Máquinas e Equipamentos

17 de fevereiro de 2008

Rotomoldagem – Vendas em alta impulsionam as máquinas do tipo shuttle

Mais artigos por »
Publicado por: Rose de Moraes
+(reset)-
Compartilhe esta página

    As vendas de máquinas para rotomoldar, principalmente aquelas com tecnologia shuttle, cuja concepção prevê composições entre forno, carros sob trilhos e braços porta-moldes, estão bem aquecidas no mercado brasileiro desde o início do ano.

    Plástico Moderno, Carlos Andrade, diretor da Rotomec, Rotomoldagem - Vendas em alta impulsionam as máquinas do tipo shuttle

    Andrade oferta rotomoldadoras com fornos desde 1,5 m até 6 m

    “As máquinas shuttle são muito versáteis e ideais para a fabricação de componentes para os mais diversos segmentos de máquinas agrícolas, máquinas para a construção civil, embarcações, brinquedos, peças decorativas, produtos para a segurança nas estradas, incluindo também grande número de peças para os setores automotivo, de transportes em geral, como ônibus e caminhões, tanques, contêineres, móveis, entre outros”, considerou Carlos Andrade, diretor da Rotomec, fabricante de máquinas instalada em Americana-SP.

    As versões mais modernas conseguiram ajustar-se aos padrões de operação mais exigentes e de mais alto desempenho e podem ser fabricadas sob encomenda com dimensões variáveis de fornos, incluindo modelos desde 1,5 m até 6 metros.

    Um dos diferenciais desses equipamentos são os braços porta-moldes, construídos com aços especiais, e que recebem tratamento térmico para suportar as bruscas variações de temperatura. Como opcional, os equipamentos podem ser providos tanto de queimadores convencionais como computadorizados, mais fáceis de operar e preparados para rotomoldar polietileno, polipropileno, náilon e PVC.

    “Nossas máquinas ainda possuem um exclusivo sistema de fluxo de ar quente na câmara de moldagem, que prevê vazões em volumes variáveis, e são entregues com software de gerenciamento e comando que facilita todas as operações, permitindo programar receituários independentes por carro e acompanhar as operações em telas gráficas, nas quais estarão evidenciados os registros de temperatura e o balanceamento dos braços”, acrescentou o diretor.

    Nos últimos anos, o nível de produtividade dos equipamentos mais modernos aumentou. “O rotomoldador ao dispor de um modelo de máquina do tipo shuttle 2500, um dos mais vendidos no mercado brasileiro, e que inclui forno com a dimensão de 2,5 metros, conseguirá alcançar produção mensal de 50 toneladas/mês, tendo por referência o polietileno, considerando apenas as operações de um único carro sob trilhos”, informou o fabricante.

    Além da receptividade cada vez maior de transformadores e empresários aos equipamentos de rotomoldagem, Andrade vê com grande entusiasmo a escolha recente do município de Americana para abrigar novos empreendimentos voltados ao setor da rotomoldagem.

    “A Ico Polymers acaba de se instalar e está bem próxima de nós. Também já temos confirmadas as vindas da mexicana Tick Tack Toys e da portuguesa Soneres”, informou o empresário, induzindo à constatação de início de formação de um pólo de rotomoldagem na região de Americana, onde já estariam incluídos alguns dos principais componentes dos elos da cadeia do setor plástico, formada por fornecedores de matérias-primas, fabricantes de máquinas e rotomoldadores.

    A atuação da Soneres no mercado brasileiro inicialmente, segundo Andrade, estará direcionada à rotomoldagem de luminárias decorativas em polipropileno e policarbonato micronizado e transparente para usos residenciais, industriais e público.

    Com parque fabril instalado na cidade do Porto, na região norte de Portugal, a Soneres é uma empresa tradicional no ramo, e já participou de alguns projetos de instalação de luminárias no Brasil, em Brasília-DF. Fundada em 1959, sua atuação no setor de iluminação desfruta de alto conceito entre arquitetos e engenheiros europeus, e também se destaca pelo fato de dominar várias outras tecnologias no setor plástico, como injeção e sopro.

    Segundo Andrade, que já vem se dedicando à construção da primeira máquina encomendada pela Soneres, uma shuttle 2500, a ser entregue provavelmente no próximo mês de abril, a rotomoldagem do policarbonato no Brasil é inédita. Além da máquina, também já se encontra encomendado o primeiro lote de matéria-prima a ser fornecido pela Ico Polymers.

    Inteirado sobre as várias novidades, Andrade também revelou a instalação, na região, de um dos maiores especialistas na fabricação de moldes para rotomoldagem, que deverá montar escritório e fábrica em Mogi-Guaçu, a cem quilômetros de Americana.

    Depois da fabricação de caixas-d´água, o setor agrícola também tem se destacado como segundo maior mercado em rotomoldagem no Brasil e deverá apresentar crescimento, segundo estimativas de Andrade, da ordem de 30% em 2008, transformando pelo menos 600 t./mês de polietilenos por rotomoldagem.

    Outro fato interessante dessa temporada é que boa parte dos rotomoldadores está investindo em novas máquinas, substituindo equipamentos mais antigos, de menor produtividade e alto custo operacional. “Somente duas grandes empresas gaúchas do setor de rotomoldagem, como a Rototech, de São Leopoldo, e a Rotoplastyc, de Carazinho, adquiriram seis novos equipamentos da Rotomec em 2007”, afirmou o diretor.

    Vislumbrando oportunidades para expandir a rotomoldagem em vários setores, Andrade pretende implementar um novo projeto ainda neste ano voltado à fabricação de modelos de máquinas do tipo rock and roll. A grande novidade desses sistemas será sair de fábrica já completos, com moldes para a produção de cisternas, desde 3 mil até 15 mil litros, entre outros que possam ser concebidos.


    Página 1 de 212

    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *