Abimaq – Programa do governo insere país na rota da modernização

O novo governo – Após a crise mundial no final do 2º semestre de 2008, o governo brasileiro tomou várias medidas expansionistas para que o Brasil pudesse manter ou pelo menos não deixar cair tanto o alto ritmo de crescimento em que estava anteriormente. Assim, foram abertas várias frentes de ações, como a diminuição de impostos, obras públicas, investimentos na cadeia petrolífera, expansão do crédito, entre outras, demonstrando uma preocupação com vários segmentos do mercado, entre eles o setor de bens de capital.Plástico Moderno, Abimaq - Programa do governo insere país na rota da modernização

Na indústria de transformação, as ações realizadas aumentaram o consumo no varejo. Com a queda das exportações, devido à valorização da moeda brasileira, as empresas se voltaram ao mercado interno e, com a variação cambial desfavorável para o real, as importações começaram a tomar mais espaço.

Com o varejo aquecido, puxando as vendas da indústria de transformação, principalmente o setor de embalagens, e impulsionando toda a cadeia do plástico, este segmento teve uma boa reação, refletindo em 2010 todas as ações realizadas em 2009. De acordo com os dados da Abimaq, o primeiro semestre de 2010, comparado com o mesmo período de 2009, apresentou um crescimento em torno de 83% para o faturamento nominal do setor; os pedidos em carteira passaram de 8,47 semanas, em 2009, para 18,76 semanas para serem atendidos em 2010, um crescimento da ordem de 121%. Este aumento também reflete a atuação do governo, que criou o PSI – Programa de Sustentação do Investimento para Bens de Capital Novos, por meio do BNDES.

Perspectivas – As projeções para 2011 são de desaceleração no crescimento, porém mantendo ainda um ritmo forte no setor. Isto se deve à vigência do PSI BK, que deverá terminar em março de 2011, com taxas baixas (negativas). O setor deverá sentir a falta desta poderosa ferramenta de crédito que alavancou as vendas do setor durante o período 2009 e 2010. Porém, o governo federal, por meio do BNDES, e a Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), por intermédio de sua Câmara Setorial de Máquinas e Acessórios para a Indústria do Plástico, prepararam um novo pacote que deverá ter início em 2011, o chamado Projeto Proplástico.

Trata-se do Programa de Apoio ao Desenvolvimento da Cadeia Produtiva do Plástico que visa à modernização das empresas do setor, com o aumento da  produção de plásticos e seus produtos, de equipamentos e de moldes para o segmento, além da melhoria dos padrões de qualidade e de produtividade das indústrias instaladas no país. Com dotação orçamentária de R$ 700 milhões e prazo de vigência até 30 de setembro de 2012, o novo programa contempla ações ligadas à produção, inovação, reciclagem, consolidação e internacionalização de empresas. Com isso, o Proplástico pretende também contribuir para a redução do déficit comercial da cadeia produtiva de plásticos, promovendo a maior inserção do Brasil no mercado internacional.

O Proplástico está em consonância com as medidas estabelecidas na Política de Desenvolvimento Produtivo (PDP) do governo federal e contempla:  financiamento para investimentos associados à produção e modernização; investimentos para a troca de equipamentos antigos por novos; fortalecimento das empresas nacionais; investimentos em inovação, com vistas ao desenvolvimento de produtos e processos; e investimentos socioambientais.

Para isso, o BNDES, por meio do Projeto Proplástico, conta com cinco subprogramas:

Proplástico Produção e Modernização: investimentos para implantação, expansão e modernização da capacidade produtiva de transformados plásticos e de reciclagem, bem como aquisição de equipamentos novos com o objetivo de aumentar a produtividade e a competitividade do segmento.

Proplástico Renovação de Bens de Capital: apoio à troca de equipamentos antigos por novos, com a inutilização (“sucateamento destrutivo”) das máquinas usadas, de forma a impedir a sobrevida de equipamentos ineficientes, com baixa produtividade, reduzida segurança do trabalhador e alto consumo de energia.

Proplástico Fortalecimento das Empresas Nacionais: apoio à incorporação, aquisição ou fusão de empresas que levem à criação de firmas de controle nacional de maior porte, de maior integração vertical ou internacionalização. Neste subprograma, o apoio será mediante instrumentos de renda variável e/ou financiamento com limite máximo de R$ 50 milhões por grupo econômico.

Proplástico Inovação: investimentos em pesquisa, desenvolvimento e inovação que possibilitem novos usos e aplicações de produtos, incluindo os ligados a processos de reciclagem de material plástico, além de design.

Proplástico Socioambiental: investimentos envolvendo a racionalização do uso de recursos naturais, mecanismos de desenvolvimento limpo, projetos de reciclagem e material, sistemas de gestão e recuperação de passivos ambientais. Além disso, estão contemplados projetos e programas de investimentos sociais realizados por empresas ou em parceria com instituições públicas ou entidades de fins não econômicos.

Sendo um programa com características especiais para o setor de transformados plásticos, as operações diretas de financiamento do BNDES Proplástico realizadas com micro, pequenas e médias empresas (MPMEs)  poderão, a critério do Banco, ser dispensadas de limites de exposição de risco ou de prestação de garantia real.

O setor de transformados plásticos, elo importante da cadeia petroquímica, reúne cerca de 11 mil indústrias no país, sendo mais de 70% composto de microempresas. Intensiva em mão de obra, a indústria de transformação plástica é responsável pela geração de aproximadamente 300 mil empregos no Brasil. O reconhecimento da importância dessa indústria, caracterizada como de média-baixa intensidade tecnológica, levou à inclusão dos plásticos entre os setores prioritários da política industrial do governo federal  (a PDP), lançada em maio de 2008.

Este projeto tem como objetivo a renovação do parque fabril do setor, ao contrário do PSI, de financiamento somente para máquinas novas. O Projeto Proplástico visa as máquinas com mais de dez anos, sucateando as máquinas antigas e oferecendo um financiamento na compra das máquinas novas com um acréscimo de capital de giro no mesmo valor financiado. Desta forma, o setor poderia se renovar com máquinas mais eficientes e consequentemente de menor consumo de energia elétrica e maior produção, tornando o mercado interno mais competitivo.

Outro ponto positivo para 2011 é a Brasilplast, que deverá ocorrer em maio próximo. É uma das três maiores feiras do mundo e reúne toda a cadeia de suprimentos, máquinas e equipamentos da indústria do plástico, um importante polo gerador de negócios com um público comprador altamente qualificado, gerando novos negócios e oportunidades.

As importações – As crescentes importações têm afetado muito o mercado interno, principalmente devido à valorização do real, com consequência da diminuição dos valores em dólar. Além disso, o aquecimento do mercado interno, que transformou o Brasil em um dos principais mercados de BK, tem atraído indústrias do mundo inteiro afetadas pela crise global, trazendo para o país um volume considerável de concorrentes de peso. Essa situação força as indústrias brasileiras a se programarem e melhorarem seus processos, inovando e atualizando seus parques industriais para serem mais competitivos e mais eficientes.

As medidas adotadas para enfrentar o problema da importação estão atualmente voltadas mais para as importações predatórias, com preços muito mais baixos que o mercado mundial. Para estes casos o governo federal tem atuado junto com a Abimaq e outros órgãos para diminuir estas importações por meio de programas como Semáforo e Projeto Harpiar.

Plástico Moderno, Abimaq - Programa do governo insere país na rota da modernização

Com relação ao câmbio e à valorização do real, não se tem, até o momento, nenhuma outra medida de curto prazo, a não ser aumentar as taxas de importação. Porém, caso isso ocorra, poderá afetar a inflação que já apresenta certa tendência de alta. A balança comercial brasileira já está sentindo este aumento das importações em todos os setores da economia. Para o segmento de máquinas e componentes no setor de plásticos, o aumento foi de 26%, comparando o primeiro semestre de 2010 com o de 2009.

Desde que haja equilíbrio econômico e tenham preços competitivos, quando comparados com os custos e benefícios oferecidos, os produtos importados podem ajudar a tornar o Brasil mais dinâmico, modernizando seu parque industrial e forçando os investimentos em inovações tecnológicas e pesquisas. Porém, não é o que ocorre atualmente. Com os elevados impostos e a carga tributária, o custo Brasil torna-se superior aos custos de países de primeiro mundo como, por exemplo, a Alemanha, e com as taxas cambiais desfavoráveis, os nossos preços finais ficam iguais ou superiores aos importados, tornando o já muito competitivo mercado brasileiro impróprio para as exportações e favorável às importações.

Com referência ao Projeto Proplástico, o segmento de extrusão representa uma fatia muito interessante, principalmente porque equivale a 57% do mercado total de processos de produção de plásticos, ficando a injeção em segundo, com 19%. Acreditamos que o volume de máquinas de extrusão com mais de dez anos em atividade no país esteja na casa das 5 mil unidades, prontas para serem trocadas por máquinas novas.

Fontes: Sites BNDES, Brasilplast, Abimaq, Abiplast.

 

Saiba mais:[box_light]Abimaq – Indústria traça estratégias para ser mais competitiva[/box_light]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios