Borracha natural – Plantio no país desponta no cenário global – Previsão de aumento da produção brasileira poderá evitar déficit no abastecimento mundial

Para a execução do Prodabes, a Ceplac quer a ação conjunta de ministérios, dos dois governos estaduais e das prefeituras, nas áreas de pesquisa, assistência técnica e extensão, crédito, e organização da cadeia agroindustrial da borracha. No âmbito da agricultura familiar, sugere que o Pronaf financie módulos de três hectares por dezesseis anos, com oito de carência – sugestão que considera o fato de a seringueira começar a produzir aos sete anos aproximadamente e estender a produção por cerca de trinta anos.

O agrônomo da Ceplac Adonias de Castro ressalta que o Prodabes também recomenda a substituição da eritrina, a leguminosa que dá sombreamento ao cacaueiro, por seringueira. “Mas na renovação dos cacauais e no plantio dos novos, recomenda-se o plantio simultâneo do cacaueiro e da seringueira.” Adonias explica que o sistema agroflorestal antecipa e incrementa a receita por hectare e melhora o caixa, aumentando a competitividade de ambas as culturas. “O cacau enxertado começa a produzir três anos antes da seringueira”, esclarece. São também vantagens do sistema agroflorestal: maior lucro por superfície cultivada; uso mais racional do espaço e da luz; maior reciclagem de nutrientes; e melhor aproveitamento residual de fertilizantes. No sudeste da Bahia já há mais de 8 mil hectares de seringueira e cacaueiros consorciados.

O interesse pela borracha natural na Bahia está sendo reanimado também pela recente instalação de duas novas fábricas de pneus na Grande Salvador, a Bridgestone/Firestone e a Continental, e também pela ampliação da Pirelli, em Feira de Santana. Em instalação, há ainda: em Feira de Santana, a Muller Bahia, fabricante de pneus para empilhadeiras, reboques e veículos de carga para portos e aeroportos; e em Camaçari a fábrica de negro-de-fumo da Columbian Chemicals Company.

Esses empreendimentos concentraram na Bahia mais da metade da produção de pneus, a maior parte para exportação. “O Brasil é um paradoxo, importa borracha e exporta pneus”, ironiza Cortez.
No Mato Grosso, um produtor apontado como modelo, o Grupo OMB, dono de 3 mil hectares de seringais, anuncia expansões. “Nos próximos anos, só no plantio vamos investir R$ 24 milhões e suprir a ociosidade de nossa fábrica”, anuncia o diretor Airton Reviglio. O OMB é dono também de 500 hectares no Espírito Santo.

A Natural Consultoria, gestora do Projeto Borracha Natural Brasileira, revela que o clima favorável aos negócios da borracha está motivando municípios como Frutal-MG, Prata-MG e Nova Crixás-GO a se tornarem pólos produtores. Estão apregoando clima e solo favoráveis e terras mais baratas do que em São Paulo. O Projeto Borracha Natural, sediado em Piracicaba-SP, foi criado “para suprir a crescente demanda por informações sócio-econômicas e técnico-científicas fidedignas sobre a heveicultura brasileira”, revela o agrônomo Heiko Rossmann. Ele e o colega Augusto Hauber Gameiro são os criadores do Projeto. “Estamos lançando um informativo mensal em inglês para atender à demanda externa por informações sobre heveicultura no Brasil”, anuncia Rossmann.

Diferentemente do passado, quando o setor reivindicava medidas protecionistas como contingenciamento nas importações – praticado até 1997 – e subsídio – entre 1997 e 2002 –, a borracha hoje é regida pela lei do mercado, em condições que Jayme Cortez classifica de “altamente competitivas”. Ele não apresenta uma explicação precisa para a mudança. “Simplesmente houve uma evolução muito forte para cima do mercado internacional”, arrisca. A evolução do preço pago às usinas desde 2001 atesta com mais precisão a razão do otimismo: em janeiro de 2001, constatou a Natural Consultoria, o valor pelo quilo da melhor borracha para pneus, o granulado GEB 1, alcançou R$ 1,53. Nos janeiros seguintes descreveu a seguinte trajetória: 2002, R$ 1,57; 2003, R$ 3,42; 2004, R$ 3,90; 2005, R$ 3,90; 2006, R$ 4,25; 2007, R$ 4,06 – gradual variação de 158% entre janeiro de 2002 e 2007. A ascensão continua. Em março, o preço bateu em R$ 4,80/kg.

Mal-das-folhas – O desenvolvimento dos primeiros clones de seringueira resistentes a um fungo marcantemente presente na história do Brasil, o Microcyclus ulei, também está influenciando o sentimento empreendedor. O fungo é o causador do mal-das-folhas, a doença que desaconselha a plantação de seringais nas áreas mais úmidas, justamente as que, sem a ocorrência desta doença, seriam as mais produtivas. Essas áreas, caracterizadas por chuva nas quatro estações, possibilitam a sangria no decorrer dos doze meses, um a dois a mais do que nas chamadas áreas de escape, onde a chuva sempre escasseia em alguns meses.

No Brasil, para proteger-se do mal-das-folhas, a heveicultura tem se dirigido para as áreas de escape, as que apresentam, combinadamente, as condições de temperatura, solo e principalmente precipitações que assegurem, pelo menos na maior parte do ano, o elevado suprimento de água exigido pela seringueira – chuvas entre 1.400 mm e 1.600 mm – sem reter umidade suficiente para dar boa vida ao M. ulei. São geralmente áreas com altitude inferior a 800 metros. O planalto paulista, o extremo sul da Bahia e o Espírito Santo são áreas de escape.

O mal-das-folhas retarda o crescimento da seringueira mediante redução da folhagem. Nos seringais adultos, o fungo causa devastador desfolhamento e acentuado desfalque na produção. É a doença que no fim dos anos 20, no ambiente hostil do Pará, causou danos fatais a Fordlândia, frustrada colônia seringalista de um milhão de hectares e 70 milhões de mudas de onde deveriam sair 300 mil t/ano, metade da então produção mundial de borracha natural, mas que gerou, principalmente, enorme prejuízo para o empreendedor, o histórico Henry Ford. “O Microcyclus ulei e o conseqüente mal-das-folhas são a razão de o Brasil não ser o principal produtor de borracha natural”, enfatiza o agrônomo e responsável técnico pelo centro de pesquisa das Plantações Michelin da Bahia, Carlos Raimundo Mattos.

Página anterior 1 2 3 4Próxima página

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios