Agentes antiestáticos causando problemas?

A solução pode estar na seleção do produto mais adequado

Problemas ou variação na dissipação estática conforme a temperatura, geração de resíduos superficiais, excesso de tack são alguns dos contratempos que ocorrem com frequência nas linhas de produção dos termoplásticos.

Controlar a estática, muitas vezes, pode ser desafiador, visto que, além do aditivo, há uma série de outras variáveis interferindo no processo desejado. No entanto, há um caminho para regular essas questões, o que falta é uma análise do todo e a escolha correta dos aditivos.

Atualmente existem diversos tipos de aditivos antiestáticos no mercado, sendo os dois principais: os antiestáticos migratórios, que apresentam um custo-benefício mais atrativo, porém a durabilidade da ação antiestática é limitada. E na outra ponta, os antiestáticos permanentes, que possuem um custo maior, uma vez que a eficácia não é comprometida ao longo do tempo. Estes últimos são recomendados para aplicações que cumprem normas específicas e em itens que buscam repelência ao pó com alto valor agregado.

A FALHA POR NÃO VISUALIZAR TODO O PROCESSO

Muitas empresas optam pela alternativa com melhor custo-benefício para resolver seus problemas de estática, no entanto acabam por não atingir o resultado esperado ou, ainda mais grave, tornam-se reféns de constantes ajustes ao longo do processo e deparam-se com despesas não computadas de início.

Carlos Silva, gerente de negócios da América Latina “Colocar as variáveis envolvendo todo o processo de fabricação e a vida útil do plástico na ponta do lápis é essencial para fazer a escolha certa do aditivo antiestático”

 

 

De acordo com o Carlos Silva, gerente de negócios da América Latina da divisão industrial da Croda, percebe-se que quando o cliente não precisa seguir uma norma específica, ele não usa um aditivo antiestático permanente e acaba, por exemplo, tendo dificuldades para atingir a performance desejada com produtos mais conhecidos no mercado.

PROBLEMAS x SOLUÇÕES

Confira na tabela a seguir como as linhas Ionphase (antiestáticos permanentes) e Atmer (antiestáticos migratórios) podem solucionar complicações da cadeia de produção e geram valor agregado ao produto:

Problema Motivo Solução
Performance antiestática reduz após alguns meses / semanas Escolha do aditivo migratório e compatibilidade com o polímero.
De acordo com a seleção do aditivo migratório, a performance pode
variar entre algumas semanas
e até 12 meses.
Conscientização da curva de performance do aditivo escolhido para determinado polímero.

Mudança para o aditivo antiestático permanente.

Variação de resistividade A resistividade é influenciada, principalmente, pela temperatura
e umidade relativa do ar. Ambientes mais secos inibem a atividade de aditivos migratórios, reduzindo, portanto, sua performance.
Estabelecimento de padrões de medida de performance constante que reflitam, de maneira adequada, a aplicação de uso final do polímero.
Surgimento de pó branco ou tack na superfície do polímero Aditivos migratórios, em geral, podem interagir entre si. Sua utilização em conjunto com aditivo deslizante costuma resultar em problemas de migração inadequada, inibindo a performance dos produtos. Otimização da formulação, substituindo antiestáticos migratórios por permanentes, visto que estes não interagem negativamente com aditivos deslizantes. Utilização de concentração adequada de antiestáticos.
Restrição de uso ao antiestático atual por questões regulatórias Recentemente, os aditivos a base de aminas apresentam restrições de uso, especialmente em aplicações médicas e contato com alimentos. Redução da quantidade de aditivo utilizado até o máximo aceitável, ou substituição por aditivos com perfil regulatório mais adequado, como o Atmer 511.
Interferência na transparência ou cor do polímero Antiestáticos permanentes podem interagir negativamente com as propriedades ópticas dos polímeros, causando turbidez ou tingimento não desejado. Otimização da formulação, utilizando um aditivo antiestático adequado para cada tipo de polímero e aplicação.

A linha IonPhase possui diversos tipos de aditivos para aplicações distintas, capazes de minimizar interferência óptica negativa.

O aumento na dosagem do aditivo não aumenta a performance antiestática Aditivos migratórios têm um ótimo limite de concentração de uso, normalmente entre 0.2% a 0.6%. Porém, em concentrações mais altas, além de não aumentarem a performance antiestática, podem gerar migração em excesso interferindo nas propriedades dos polímeros. Desenvolvimento de uma curva de performance dosando diferentes quantidades de antiestático até chegar a uma concentração apropriada. Utilização de aditivos permanentes
com níveis de adição superior nos casos em que os migratórios não oferecem o desempenho esperado.
Aglomeração do aditivo antes de sua utilização Aditivos antiestáticos permanentes e migratórios são muito sensíveis à umidade. Dessa forma, o armazenamento e utilização inadequada podem maximizar o efeito higroscópico do produto, causando aglomeração e mudança das propriedades físicas dos aditivos. Armazenamento em local adequado (temperatura e umidade controlados).

Potencial secagem do aditivo antes de sua utilização.

OPORTUNIDADE DE MERCADO

Com a pandemia, houve uma alteração nos hábitos das pessoas e os consumidores passaram a valorizar ainda mais questões como bem-estar, saúde, sustentabilidade e comodidade. Mesmo com orçamentos mais reduzidos, estão dispostos a pagar por produtos de valor agregado que combinam esses pilares.

Lygia Bruni, coordenadora de marketing da América Latina “Há um leque de aplicações que podem gerar benefícios como antipoeira, limpeza duradora, ambiente mais saudável, maior comodidade em itens de plástico para as mais diferentes áreas. O céu é o limite!”

Lygia Bruni, coordenadora de marketing da América Latina para a divisão de aplicação industrial, afirma que estas inovações podem atender sistema de ventilação comerciais, aplicações médicas, itens automotivos e até artigos de decoração, eletrodomésticos e instrumentos musicais.

Os aditivos antiestáticos permanentes são indicados para uso em partes internas de automóveis reduzindo o acúmulo de poeira e oferecendo limpeza prolongada ao veículo. Outra aplicação destina-se aos sistemas de ventilação tanto nas residências quanto nos estabelecimentos comerciais, em que a redução do acúmulo de pó proporciona vantagens estéticas e benefícios para a saúde das pessoas, além de diminuição da limpeza regular dos sistemas. Por último, eles podem contribuir nos circuitos internos de eletrodomésticos e no visual de plásticos transparentes, por exemplo usados em aspiradores de pó e lava-roupas.

PRINCIPAIS SEGUIMENTOS E APLICAÇÕES

Amplie sua visão! Conheça algumas ideias onde o controle de estática pode diferenciar seu produto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios