia, Brasilplast 2011 - Plásticos de engenharia - Poliamidas reforçam investimentos
Hincker anuncia expansão de capacidade e novas tecnologias

Nome tradicional no mundo das poliamidas, a Rhodia (por coincidência situada ao lado da Solvay, que anunciou a aquisição da empresa francesa no mês passado, como noticiou a PM 438, de abril de 2011, pág. 40) trouxe para a feira o seu presidente, François Hincker, e o diretor de projeto em composite da unidade global de plásticos de engenharia, Jean-Marc Feuillas, para divulgar novidades, entre as quais aumento de capacidade e novas tecnologias. Até o final deste ano, Hincker prevê expansão de 6 mil toneladas anuais na fábrica de compostos, em São Bernardo do Campo-SP. Sobre a união com a Solvay, ele disse acreditar que a empresa agora estará habilitada a atender melhor os clientes brasileiros. “O portfólio é complementar, não se sobrepõe”, ressaltou.

Ficou sob o encargo do outro executivo francês divulgar uma das principais atrações do estande, a nova linha de compósitos Evolite by Technyl, de formulações constituídas por uma base polimérica derivada de poliamida reforçada com fibras longas, patenteada pela fabricante. Apresentada na última edição da megafeira alemã K, no final do ano passado, o produto visa à substituição de estruturas metálicas nos automóveis, tais como peças de chassis, amortecedores, assento de bancos e outras aplicações.

Plástico Moderno, Roberto Moncorvo, Diretor técnico, Brasilplast 2011 - Plásticos de engenharia - Poliamidas reforçam investimentos
Maior parte das formulações de Moncorvo se baseia nas PAs

Entre as qualidades do produto, Feuillas destaca sua viscosidade inferior a qualquer outra poliamida, o que possibilita uma excelente impregnação e maiores taxas de reforço – até 62%, que podem ser de vidro, carbono ou outras fibras. As peças derivadas desse material exibem excelente resistência mecânica e dureza, resistência reforçada a choques e ótimas propriedades de envelhecimento. Sua fluidez ainda garante alta produtividade para o transformador.

O diretor aproveitou para divulgar os compostos feitos com até 60% de insumos obtidos de fonte renovável (óleo de mamona), lançados na Europa no ano passado e em processo de homologação para comercialização no país. “A sofisticação do mercado brasileiro está demandando produtos inovadores”, comemorou.

Quem passou pelo estande da empresa pôde ver um carro conceito elaborado com material transparente. O veículo carregava cerca de quinze quilos de poliamida, equivalentes às atuais aplicações e revelava as possibilidades de uso do material pelo setor automotivo.

Plástico Moderno, Brasilplast 2011 - Plásticos de engenharia - Poliamidas reforçam investimentos
Propriedades do náilon terpolímero asseguram a produção de filmes de melhor desempenho

A poliamida também se destacava no estande da tradicional empresa brasileira fabricante de especialidades em compostos Pepasa. “Os compostos de PA são o forte, das formulações tradicionais às especiais, com PTFE, silicone etc”, disse o diretor técnico Roberto Moncorvo. Outro item relevante no portfólio da empresa são os compostos não halogenados.

Plástico Moderno, Brasilplast 2011 - Plásticos de engenharia - Poliamidas reforçam investimentos
Náilon beneficia discos de semeadeiras

O estande exibia diversas peças moldadas com especialidades de poliamidas, entre as quais discos de semeadeiras (composto de PA), ventoinha de motor (PA com fibra de vidro e grafite), colheitadeira de café (PA com fibra e elastômero), minibuchas (feitas com uma formulação de PA 12, fibra de carbono, PTFE e silicone), buchas de amortecedor (PA reforçada com fibra de vidro e microesferas de vidro), e ainda quilhas de prancha de surf (PA 6 e fibra de vidro).

Bandeira ecológica – Sob o guarda-chuva da sustentabilidade, a DuPont repartiu sua exposição por divisões: automotiva, energias alternativas, reciclagem de embalagens plásticas, e atratividade e segurança nas embalagens. No primeiro segmento, a empresa divulgou tecnologias que propiciam baixo peso, sinônimo de menor consumo de combustível e redução na emissão de CO2, associadas com polímeros produzidos com base em fontes renováveis de origem vegetal.

Plástico Moderno, Brasilplast 2011 - Plásticos de engenharia - Poliamidas reforçam investimentos
Carro Conceito exibe uso das poliamidas, com peso equivalente a 15 quilos

O líder de vendas de polímeros de desempenho Nilson F. Bordin ressaltou os produtos formulados com poliamida, Zytel Plus e Zytel HTN; e materiais baseados em tecnologias de fonte renováveis, caso de poliamidas obtidas 100% de fonte renovável (óleo de mamona), o Zytel RS; elastômeros termoplásticos desenvolvidos com até 60% de insumo originado de fonte renovável (Hytrel RS); e o Sorona, com insumos extraídos do bagaço do milho. Segundo Bordin, esses polímeros de elevado desempenho podem substituir outros materiais na produção de peças automotivas e contribuir para a redução de peso, custo e emissão de carbono. “As resinas HTNs, resistentes a altas temperaturas, diferenciam-se pelo balanço de propriedades de maior apelo mecânico; são polímeros superestruturais que superam até ligas metálicas”, comentou. O Zytel Plus também suporta altas temperaturas, até 230ºC e possui alta estabilidade dimensional.

Plástico Moderno, Brasilplast 2011 - Plásticos de engenharia - Poliamidas reforçam investimentos
Minibuchas embutem fibra de carbono

Os desenvolvimentos relacionados a energias alternativas estão voltados, em particular, às aplicações em painéis fotovoltaicos para geração de energia elétrica e painéis solares para aquecimento de água (polímeros como a linha Rynite SUV, baseada em PET).

Também ganharam destaque no estande produtos para atender o segmento de petróleo e gás, com ampla variedade de polímeros que promovem barreiras químicas contra agentes corrosivos, resistentes à hidrólise, que propiciam isolamento térmico e possuem elevada resistência mecânica.

Plástico Moderno, Brasilplast 2011 - Plásticos de engenharia - Poliamidas reforçam investimentos
Quilha de prancha moldada com PA

A Dupont aproveitou a ocasião para difundir seu propósito de ter todas as suas linhas de produtos baseadas em fontes renováveis até 2018. Norteada pela sustentabilidade, a empresa se propõe aatender às exigências das megatendências atuais, como o aumento da produção de alimentos, visando o crescimento populacional; a redução da dependência de combustíveis fósseis; e a proteção da vida e do meio ambiente. “Essa estratégia foi definida considerando o aumento populacional global”, explicou Bordin.

O conceito de sustentabilidade conduziu igualmente a exposição da Sabic, outra contemplada com a presença no estande de executivos internacionais. Compareceu ao Anhembi o seu vice-presidente, Timothy J. O’Brien, responsável pelo negócio de resinas de alto desempenho nas Américas e na Europa. Entre as novidades, ele destacou o lançamento de uma linha baseada em fibras naturais e produtos com características antiestáticas. Para a primeira, ele promete desempenho similar aos compostos com fibras de vidro e explica tratar-se de formulações focadas em polipropileno e poliamidas 6 e 6.6, elaboradas com fibras como pó de serragem (adicionada ao polipropileno) e fibra de curauá (incorporadas às poliamidas).

Plástico Moderno, Nilson F. Bordin, Brasilplast 2011 - Plásticos de engenharia - Poliamidas reforçam investimentos
Bordin ressalta as resinas de alto desempenho com origem verde

Os antiestáticos se endereçam ao mercado de eletroeletrônicos e peças de ignição do motor. Os polímeros podem ser variados, de acordo com as especificações da aplicação, para materiais mais condutivos ou para dissipação.

As novidades alcançaram também o Noryl GTX (blenda de poliamida com polímero éter polifenileno (PPE) modificado). O gerente geral automotivo da América do Sul, Edson R. Simielli, informou que agora essa família traz nova geração de grades condutivos e de maior estabilidade dimensional, desenhados para substituir metal e outros substratos em peças estruturadas na indústria automotiva. Entre as aplicações, ele menciona para-lamas e portinhola do tanque de combustível e ressaltou a indústria automotiva como um dos maiores mercados da empresa. Destacou entre as qualidades dos produtos a alta estabilidade dimensional, a rigidez e a possibilidade de reduzir peso. “Dependendo da peça, o ganho pode chegar até 50% em relação ao metal”, comparou.

A Sabic aproveitou a ocasião para informar ao mercado que incorporou um novo produto à sua fábrica brasileira: o Noryl (resinas de PPE modificadas) flexível, indicado para substituir o policloreto de vinila (PVC) e o polietileno reticulado em aplicações de fios e cabos. Os principais apelos ficam por conta da atoxicidade, leveza, resistência química e à corrosão. Segundo a Sabic, o produto também oferece melhor isolamento que o PVC, possibilitando a confecção de cabos de menores diâmetros.

Plástico Moderno, Brasilplast 2011 - Plásticos de engenharia - Poliamidas reforçam investimentos
Painéis fotovoltaicos têm opção de formulação baseada no PET

Polímeros de alto desempenho – A indústria automotiva também dirigiu os esforços em novos desenvolvimentos encabeçados pela Ticona. Seu principal objetivo – e também o da maioria dos produtores de plásticos – é substituir metal por polímeros e com isso reduzir o peso (carros mais leves consomem menos combustível) e possibilitar projetos de design mais complexos.

A gerente de desenvolvimento e produto Simone Orosco conduz projetos brasileiros para produzir dutos de ar e retorno de ar com polifenileno de sulfeto (PPS). Segundo ela, os acetais também são bem cotados e já substituem em boa parte as bombas de combustíveis, graças às suas propriedades de altíssima resistência química.

Plástico Moderno, Timothy J. O'Brien, Responsável pelo negócio de resinas de alto desempenho nas Américas e na Europa, Brasilplast 2011 - Plásticos de engenharia - Poliamidas reforçam investimentos
O’Brien destaca novos produtos reforçados com fibras naturais

Em outro projeto, ela desenvolve a substituição de estrutura metálica por uma peça única, moldada em um composto de polipropileno com fibras longas de vidro, em painéis de instrumentos. O material polimérico também se aplica a peças como front-end e laterais de porta.

A despeito de o setor automotivo representar o maior foco de atuação para os plásticos de alto desempenho da empresa, Simone quer abrir maior espaço em outros mercados, entre os quais o segmento de óleo e gás, para o qual dispõe de compósitos capazes de substituir metal em algumas aplicações.

Simone também anunciou uma terceira geração de poliacetais, com modificação ao impacto em sua estrutura molecular, gerada durante a polimerização. O resultado surpreende: 75% mais rigidez, 300% mais resistência ao impacto e 30% de redução de ciclo. Os produtos incorporam a família Hostaform POM série S. Simone comenta que também a série HS foi redesenhada nos reatores, promovendo uma interação entre as moléculas. A modificação resultou em um polímero com elevada resistência mecânica e alta estabilidade. “Esses produtos foram desenvolvidos para aliar as melhores propriedades do homo e do copolímero”, explicou.

Plástico Moderno, Edson R. Simielli, Gerente geral automotivo, Brasilplast 2011 - Plásticos de engenharia - Poliamidas reforçam investimentos
Novo material pode reduzir peso em até 50%, diz Simielli

Tradicional no segmento de compostos de polipropileno, a Borealis também cobiça ampliar sua fatia no segmento automotivo em peças hoje disputadas pelo metal e por outros plásticos de engenharia. “Nosso foco é a criação de valor com inovações”, disse Daniel Bahls, gerente de marketing e desenvolvimento de produto.

O estande da empresa foi palco para a apresentação de composto de PP aplicado em partes do carro Smart, mas que pode ser estendido a outras montadoras. Entre os benefícios do uso desse material em peças exteriores, Bahls ressaltou a alta resistência ao impacto e a facilidade de processamento, sinônimo de peças de paredes finas. Em peças interiores, lembrou a alta resistência ao risco, redução de odor, menos emissões e fogging, propriedades aliadas a um índice de fluidez que permite bom preenchimento do molde.

Plástico Moderno, Brasilplast 2011 - Plásticos de engenharia - Poliamidas reforçam investimentos
Portinhola do tanque de combustível é feita com Noryl

Segundo o gerente, os aperfeiçoamentos incorporados aos produtos resultaram em compostos com índices de fluidez que facultam à indústria moldar atualmente para-choques com uma parede entre 2,7 e 2,8 mm de espessura. Para os painéis de instrumentos, dispõe de compostos com apenas 10% de carga e balanço de propriedades que associam alta resistência ao risco e sem problemas de fogging e emissão de odores.

Plástico Moderno, Brasilplast 2011 - Plásticos de engenharia - Poliamidas reforçam investimentos
Soluções propostas por Simone desalojaram o metal com vantagens para resinas de alto desempenho

Ainda em peças internas, Bahls exibiu estrutura do banco traseiro para veículo da BMW (série 7) moldado com um composto de alto desempenho da família Xmod. A formulação propicia redução de 35% no peso da peça em relação ao metal e ainda, de acordo com o gerente, oferece maior segurança porque absorve mais impacto.

A disputa com outros materiais avança para debaixo do capô. Um desenvolvimento da Fiat emprega também a série de compostos Xmod na substituição da poliamida no sistema de filtro de ar. A formulação oferece elevada estabilidade dimensional, facilidade no preenchimento do molde e suporta temperaturas da ordem de até 110ºC.

Outra aplicação visada por Bahls sugere a substituição das poliamidas pelos compostos de polipropileno nos coletores de admissão. Ainda inseridas na mesma família Xmod, as formulações baseadas em PP prometem conferir às peças elevada estabilidade dimensional, resistência química e redução de peso de 15%.

Novos focos de aplicação – Ainda pouco conhecida no mercado brasileiro por seus polímeros de alto desempenho, a Solvay aproveitou a feira para mostrar a amplitude de aplicações que seus materiais podem beneficiar. “O mercado brasileiro tem um forte potencial”, acredita Alexandre M. Guimarães, gerente regional América do Sul – especialidades em polímeros.

Plástico Moderno, Daniel Bahls, Gerente de marketing e desenvolvimento de produto, Brasilplast 2011 - Plásticos de engenharia - Poliamidas reforçam investimentos
Bahls: desenvolvimentos em compostos de polipropileno avançam fora e dentro do capô

Entre esses materiais, ele vislumbra aplicações promissoras para os fluorpolímeros, como o etileno cloro trifluoretileno, que suporta temperatura de trabalho e possui resistência química acima da do PVDF. Entre os mercados beneficiados, Guimarães aponta as indústrias químicas, as de gás e óleo e ainda as de energia solar, nas quais contribuem com suas características de resistência à umidade e à temperatura.

Outro mercado que pode ganhar com a substituição de metal pelos polímeros é a indústria médico-hospitalar. A polifenilssulfona, especialmente por suas características de transparência, resistência ao impacto e possibilidade de esterilização em autoclave por mais de mil ciclos sem perda de propriedades, candidata-se a substituir metal em aplicações como caixa de instrumentos cirúrgicos, bandejas e outras. Além das vantagens já mencionadas, alivia o peso das peças, permite coloração e não amassa (o metal amassado é foco de contaminação).

Claro que a indústria automotiva não poderia ficar de fora. Para esse setor, a empresa desenvolveu para a Ford brasileira uma bomba d’água mecânica em poliftalamida para substituir o alumínio. A novidade está sendo traduzida para o mercado externo. As poliftalamidas também são boas candidatas para deslocar o alumínio nos freios ABS. Aplicações de maiores requisitos térmico, mecânico e químico dispõem das poliamidaimidas (PAI) e da poliéter-éter-cetona (PEEK).

Plástico Moderno, Haroldo Paganini Rodrigues, Chefe de produto de polímeros de alta performance, Brasilplast 2011 - Plásticos de engenharia - Poliamidas reforçam investimentos
Novo PEEK suporta mais stress, sem sofrer fraturas ou se romper, segundo Rodrigues

Por falar em PEEK, a Evonik levou para a feira um novo grade do polímero, o Vestakeep 5000G, com diferencial de maior ductabilidade em comparação aos outros grades disponíveis. A principal vantagem alegada pelo chefe de produto de polímeros de alta performance América do Sul, Haroldo Paganini Rodrigues, é a capacidade do produto de conferir maior alongamento, sem sofrer fraturas ou romper. “Suporta mais stress que as demais resinas”, comparou. Lançado no final do ano passado na K, o produto estreou no país na Brasilplast e contempla aplicações como anéis para válvulas no mercado de petróleo e gás, implantes dentários, no segmento médico, entre outros.

O PEEK faz parte de um seleto grupo de polímeros de altíssimo desempenho. Opera a 380ºC, com picos de 400ºC, sem sofrer qualquer arranhão em suas propriedades. A resina é menos abrasiva que o aço, possui altíssima resistência química e ainda alivia o peso das peças.

Plástico Moderno, Marcelo Calil Bianchi, Diretor comercial, Brasilplast 2011 - Plásticos de engenharia - Poliamidas reforçam investimentos
Unigel produzirá no país até 90 mil t de ABS, anuncia Bianchi

A Evonik ainda aproveitou a feira para divulgar sua entrada no segmento de semiacabados. A partir de agora, o transformador pode adquirir tarugos, chapas ou tubos de PEEK.

Produção nacional – Um resgate do passado da empresa e também da indústria nacional, a Unigel anunciou na Brasilplast que vai produzir o terpolímero ABS no país. “A intenção é fortalecer sua vocação e integração na área de estirênicos e retomar um passado sólido nessa cadeia”, declarou o diretor comercial Marcelo Calil Bianchi. A unidade, de 90 mil toneladas anuais, aproveita estrutura já existente do site da empresa no Guarujá-SP, e deve absorver cerca de R$ 70 milhões, com projetos de entrar em operação até o final de 2012.

Embora o mercado considere que para ser competitiva uma planta do gênero devesse ter maior porte, Bianchi argumenta que a integração operacional combinada com o domínio de tecnologia de processos confere à empresa a vantagem competitiva. Segundo ele, a intenção é utilizar a planta para elaborar produtos de maior valor agregado.

Além disso, a capacidade instalada se insere dentro das necessidades de demanda do mercado. De acordo com estimativas de Bianchi, a importação de ABS no ano passado foi da ordem de 80 mil toneladas. “Acredito que em características de produtos teremos condições de atingir cerca de 50% do mercado.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios