Embalagens

Abre – Bom 2010 incita projeções animadoras de crescimento

Mauricio Groke
10 de janeiro de 2011
    -(reset)+

    Afinal, a indústria de embalagens é uma importante geradora de empregos. O setor de embalagens plásticas continua sendo o mais intensivo em mão de obra, respondendo por quase 53% dos 208.776 postos de trabalho no país (dados de junho de 2010). Na sequência vêm: papelão ondulado, com participação de 14,79%; papel, 9,96%; metálica, 8,85%; madeira, 6,53%; vidro, 3,51%; e cartão e papel-cartão, 3,41%. Entre junho de 2009 e junho de 2010, houve um aumento de quase 8% nos empregos formais do setor de embalagens no país.

    E se a indústria tiver que escolher um mercado? Bem, a indústria de bebidas continua sendo um grande cliente do setor de embalagens. A produção do setor cresceu pouco mais de 16% no 1º semestre de 2010. Igualmente importantes são as indústrias farmacêutica, com alta de 9,27%, e de alimentos, com 5,33%. Entre os alimentos, os sucos de frutas dispararam com um crescimento de 20,61%, seguidos por açúcar com 15,49%, rações animais com 11,22%, conservas e molhos com 8,05% e leite e laticínios com 7,02%.

    Nas demais categorias de usuários de embalagem, o setor de defensivos agrícolas chamou a atenção pelo crescimento superior a 37% na primeira metade de 2010, acompanhado por tintas e vernizes com quase 26,5%. Este aquecimento de consumo generalizado em 2010 já tinha levado a uma utilização de capacidade de 90,5% em abril.

    Para 2011, os economistas acreditam em uma desaceleração do PIB. A indústria de embalagem, por sua vez, deve manter níveis de crescimento constantes, porém mais tímidos. Até porque o pico de 2010 foi um fato isolado; historicamente o Brasil não é um país que cresce sustentavelmente 7% todo ano, como a China. De qualquer forma, a aposta é que a massa salarial e o consumo das famílias continuem em alta em 2011 – algo ao redor dos 5% – o que, para o setor de embalagem, significa muito trabalho pela frente.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *