Plástico

15 de março de 2008

PVC e compostos – Construção civil acelera os negócios e alavanca os projetos para expandir a produção do polímero

Mais artigos por »
Publicado por: Domingos Zaparolli
+(reset)-
Compartilhe esta página

    Os negócios estão aquecidos no mercado de policloreto de vinila (PVC). No final do ano passado, a belga Solvay Indupa anunciou que aumentaria os investimentos em sua planta em Santo André, na Grande São Paulo, e iniciaria a expansão de sua unidade em Bahía Blanca, na Argentina. Até 2012, a previsão da empresa é de ampliar a oferta conjunta das duas unidades – hoje de 465 mil toneladas anuais – para 615 mil toneladas da resina. Em fevereiro deste ano, foi a vez da Braskem noticiar sua decisão de instalar uma nova linha de produção do polímero em Alagoas, com capacidade de produzir 200 mil toneladas anuais, a partir de 2010.

    Além dessas declarações, o mercado de PVC passou a conviver com o rumor de que uma terceira empresa estaria se preparando para investir na produção de resinas PVC no país, rompendo com a exclusividade da Braskem e da Solvay. O foco dos boatos é a mexicana Mexichem, uma das maiores produtoras da resina na América Latina. Recentemente, a empresa fez importantes investidas no mercado brasileiro de tubos e conexões de PVC, primeiro comprando a Amanco e, em janeiro deste ano, a Plastubos. A estratégia declarada do grupo é ser líder em tubos e conexões de PVC no Brasil dentro de três anos.

    Plástico Moderno, PVC e compostos - Construção civil acelera os negócios e alavanca os projetos para expandir a produção do polímero

    A direção brasileira da Mexichem preferiu não se manifestar. Especialistas no mercado, porém, consideram como improvável a hipótese dos mexicanos investirem na produção da resina de PVC no país. É um investimento de fôlego, afirmam os especialistas, e o entrante não teria segurança de fornecimento de matérias-primas, principalmente o monômero MVC (monocloreto de vinila), insumo hoje com a produção deficitária na América do Sul. Seria uma aposta de risco.

    O movimento para ampliar a oferta de PVC no país é mais que justificável. No momento, o Brasil tem necessidade de importar o produto. Em 2007, o consumo aparente (produção + importações – exportações) superou 820 mil toneladas, para uma produção de 695 mil toneladas. O consumo traça uma trajetória ascendente. Conforme dados da Comissão de Resinas Termoplásticas da Abiquim (Coplast), desde 2003, quando o consumo aparente registrou um tombo de 12,4%, ficando em 603.620 toneladas, as vendas de PVC só fazem crescer no Brasil. Em 2004, a expansão do consumo atingiu 11,7%; em 2005, 3%; no ano seguinte aumentou 10,5% e, em 2007, 6,9%.

    Plástico Moderno, Miguel Bahiense Neto, diretor-executivo do Instituto do PVC, PVC e compostos - Construção civil acelera os negócios e alavanca os projetos para expandir a produção do polímero

    Bahiense: resina ganhou espaço em novas aplicações

    Utilizando-se o conceito de vendas do mercado interno, que soma as vendas dos fabricantes locais no mercado brasileiro com as importações e as vendas internas para exportações, o crescimento do mercado alcançou a marca de 16% no ano passado.

    O mais importante, disse Miguel Bahiense Neto, diretor-executivo do Instituto do PVC, é que as perspectivas para a resina são promissoras nos próximos anos. “A indústria da construção civil, que responde por 65% do consumo de PVC no país, passa por um bom momento, o que amplia a demanda de produtos tradicionais de PVC como tubos, conexões, fios e cabos, como também abre oportunidades para novas aplicações, que estão crescendo, como perfis para construção, entre estes esquadrias, forros e portas.”

    De fato, apenas em 2007, o PIB da construção civil cresceu 7,9% e a projeção do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estados de São Paulo (Sinduscon-SP) é que, em 2008, a alta seja ainda mais vigorosa, alcançando 10%. Por trás dessa estimativa promissora para este ano, estão a ampliação do crédito habitacional e os investimentos em obras públicas, principalmente referentes ao Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do governo federal.

    Uma perspectiva é o incremento dos investimentos em obras de saneamento, um segmento demandante de tubos e conexões de PVC.

    Outra expectativa positiva, como ressaltou Bahiense, são as obras necessárias, a médio prazo, para dotar o país de infra-estrutura suficiente para sediar a Copa de 2014, como hotéis, reformas em aeroportos, equipamentos públicos e transporte urbano, e até nos próprios estádios que receberão os jogos. Além disso, informou o executivo, o PVC ganha espaço em aplicações como embalagens, tanto em filmes quanto em frascos e blister; calçados, mangueiras e chapas de comunicação visual. Os usos em áreas médicas, como bolsa de sangue, soro e glicose, também têm crescido. “O horizonte de longo prazo é favorável ao PVC”, afirmou Bahiense.

    Ampliando a análise para uma perspectiva regional, como fez a Solvay Indupa em um estudo sobre o mercado da resina na América do Sul, as iniciativas de aumentar a oferta de PVC são ainda mais prementes. Entre 2002 e 2006, o consumo cresceu 6,4% ao ano na região, uma taxa superior à média mundial, de 5,2% ao ano, no mesmo período. As projeções da Solvay Indupa são de que, até 2012, o crescimento do consumo na América do Sul seja próximo de 5% ao ano, 0,5% acima do crescimento mundial.

    Em 2006, os países sul-americanos consumiram 1,4 milhão de toneladas de PVC, 4,3% do consumo mundial estimado em 33,2 milhões de toneladas naquele ano. Para 2012, a projeção aponta um consumo mundial da ordem de 43,6 milhões de toneladas da resina, sendo que a América do Sul deverá apresentar um consumo de 1,86 milhão de toneladas. “O mercado de PVC está crescendo, é promissor e temos de investir constantemente para acompanhar as necessidades do mercado”, disse Paulo Schirch, presidente da Solvay Indupa.


    Página 1 de 3123

    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *