Embalagens

Brasilpack – Inovação tecnológica e arrojo empresarial abrem mercado latino-americano para máquinas e insumos do ciclo de embalagens

Hilton Libos
14 de abril de 2008
    -(reset)+

    Plástico Moderno, Evaristo Nascimento, diretor da empresa organizadora do evento, a Reed Exhibitions/Alcântara Machado, Brasilpack - Inovação tecnológica e arrojo empresarial abrem mercado latino-americano para máquinas e insumos do ciclo de embalagens

    Nascimento: reflexos da economia

    A nova tendência de coligar várias feiras de setores de negócios relacionados entre si em uma só exposição, realizada ao mesmo tempo e espaço, funcionou bem como apelo de atração dos fabricantes de máquinas, equipamentos e insumos no aglomerado de empresas do ciclo produtivo da embalagem durante a 1ª Semana Internacional da Embalagem, Impressão e Logística (Brasilpack 2008).

    A verdadeira multifeira englobou desde empresas de desenho gráfico até matérias-primas e equipamentos para a produção e impressão de embalagens, outdoors, estampas, adesivos e etiquetas, atraindo mais de 43 mil visitantes ao Parque de Exposições do Anhembi, em São Paulo-SP, entre 10 e 14 de março. “Praticamente ninguém estava lá a passeio, mas a negócio”, avaliou Evaristo Nascimento, diretor da empresa organizadora do evento, a Reed Exhibitions/Alcântara Machado.

    Para Nascimento, a quantificação de público tem um determinado grau de importância na avaliação dos fatores que induziram o evento ao sucesso, mas a qualificação desse público vale mais: “Pudemos observar um público profissional qualificado e realmente interessado em fazer negócios”, afirmou. “A presença de público, além de maciça, foi importante para se verificar concretamente o nível de interação da atividade do mercado de embalagem com os cenários de uma economia em alta”, acrescentou o diretor.

    Indicadores quentes, otimismo no ar –Na abertura da Brasilpack 2008, não apenas os organizadores da exposição, mas também as lideranças do aglomerado de empresas que compõem o círculo da produção de embalagem demonstravam seu franco otimismo, ao deduzir que os indicadores de crescimento do setor tendem a acompanhar proporcionalmente a expectativa de crescimento do PIB, em torno de 5% em 2008.

    Gradualmente, nos últimos tempos, o setor experimentou um ciclo de avanços sucessivos, que levou o segmento de embalagens a praticamente dobrar de dimensões na última quadra. A expectativa é de manutenção desse quadro. No ano passado, quando se registrou a maior taxa de crescimento do setor desde 2004, sua ampliação foi de 2,1% com um movimento financeiro equivalente a 1,4% do PIB nacional (R$ 32,5 bilhões), de acordo com os registros da Associação Brasileira de Embalagem (Abre). Nesse mesmo período, o total das exportações somou US$ 479 milhões e o setor de plásticos concentrou a participação de 27,51% no bolo das vendas externas, representando um crescimento de 27,22% em relação a 2006; em 2007, as importações aumentaram 26,35%. O mercado tende a se manter aquecido – até mesmo por causa da influência positiva de novos investimentos e do aumento da demanda –, o que levou os dirigentes empresariais a estabelecerem uma projeção de crescimento do setor de embalagens de aproximadamente 2,5% com uma receita de R$ 34 bilhões, no balanço de 2008.

    No segmento de bens de capital para embalagens, as projeções da divisão de estatística da Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos (Abimaq) para 2008 são de sustentação do crescimento desta fatia na mesma média de aproximadamente 10% verificada em 2007. Conforme a Abimaq, o desenvolvimento do mercado externo para máquinas, equipamentos e acessórios à indústria de plásticos e borrachas nos últimos três anos poderá se manter em expansão, com possibilidade de aumentar 12,4% em 2008 – principalmente com o apoio das encomendas de extrusoras, máquinas e outros aparelhos para a cadeia de transformação de plásticos, itens que tiveram melhor desempenho no total de 54% das vendas de bens de capital em 2007.

    Plástico Moderno, Brasilpack - Inovação tecnológica e arrojo empresarial abrem mercado latino-americano para máquinas e insumos do ciclo de embalagens

    Público serviu como termômetro de qualidade nos negócios

    Os dirigentes do ramo de impressão de embalagens manifestaram a sua confiança com os demais elos da cadeia produtiva de embalagens. O presidente da Associação Brasileira da Indústria Gráfica (Abigraf), Mário César Camargo, antecipou o crescimento do setor gráfico em até 5,5% durante 2008. A análise de Camargo leva em consideração o mesmo ritmo de retomada dos investimentos em 2007, principalmente nas áreas de flexografia e impressão de embalagens, responsáveis pelo aumento das exportações e importações de produtos gráficos no período. Segundo ele, o setor de embalagens apresentou o melhor desempenho de exportações da indústria gráfica em 2007. O presidente da Abigraf lança um outro dado para justificar o horizonte favorável para o setor. “Acredito que a expansão para uma economia sustentável agora deverá oferecer como novidade mais sofisticação da demanda interna por produtos gráficos.”

    Inovação e avanço continental – Os efeitos finais da combinação entre renovadas estratégias de planejamento de marketing em feiras de negócios, as tendências de alta e a estabilidade econômica, mais as propostas de sustentabilidade socioambiental e inovação tecnológica de ponta embutidas em todas as etapas de produção apresentadas nos estandes, se refletiram imediatamente com a abertura das rodadas internacionais de negócios.

    A dinâmica de trabalho nessas rodadas de negócios já se desenvolvia satisfatoriamente, sob o estímulo de indicadores de crescimento da economia. O anúncio do conjunto de medidas do Banco Central de incremento ao comércio exterior – por meio da contenção às consecutivas desvalorizações do dólar americano – chegou às mesas de negociação soando como música. No final, o saldo das vendas para clientes da Costa Rica, Argentina, Chile, Peru, Colômbia e Equador (R$ 2,2 milhões) sinalizou luz verde para o manancial de negócios potenciais concentrado no mercado latino-americano.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *