Ferramentaria Moderna

28 de setembro de 2016

Transformação: Manutenção é essencial

Mais artigos por »
Publicado por: Plastico Moderno
+(reset)-
Compartilhe esta página

    Texto: Alexandre Farhan

    Plástico Moderno, Transformação: Manutenção é essencial

    Alexandre Farhan

    Alexandre Farhan é administrador de empresas e técnico em plásticos pelo Senai-SP, com 30 anos de atuação no setor. Atualmente, é diretor da Escola LF, especializada na formação de profissionais para a indústria de transformação plástica pelos processos de injeção, sopro e extrusão. www.escolalf.com.br – alexandre@escolalf.com.br

    As máquinas injetoras são equipamentos complexos e de alta tecnologia. Consequentemente, valores cada vez maiores são agregados quando se deseja incluir recursos para se produzir mais e melhor.

    No Brasil, começaram a surgir na década de 1960 as primeiras máquinas injetoras, denominadas “Mulas Mancas”, que eram totalmente mecânicas. Posteriormente foram introduzidas partes hidráulicas, como bomba, cilindro e válvula direcional, para injetar o plástico no molde através de um pistão injetor, onde não existiam as roscas plastificadoras.

    A evolução foi ocorrendo, então acrescentaram outro pistão ao sistema de fechamento, tornando a máquina mais rápida e requerendo esforço bem menor por parte do operador, que antes era obrigado a abrir e fechar essas máquinas manualmente, porém, acidentes graves começaram a surgir, com perdas de mãos e dedos, consequência da grande força gerada pela pressão do óleo para fechar o molde.

    Por conta disso, começaram a surgir as portas para evitar os acidentes e transformaram as injetoras em semiautomáticas, com uma inovação: a introdução das roscas plastificadoras que melhoraram muito a qualidade dos produtos aos quais eram incorporados os pigmentos, na forma de pós ou líquidos.

    As máquinas passaram a ser hidráulicas com componentes elétricos e mecânicos até a década de 1980, aproximadamente, quando começaram a surgir os comandos numéricos e CLPs. A revolução introduzida por esses dispositivos foi grande e a competição entre os fabricantes de injetoras passou a ser acirrada.

    Crescia nessa época a quantidade de fabricantes nacionais e algumas injetoras eram importadas, porém a mão de obra utilizada para esses tipos de máquinas não seguiu a demanda. Foram poucos os que conseguiram acompanhar a evolução tecnológica das injetoras e também de outros tipos de equipamentos, como extrusoras, sopradoras, máquinas de vacuum forming, rotomoldadoras, etc.

    Um dos maiores problemas encontrados pelas empresas de transformação de plásticos está na qualificação da mão de obra de todos os níveis, seja na operação destas máquinas, na preparação e regulagem, de quem efetua o set-up e principalmente na manutenção destes equipamentos.

    As máquinas modernas são dotadas de componentes elétricos, eletrônicos, hidráulicos e mecânicos, sem contar muitas vezes de dispositivos e válvulas pneumáticas.

    Plástico Moderno, José de Freitas inicia a abertura de injetora da Escola LF

    José de Freitas inicia a abertura de injetora da Escola LF

    Alguns desses componentes são:

    • Mecânicos: tesouras de fechamento, rosca, correntes, engrenagens, polias, redutores, colunas, canhão, bico de injeção, placas móvel e fixa, etc.

    • Elétricas: motores, chaves fim de curso (micros), fusíveis, disjuntores, contadoras e relés, chave geral, cabos termopares, resistências, etc.

    • Eletrônicos: sensores de aproximação, controladores de temperaturas PID, CLP, réguas potenciométricas, motores de passo, encoder, placas eletrônicas, servo-motores, etc.

    • Hidráulicos: válvulas direcionais, proporcionais, de vazão e de retenção, bombas, servo-bombas, servo-válvulas, motores hidráulicos, pistões e cilindros hidráulicos, etc.

    Cada tipo de problema que surgir exigirá contar com mão de obra qualificada, sendo um mecânico para consertar os problemas mecânicos, um eletricista para corrigir os elétricos, além de um técnico eletrônico e um técnico em hidráulica. Na maioria das vezes, quando a máquina quebra, um especialista não faz o serviço de outro, mas dependendo do profissional, em alguns casos, um técnico eletrônico poderá com boa vontade trocar uma resistência elétrica, porém com muita dificuldade conseguirá resolver problemas mecânicos ou hidráulicos, e vice-versa em cada função.

    Plástico Moderno, Máquina é desmontada para ensinar a eliminar vazamentos, trocar gaxetas e retentores

    Máquina é desmontada para ensinar a eliminar vazamentos, trocar gaxetas e retentores


    Página 1 de 212

    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *