Brasilplast 2009 – Mostra valoriza a força da cadeia produtiva do plástico e aperfeiçoa a infraestrutura

Os organizadores da 12ª Brasilplast – Feira Internacional da Indústria do Plástico se esforçarão para transformar a ida ao Pavilhão de Exposições do Anhembi-SP, durante os dias 4 e 8 de maio, num período de encantamento, no qual o público esperado, de 65 mil pessoas, e os 1.300 expositores, de 30 países, terão à disposição um ambiente aconchegante e ainda mais profissional, se comparado ao das edições anteriores. Essa exposição da Reed Exhibitions Alcantara Machado trará diversas mudanças na infraestrutura dos serviços oferecidos e ainda tentará ratificar a força da cadeia produtiva do plástico, que ali estará com inovações e as mais recentes tecnologias desse mercado, ávido para suplantar as incertezas geradas pela conjuntura econômica internacional e se valer da tradição desse polo gerador de negócios.

Plástico Moderno, Evaristo Nascimento, diretor de feiras da Reed Exhibitions Alcantara Machado, Brasilplast 2009 - Mostra valoriza a força da cadeia produtiva do plástico e aperfeiçoa a infraestrutura
Para Nascimento, a participação na feira deve estar focada nos negócios

No final do ano passado, não por acaso, o presidente da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast), Merheg Cachum, afirmou que a Brasilplast 2009 seria uma iniciativa válida para estimular as vendas e ativar o setor, sobretudo por se tratar de um momento de retração. É isso mesmo, esta edição de um dos maiores eventos do mercado em âmbito mundial embute a intenção de valorizar a indústria neste período de turbulências, marcado por dúvidas e receios. “Recebemos expositores representando todos os continentes, dispostos a superar as incertezas do atual momento e transformá-las em novas oportunidades de negócios”, explicou o diretor de feiras da Reed Exhibitions Alcantara Machado, Evaristo Nascimento. Seria ingênuo ignorar o tema crash mundial, afinal, ele não se esgotou e será recorrente nos corredores do Anhembi, mas o tom não deverá ser de derrota. “Daqui a pouco, a crise passará. Na Brasilplast, portanto, temos a obrigação de mostrar que estamos aqui trabalhando e temos muita coisa a oferecer”, ressaltou o diretor. Para ele, há uma dinâmica no setor que impede o esmorecimento. “Nos negócios, você precisa ultrapassar as dificuldades e seguir adiante, sempre”, completou.

Foco no serviço – A 12ª Brasilplast representará um passo importante no aperfeiçoamento dos serviços prestados, por conta de uma série de mudanças na infraestrutura do pavilhão. A começar pelo acesso ao evento. O diretor destacou o pré-credenciamento, feito on-line. Dessa forma, estima-se que cerca de 90% da visitação demorará menos de um minuto para ter sua credencial e entrar no pavilhão. Haverá um balcão de atendimento onde as pessoas poderão apresentar um código de barras, obtido via internet, e conseguir, em segundos, a credencial. Antes, o procedimento manual levava em torno de 10 minutos, em média. “As filas passarão a praticamente zero”, estimou Nascimento. Também importante nesse mesmo quesito é a reforma do estacionamento, que conta agora com uma catraca eletrônica capaz de agilizar a entrada dos carros.

Dentro do pavilhão, as mudanças saltarão aos olhos. O teto ganhou uma manta para evitar a infiltração das chuvas e reduzir a temperatura do ambiente; o piso foi asfaltado, ficou regular. Com ares de shopping center, o Anhembi passará a abrigar duas praças de alimentação, com área total de cerca de 700 metros quadrados. Serão quase 15 marcas, com variadas opções gastronômicas. Os banheiros também foram contemplados. Até o dia 4 de maio, um deles, no caso o feminino, estará completamente reformado, sob um novo layout. Outra novidade no quesito conforto se refere à Sala do Bem-Estar, destinada para o descanso das recepcionistas, com banheiro agregado. Com esse espaço, a ideia é evitar os costumeiros tumultos nas áreas comuns. Em tempo, para quem não vai ao Anhembi há algum tempo, um aviso: o espaço passou a ter um único piso, pois os mezaninos norte e sul do pavilhão foram derrubados.

“A feira tem como obrigação colocar à disposição do seu público, não somente o visitante, mas também o expositor, facilidades”, comentou Nascimento. O Centro de Atendimento ao Expositor (CAEX) terá ainda novas instalações. Agora são 20 estações fixas de credenciamento logo na entrada do hall, dotado de um amplo sistema de atendimento ao expositor. “Aprendemos com a experiência internacional, principalmente, a melhorar o atendimento”, completou o diretor sobre a parceria da Alcantara Machado com a Reed Exhibitions.

Outras mudanças ficarão a cargo de sua configuração: o evento contará com a estreia de novas empresas e aumentará a presença dos estrangeiros. Além disso, alguns expositores ampliarão seus espaços. Os maiores estandes, neste ano, serão os das petroquímicas Quattor e Braskem, que se uniram a várias empresas e ocuparão cada uma a área de mil m². Em contrapartida, duas companhias com tradição na Brasilplast, nesta edição, ficarão de fora: a Bekum, fabricante de sopradoras, e a Husky, de injetoras.

Estratégias de cada empresa à parte, todos da cadeia do plástico querem, pelo menos, uma fresta dos holofotes da maior feira do setor da América Latina. No entanto, os 78 mil m² disponíveis do Anhembi, como ocorre há anos, serão insuficientes para a demanda. A escassez de espaço está na pauta não é de hoje. No passado, aliás, cogitou-se a possibilidade de privatização do Anhembi, e assim ampliar a área da exposição. Mas Nascimento derrapa numa lama de boas intenções. Existe um projeto da iniciativa privada – previsto para 2007 – de aumentar a área, porém esse plano ainda continua no papel, sem previsão de efetivação. “De momento, fizemos o que estava ao nosso alcance, melhoramos a qualidade”, reforçou o diretor, em alusão às melhorias pleiteadas para o pavilhão. Para tentar otimizar o espaço, os eventos paralelos (até o fechamento desta edição ainda não havia definição sobre eles) acontecerão fora da área de exposição, ou seja, no Hotel Holiday Inn Parque Anhembi ou no centro de convenções, ambos localizados ao lado do pavilhão.

Mote – Sem precipitação, Nascimento não destacou um foco principal para esta edição, mas sim três pilares importantes sobre os quais a Brasilplast deverá se escorar: a sustentabilidade do ambiente, a reciclagem e a informação sobre o plástico. “Não elegemos um único tema”, comentou. No entanto, por ser de caráter abrangente e atual, o evento seguirá as principais tendências do setor, promovendo ações voltadas para o uso ecológico da resina e do material transformado e estimulando a aproximação desses com o público. “Pretende-se mostrar o plástico na vida das pessoas, ou seja, sua aplicação nos diversos setores”, exemplificou.

A Brasilplast terá como missão ainda propor o diálogo entre os membros da indústria do plástico, com o objetivo de motivar novas transações comerciais. Com vocação para instigar o crescimento do setor, a exposição sinaliza o avanço tecnológico do mercado mundial do plástico e se pauta na realização de negócios. “Quem fala que a feira é institucional está completamente errado”, apontou Nascimento. Para ele, prova desse objetivo se vê nos próprios estandes, cada vez com mais técnicos e funcionários capacitados para efetivar as vendas. Prospectar os negócios a ser realizados seria leviano, mas ele enfatizou o interesse crescente do expositor de profissionalizar a sua participação neste tipo de mostra. “A feira está focada no negócio”, completou, ao se referir ao fato de o espaço para oba-oba e bate-papo informal estar cada vez mais restrito.

Panorama – Ao longo dessas doze edições, o evento evoluiu, acompanhando de perto o desenvolvimento do setor. Os números deste ano nada lembram 1987, ano de sua primeira edição oficial. Na época, o consumo per capita de plástico no Brasil era de quatro quilos, índice que saltou para 26,93 quilos por habitante/ano (dados da Abiplast). Hoje, de acordo com informações da Reed Exhibitions Alcantara Machado, o país está entre os maiores e ocupa a oitava posição no ranking mundial de consumo de plásticos. Para se ter uma ideia, a indústria brasileira fabrica cerca de 4,5 milhões de toneladas/ano de resinas, configurando-se como a nona produtora mundial de resinas plásticas.

Diante desse cenário, fica fácil entender o interesse dos estrangeiros em relação à mostra. Serão cerca de 30 países. Além dos estandes individuais, haverá pavilhões da Itália, China e Taiwan. Uma estreia se refere ao pavilhão da Argentina, onde estarão reunidas diversas empresas do país vizinho.

Quem é o visitante – Em relação ao perfil de quem vai à feira, poucas devem ser as mudanças se comparado ao da edição de 2007. Na época, entre os visitantes nacionais, a participação maciça foi do Sudeste (85,30%), sendo seguida pela do Sul, com 9,41%. O restante do público se dividiu entre o Nordeste (2,91%), o Norte (1,44%) e o Centro-Oeste (0,94%). No entanto, ele considera que o Brasil tem se expandido para além das regiões tradicionais em atividades industriais. “A visitação vai diluir um pouco, as diferenças serão menores”, constatou Nascimento. Entre os estrangeiros, a presença da América do Sul deverá continuar na liderança, como na 11ª Brasilplast.

Como acontece em todas as edições, mais da metade do espaço será ocupado pelo segmento de bens de capital. As dimensões do Anhembi favorecem a exposição de máquinas, em funcionamento: são 20 metros de pé-direito. “Alguns modelos só podem ser mostrados aqui e nas feiras de Chicago (NPE) e Dusseldorf (K). É fundamental colocá-los para funcionar, pois é como fazer uma compra com degustação”, explicou Nascimento. Além das máquinas, equipamentos e acessórios, a planta da mostra se divide entre os setores de moldes e ferramentaria; instrumentação, controle e automação; resinas sintéticas; produtos básicos e matérias-primas químicas em geral; transformadores de plástico; serviços e projetos técnicos; entidades e publicações técnicas.

Para conseguir essa abrangência, a organização não está sozinha, conta com o apoio de importantes referências do mercado, como Abiplast (Associação Brasileira da Indústria do Plástico), Abimaq (Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos), Siresp (Sindicato das Indústrias de Resinas Sintéticas do Estado de São Paulo) e Abiquim (Associação Brasileira da Indústria Química).

Ah, se fosse a primeira crise! – Desde sua primeira edição em 1987, em meio ao Plano Bresser, o evento vem galgando posição de destaque no cenário mundial. Hoje, a Brasilplast é considerada uma das cinco maiores feiras do setor, ao lado da K (Alemanha), NPE (EUA), Plast (Itália) e China Plastic (China). Ao longo dessas doze edições, a mostra brasileira acumula a experiência de quem está calejada pelas crises, sejam elas políticas ou econômicas. A ideia de organizar uma feira para a cadeia do plástico começou nas entranhas de uma das mais tradicionais exposições de máquinas, equipamentos e acessórios: a Feira da Mecânica, da qual a Brasilplast se desmembrou, em 1986, época do Plano Cruzado. Antes disso, a então Alcantara Machado realizou duas edições do evento; no entanto, esses se restringiam a congressos, ou seja, não embutiam o gigantismo da feira dos dias atuais.

A primeira edição oficial, mais parecida com esta de 2009, reuniu 300 empresas. Com o tempo, esse número aumentou, de forma significativa: no ano seguinte, passou a 450 expositores. Já 1991 foi marcado pelo confisco dos ativos financeiros decretado pelo Plano Color I e, por conta disso, a feira derrapou um pouco, mas sem perder o seu brilho. A recuperação veio na edição seguinte, em 1993; mesmo com a renúncia presidencial um ano antes, a exposição surgiu revigorada e contou com grande participação de expositores estrangeiros.

Dois anos depois, seu caráter internacional se ratificaria. A Brasilplast´95 agrupou 712 expositores, dos quais mais de 60 eram estrangeiros. Em 1997, em meio à crise asiática, o evento recebeu 856 expositores, espalhados por mais de 400 estandes. Outro baque viria na sequência, em 1999, com as mudanças na política cambial. Apesar da desvalorização do câmbio, a exposição conseguiu apresentar mais de 900 expositores e cresceu em número de empresas, 10% a mais, em relação à edição anterior. As turbulências sofridas pela hermana indústria argentina e o estouro da chamada “Bolha da internet” – fenômeno de supervalorização das empresas pontocom e de suas ações – pouco afetaram a feira de 2001, que ocorreu em um ambiente relativamente estável no país. No entanto, em 2003, o Brasil foi acometido pelas incertezas políticas da época: era o primeiro ano do governo Lula. Apesar desse ineditismo, o evento seguiu firme e reuniu 1.200 expositores, interessados em mostrar o vigor da indústria nacional. A elevação dos juros e o dólar em queda frearam, em alguma medida, o crescimento da indústria em 2005, mesmo assim, em abril, a Brasilplast foi aberta com a presença do ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan, o que reforçou a fervura das exportações do setor.

A antecessora desta Brasilplast 2009 se deu em um clima mais tranquilo, os recordes da indústria automotiva, a manutenção das liberações de verbas governamentais para obras de infraestrutura e o aquecimento de certos segmentos consumidores de embalagens plásticas deram um tom mais eufórico à cadeia produtiva do plástico. A feira aconteceu em meio à visita do Papa Bento XVI ao Brasil, que aportou no Campo de Marte durante sua realização. Mas mesmo com a vinda do sumo pontífice, a 11ª Brasilplast atraiu 62.787 visitantes e reuniu 1.294 expositores, sendo 762 nacionais e 532 estrangeiros, de 30 países.

Nos bastidores – Referência no quesito feiras nacionais e internacionais, o Anhembi completa 39 anos em 2009. Para acomodar público de cerca de 60 mil pessoas, possui estacionamento para cerca de 7,5 mil veículos e capacidade rotativa de 13 mil veículos, ao dia. Localizado junto da Marginal do rio Tietê, o local dá acesso aos aeroportos de Congonhas e Cumbica, além de estar em frente ao Campo de Marte e próximo ao Terminal Rodoviário e ao metrô Tietê.

A Reed Exhibitions Alcantara Machado, a fim de facilitar o acesso ao pavilhão, colocará à disposição do visitante uma frota de ônibus para seu transporte gratuito do metrô Tietê até o local. O serviço funcionará uma hora antes da abertura da mostra, marcada para as 11 horas, e uma hora depois de seu encerramento, às 20 horas. “Mais ou menos 12 mil pessoas serão beneficiadas”, previu Nascimento. Para quem vem de fora da cidade, os organizadores realizaram uma parceria com a empresa de aviação TAM, que estipula um valor mais baixo das passagens. “Queremos motivar a vinda de pessoas de outros estados”, comentou o diretor.

Os aprimoramentos desta 12ª Brasilplast, em relação às anteriores, resultam, em parte, da nova configuração da empresa organizadora. Será a primeira edição da feira sob a organização e promoção da Reed Exhibitions Alcantara Machado, formada pela joint venture entre a Reed Exhibitions, empresa responsável por mais de 500 eventos, e a Alcantara Machado, fundada em 1956 e à frente da Brasilplast desde sua primeira edição.

Plástico Moderno, Brasilplast 2009 - Mostra valoriza a força da cadeia produtiva do plástico e aperfeiçoa a infraestrutura

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios