Auto-Suficiência em Resina PET: Nova Produção dá ao País Auto-Suficiência em Polietileno Tereftalato

Plástico Moderno

Auto-Suficiência em Resina PET: Entrou em operação recentemente, no Complexo Portuário e Industrial de Suape, em Pernambuco, a fábrica de 450 mil t/ano de resina PET grau embalagem, construída pela italiana Mossi & Ghisolfi (M&G) e apresentada como a maior do mundo, juntamente com a irmã gêmea também da M&G, essa inaugurada em 2003, em Altamira, México.

Pela ordem cronológica, a segunda fábrica do novo pólo petroquímico será a Companhia Integrada Têxtil de Pernambuco (Citepe), que produzirá 215 mil t/ano de filamentos de poliéster – polyester oriented yarn (POY) – matéria-prima –, intermediária para tecidos sintéticos.

A construção, na fase de terraplenagem, foi dividida em três etapas, correspondentes às três unidades que compõem o projeto: polimerização, fiação e texturização.

A texturização, que na seqüência fabril da produção é a terceira etapa, será a primeira a ficar pronta, em data prevista para o primeiro trimestre do próximo ano.

O descompasso obrigará a Citepe a importar a matéria-prima intermediária, o filamento polimerizado, pelo tempo que transcorrer até a conclusão das outras duas etapas, prevista para o começo de 2009.

A polimerização dependerá também do suprimento de ácido tereftálico purificado (PTA), que será produzido em outra planta.

A terceira inauguração será justamente a da fábrica de PTA, com capacidade para 640 mil t/ano – investimento de 542 milhões de dólares.

O início da construção está na dependência do licenciamento ambiental.

A produção, além de suprir a Citepe, deverá suprir a própria M&G, que neste começo está importando PTA do México e trazendo da Bahia a outra matéria-prima, o mono-etileno-glicol (MEG).

A produção de PTA dependerá inicialmente de paraxileno importado, provavelmente da prevista Unidade de Petroquímicos Básicos (UPB), a refinaria que a Petroquisa planeja construir em Itaboraí-RJ para suprir de olefinas e aromáticos a indústria petroquímica.

Tal importação ocorreria até a Refinaria Abreu e Lima, que também será construída no Complexo Portuário e Industrial de Suape, produzir este aromático.

Petroquímica Suape

A Citepe e a fábrica de PTA, com investimentos de 320 milhões de dólares e 542 milhões de dólares respectivamente, são empreendimentos formados no âmbito da Petroquímica Suape, parceria meio a meio da Petroquisa com a Companhia Integrada Têxtil do Nordeste (Citene), esta formada há menos de dois anos por três empresas do setor têxtil – Vicunha (40%), Polienka (30%) e FIT (30%).

Pelo cronograma previsto, a Refinaria Abreu e Lima, empreendimento de 4 bilhões de dólares em parceria com a estatal venezuelana PDVSA, processará 200 mil barris/dia de óleos pesados, procedentes de campos do Brasil e da Venezuela, a partir de 2011 – tempo que Lula quer que seja encurtado em um ano, suficiente para que ele e o governador aliado Eduardo Campos possam inaugurá-la.

Presidente e governador assinaram um termo de compromisso, estabelecendo as obrigações de ambos os governos nos investimentos em infra-estrutura, avaliados em R$ 140 milhões.

O terreno já foi desapropriado. A fase atual é de engenharia básica.

A refinaria suprirá a Petroquímica Suape de paraxileno, completando assim, de forma invertida, de jusante para montante, o Pólo de Poliéster, núcleo do 2° Pólo Petroquímico do Nordeste, como anuncia a Presidência da República.

O Pólo de Poliéster impôs pesada desilusão nos planos do anterior governo da Bahia, que há pelo menos sete anos imaginava que um pólo igual seria a solução para acabar com a paralisia e assegurar importante desdobramento no 2o Pólo Petroquímico, há anos carente de grandes projetos que possibilitariam o aumento da densidade industrial e novos desdobramentos, como considerava.

O governo ressaltava que a localização mais acertada para o Pólo de Poliéster seria o próprio 2o Pólo Petroquímico, onde já há a produção das duas matérias-primas requeridas – o paraxileno, produzido na Braskem, que é transformado no PTA mediante oxidação; e o monoetileno glicol (MEG), produzido na Oxiteno, requerido na polimerização do PTA e conseqüente produção da resina PET.

Para os baianos, particularmente para a Braskem, que estava em entendimento com o grupo turco Sabanci para investir, juntamente com a Petroquisa, em uma fábrica de PTA, sobrou apenas a promessa do presidente da Petrobrás, o baiano José Sérgio Gabrielli, de que em 2009 uma segunda fábrica de PTA começará a ser construída, esta na Bahia.

No informativo que circulou na cerimônia de inauguração da M&G, a Presidência da República ressalta que, desde 2004, o próprio presidente esteve empenhado em garantir a construção dessa fábrica no Brasil – e que a união de esforços dos governos federal, estadual e municipal possibilitou as condições econômicas e de infra-estrutura para o êxito do investimento, “base de um pólo de poliéster”.

O texto arremata: “Investimentos ainda maiores já estão programados para o local e consolidarão o Pólo Petroquímico de Suape.”

A mesma nota ressalta que o Pólo Petroquímico de Suape faz parte do planejamento estratégico da Petrobrás, que investirá 3,2 bilhões de dólares em projetos petroquímicos até 2011, “conforme previsto no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC)”.

Auto-Suficiência em Resina PET:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios