Plástico

Benefícios do uso de canal quente com Resinas Ionoméricas SURLYN

Plastico Moderno
5 de outubro de 2020
    -(reset)+

    Marca ao redor do ponto de injeção

    Plástico Moderno - Artigo Técnico - Benefícios do uso de canal quente com Resinas Ionoméricas SURLYN em peças decorativas ©QD Foto: Divulgação

    A ponta do sistema de canal quente no nível dos pontos de injeção valvulado, assim como o próprio ponto, deixa uma pequena marca na superfície da resina ao se solidificar. A protrusão da haste da válvula através do ponto de injeção pode deixar uma pequena fresta no centro e, ao usar um pequeno galho frio, a marca do ponto de injeção permanecerá nele em vez de na peça.

    O canal frio se separa do ponto de injeção sem quebrar ou rasgar o plástico; portanto, é improvável a descoloração ou a deformação devido à ruptura do ponto de injeção.

    A qualidade do ponto de injeção quente pode mudar significativamente conforme variam as condições de processamento.

    O polímero solidificado no canal frio, que precede a cavidade, atua como uma barreira isolante entre o plástico na cavidade e o fundido no canal quente. A abertura do molde não pode ocorrer até que o ponto de injeção do canal frio esteja sólido o suficiente para se quebrar facilmente de um lado e parar a resina fundida do lado do coletor do canal quente.

    Formação de fio

    Plástico Moderno - Artigo Técnico - Benefícios do uso de canal quente com Resinas Ionoméricas SURLYN em peças decorativas ©QD Foto: Divulgação

    Quando o molde é aberto antes da solidificação do ponto, pode resultar na formação de um fio, que resinas como polipropileno, polietileno, poliestireno etc. tendem a formar no momento da expulsão do molde com canal quente e que, no caso de resinas ionoméricas, não é uma exceção, ao usar esse tipo de combinação de canal. É a pequena bucha do canal frio em contato com o coletor do canal quente que ficaria com o fio e não o ponto de injeção na peça.

    Outra grande vantagem da combinação de fundição a quente e a frio com resinas ionoméricas é que, dependendo da espessura da parede da peça, a resina pode exigir injeção e retenção de pressão de 1.800 a 2.000 MPa, e ao manusear a resina quente até quase a entrada da cavidade, será mais fácil se concentrar no preenchimento e compactação das cavidades do que primeiro preencher adequadamente todo o canal que representa um canal frio e depois as cavidades. Isso melhora a estabilidade dimensional das peças, em particular dos desenhos muito particulares que algumas tampas de perfume podem ter.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *