Aditivos e Masterbatches

1 de novembro de 2016

Transformação: Como evitar erros na cor

Mais artigos por »
Publicado por: Plastico Moderno
+(reset)-
Compartilhe esta página

    Texto: Alexandre Farhan

    Plástico Moderno, Transformação: Como evitar erros na cor

    Alexandre Farhan

    Alexandre Farhan é administrador de empresas e técnico em plásticos pelo Senai-SP, com 30 anos de atuação no setor. Atualmente, é diretor da Escola LF, especializada na formação de profissionais para a indústria de transformação plástica pelos processos de injeção, sopro e extrusão. www.escolalf.com.br – alexandre@escolalf.com.br

    Entre as diversas formas de incorporar cor aos polímeros, a mais utilizada é o masterbatch, pelas vantagens oferecidas na manipulação, processamento e resultado do produto final. A aparência e a psicologia das cores são aspectos fundamentais para a indústria, pois estudos apontam que 84,7% dos consumidores acham que a cor é decisiva na hora da compra. A cor influencia diretamente a aparência e o custo do produto acabado, que deverá ser fiel à cor padrão desenvolvida, pois o consumidor final relacionará esse parâmetro à qualidade do produto que consome.

    Antes de começarmos a falar sobre masterbatch, é importante entendermos o conceito de cor. A cor é a resultante da radiação com comprimento de onda pertencente ao espectro visível de uma fonte de energia (luz), o produto iluminado e os olhos de quem observa.

    Masterbatch é um concentrado de pigmentos orgânicos ou inorgânicos de elevado poder tintorial, acrescidos de um veículo aglomerante feito de polímero termoplástico compatível com o polímero de aplicação, podendo ainda ser acrescentados aditivos para criar ou melhorar propriedades especificas, bem como proporcionar melhor dispersão e distribuição. Atualmente, o masterbatch é utilizado nos mais diferentes processos de transformação de plásticos, por exemplo, na injeção, extrusão de filme, perfil, sopro, chapas entre outros.

    O desenvolvimento e a qualidade do masterbatch dependem do tipo de pigmento incorporado, do percentual de veículo utilizado, dos aditivos, e dos equipamentos para a composição do concentrado.

    Plástico Moderno, Transformação: Como evitar erros na cor

    Para a fabricação do masterbatch, o ideal seria usar máquinas extrusoras do tipo dupla rosca corrotante (extrusoras com duas roscas que giram no mesmo sentido). Isso garantirá uma boa distribuição e dispersão do pigmento, veículo e aditivos, quando necessários, tudo isso devidamente determinado e registrado na receita ou formulação, de modo a garantir a repetibilidade da cor padrão selecionada pelo transformador.

    Podemos dizer que existe uma grande variedade de extrusoras de dupla rosca, tanto em termos de desenho, princípio, operação e campo de aplicação.

    É preciso conhecer algumas características dos polímeros para se desenvolver corretamente o masterbatch e alcançar a cor desejada no produto transformado, tais como:

    – Tipo de polímero (envolve a estrutura, se amorfa ou semicristalina);

    – Índice de fluidez;

    – Tonalidade natural;

    – Temperatura de processo;

    – Tempo de residência durante o processo e etc.

    Plástico Moderno, Transformação: Como evitar erros na cor

    Fluidez do concentrado

    Os polímeros possuem uma característica que é o índice de fluidez (IF), ou melt index (MI), sendo esta apresentada, dependendo do IF, como sendo a facilidade ou dificuldade ao escoamento pelo equipamento e matriz da máquina.

    Depois de desenvolvido o concentrado, este deverá sempre apresentar uma fluidez maior do que a do polímero a ser colorido, justamente para que a cobertura seja uniforme, sem causar marcas de fluxos claras e escuras no mesmo produto ou variação de cor no lote.

    Muitos preparadores de máquinas e de matéria-prima desconhecem a propriedade IF, tanto do material como do masterbatch, e também os recursos das máquinas, além do funcionamento correto desses recursos e quando utilizá-los. Sabemos que, por mais controlado que seja o processo da fabricação do polímero e dos concentrados, ambos possuem algumas variáveis que podem causar alterações nas suas especificações. A falta desse conhecimento impede que alguns parâmetros de regulagem sejam ajustados finamente, na tentativa de compensar a variação e, assim, corrigir a cor.

    Portanto, para algumas aplicações, é necessário que a distribuição e a dispersão não sejam uniformes, exatamente para conferir aspecto visual rústico ao produto, mimetizando madeira, mármore, cerâmica, entre outros. Para obter essas características, utilizam-se veículos de baixo índice de fluidez que dificultam a distribuição da cor.


    Página 1 de 212

    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *