Acrílico – Clientes apontam recuperação e animam perspectivas para resina

Resinas Acrílicas

Projetando a retomada

Um conjunto de apenas três setores – comunicação visual, indústria moveleira e indústria da iluminação – gera aproximadamente 90% da demanda dirigida aos provedores de chapas de acrílico instalados no Brasil.

Assim, não há como esperar um movimento de incremento dos negócios antes que mercados se aqueçam; entre eles, especialmente o da comunicação visual, que sozinho recebe cerca de 60% das chapas de acrílicas comercializadas no país.

Plástico Moderno, Painéis luminosos são consumidores de volumes importantes de acrílico
Painéis luminosos são consumidores de volumes importantes de acrílico

Subdividida em quatro principais segmentos – comunicação externa, material de ponto de venda, sinalização e comunicação interna – e premida pela crise econômica nacional, essa atividade nos últimos anos diminuiu sua demanda não apenas por realizar quantidade menor de projetos, mas também porque considerou mais atentamente a possibilidade de uso de materiais alternativos e de menor custo, como poliestireno e madeira MDF, para viabilizar os contratos em andamento.

Por uma chapa de poliestireno, compara Vian, paga-se apenas 30% do que custa uma chapa de acrílico, enquanto o MDF é inúmeras vezes mais barato. “Mas esses são materiais para comunicação visual sem destaque, enquanto acrílico é usado para valorizar a marca do anunciante”, argumenta o representante do Indac.

Plástico Moderno, Chapas acrílicas servem para diversas aplicações, a exemplo dos painéis de sinalização
Chapas acrílicas servem para diversas aplicações, a exemplo dos painéis de sinalização

Segundo ele, os negócios no mercado brasileiros de chapas de acrílico não deverão registrar grande evolução no decorrer de 2017: “Este ano estamos trabalhando e torcendo para eles não caírem mais; se conseguirmos atingir o mesmo volume registrado no ano passado já estará bom”, avalia o executivo do Indac.

Mais otimista, Thieme crê na possibilidade de alguma expansão nos negócios com chapas no decorrer deste ano: “Esse é um mercado muito sensível a mudanças na economia, pois seu grande cliente é o marketing, e quando há melhorias no cenário econômico – como já vem acontecendo –, as empresas rapidamente investem mais em marketing e em comunicação visual”, justifica.

Plástico Moderno, Chapas acrílicas formam displays que valorizam os produtos expostos ao consumidores
Chapas acrílicas formam displays que valorizam os produtos expostos ao consumidores

Duarte ressalta a meta mais ousada da Bérkel. “Pretendemos este ano incrementar nossos negócios entre 20% e 30%”. Ele lembra que todos os setores usuários de chapas de acrílico reduziram sua demanda por causa da crise econômica dos últimos anos, em um movimento no qual a queda em um mercado afetava também outro. “No setor da iluminação, por exemplo, a demanda caiu também pela retração nos negócios da construção civil, usuária importante dos artigos dessa indústria”.

Mas a recuperação dos negócios, crê Duarte, também deverá ser generalizada, não ficará restrita apenas aos três principais mercados consumidores de chapas de acrílico. “Prevejo recuperação também em setores como a produção de púlpitos de igreja, que consomem chapas mais espessas”.

Yoshioka, da Unigel, também crê na expansão da demanda brasileira por acrílico em 2017, em todas as vertentes de mercado em que atua: emulsões, chapas, fibras e resinas para a indústria automobilística. E afirma que a Unigel trabalhará de maneira bastante incisiva para fortalecer ainda mais sua presença como fornecedora de MMA para a fabricação de chapas de acrílico. “Esse segmento tem muito potencial de crescimento no Brasil”, salienta.

A própria Unigel vende no mercado nacional algumas chapas de acrílico cast que ela fabrica em sua operação mexicana. “Focamos nossa atuação nas chapas premium, destinadas, por exemplo, à produção de mobiliário residencial e comercial de alto valor agregado”, especifica.

Concorrência com importados

Se no segmento da comunicação visual o fortalecimento da concorrência com materiais mais baratos pode ser efeito conjuntural da crise econômica, em outros mercados esse confronto parece ter se estabelecido em moldes mais duradouros.

É o caso, por exemplo, dos boxes de banheiro, onde o poliestireno ocupou boa parte de uma demanda há muitos anos atrás atendida por acrílico. “Mas o poliestireno é muito menos resistente e, portanto, menos seguro”, enfatiza Vian.

Plástico Moderno, Acrílico: Clientes apontam início de recuperação e animam perspectivas para resina
Consumo de Chapas de Acrílico no Brasil

O Indac, aliás, divulga informações destinadas a ajudar o consumidor a diferenciar boxes feitos com esses dois materiais, até porque o poliestireno pode prejudicar o acrílico não apenas ocupando parte de seu mercado, mas também afetando sua imagem: “Frequentemente recebemos aqui na entidade queixas de consumidores reclamando porque alguém se feriu em um box que eles achavam ser de acrílico – quem o montou escreveu isso na nota fiscal –, mas que na verdade era de poliestireno”, conta Vian.

Fabricantes de chapas sediados no Brasil travam ainda um acirrado confronto com a importação, que no ano passado atendeu a mais de 50% da demanda do mercado. Somando-se a esse confronto o desaquecimento verificado no mercado interno, pode-se talvez entender por que a Unigel encerrou em 2016 a sua produção local de chapas de acrílico, mantida apenas na unidade mexicana.

A Bérkel, que também produz chapas, hoje realiza algo entre 85% a 90% de seus negócios com a venda de produtos importados. “O custo de produção no Brasil é muito elevado e conseguimos ter importados com preços competitivos com os produtos nacionais porque compramos grandes quantidades”, justifica Duarte.

A principal desvantagem dos produtores brasileiros no confronto com os importadores de chapas de acrílico, diz Vian, do Indac, não é o câmbio muitas vezes favorável às compras no exterior, mas o oneroso e complexo sistema tributário nacional. “Muitas vezes as importações são feitas via Santa Catarina, onde o ICMS é de 4%, e de lá o material é levado para outros estados sem a devida quitação das diferenças tributárias que deveriam ser recolhidas em outros estados”, relata Vian, lembrando que no Estado de São Paulo o ICMS para esse produto chega a 18%.

Thieme, da Oswaldo Cruz Química, vê nos produtores brasileiros de chapas de acrílico interessados em enfrentar a feroz concorrência internacional a busca pela integração a seus portfolios de valores como a diferenciação e especialização. E cita, como um primeiro patamar de diferenciação, a oferta de gama muito mais diversificada de cores, pois as chapas importadas geralmente chegam ao Brasil apenas nas versões cristal, branca, preta e fumê. “Mas há clientes, como um banco, ou uma grande rede de lanchonetes, que desejam cores específicas”, comenta.

Plástico Moderno, Acrílico: Clientes apontam início de recuperação e animam perspectivas para resina
Dados sobre o mercado de chapas de acrílico

Outro fator de diferenciação, prossegue Thieme, pode decorrer da oferta de produtos com características adicionais, como o chamado ‘acrílico fantasia’, cujas chapas são recheadas como elementos decorativos: folhas, por exemplo.

E há ainda a possibilidade de agregar características adicionais de desempenho, como maior resistência a riscos, ou períodos maiores de resistência à luz UV. “Essas características são importantes para mercados como construção civil, por exemplo, e podem ser obtidas mediante melhorias na polimerização, aditivos, copolimerização”, finaliza Thieme.

Procurando Resinas Acrílicas?
Facilite seus orçamentos
Fornecedores de Resinas Acrílicas 

 

 

Leia Mais sobre:

Resinas – Acrílico busca manter vendas – Perspectivas

Resinas – Acrílico busca manter crescimento

 

Página anterior 1 2

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios