Plástico

23 de outubro de 2009

Plásticos de engenharia – Indústria investe em novas aplicações e em segmentos diferenciados como estratégia para expandir seus negócios

Mais artigos por »
Publicado por: Plastico Moderno
+(reset)-
Compartilhe esta página

    O mercado de plásticos de engenharia na América Latina é dominado por companhias multinacionais, como Basf, DuPont, Sabic, entre outras. É comum, entretanto, que estas empresas não possuam portfólios de produtos exatamente conflitantes. Quanto à demanda, Brasil e México são os países mais representativos na região, sendo que há produção local de polímeros como poliamida (PA), policarbonato (PC) e polimetilmetacrilato (PMMA). Já volumes de poliacetal (POM) e polibutileno tereftalato (PBT) são totalmente importados, uma vez que a demanda local não é considerada atrativa pela maior parte dos produtores globais para o estabelecimento de unidades produtivas na América Latina.

    A América do Sul sofreu um impacto considerável como consequência da crise econômica global; todavia, o mercado de plásticos de engenharia é avaliado em seu estado inicial de maturidade, apresentando muitas oportunidades de crescimento por meio de novas aplicações e exploração de nichos de mercado diferenciados.

    Impactos da crise – O mercado latino-americano de plásticos de engenharia sofreu os impactos da crise econômica de forma menos acentuada, comparativamente à Europa e EUA. Porém, foi afetado pela redução da demanda global e pela forte pressão por redução de preços.

    Em recente pesquisa com os players regionais, a consultoria Frost & Sullivan identificou uma queda média de 30% na demanda interna de plásticos de engenharia de outubro de 2008 a março de 2009. Grande parte desta queda foi devida à forte crise que atingiu o setor automobilístico. No caso das resinas de engenharia, as vendas podem ser até 70% dependentes do setor automotivo.

    Em se tratando de demanda internacional, o impacto da crise foi ainda maior. As exportações de plásticos de engenharia do México para os EUA caíram em média 50% no primeiro semestre de 2009. No Brasil, em média, 45% das exportações de plásticos de engenharia eram destinadas aos EUA, sendo que parte deste volume necessitou ser direcionado ao mercado local. Já as exportações de plásticos de engenharia do Brasil para a Argentina sofreram uma redução de 45% nos primeiros meses de 2009.

    O maior desafio para os fornecedores locais tem sido se adaptar aos menores volumes demandados e ao cenário de restrição de crédito. Nesse contexto, muitos players locais têm buscado deslocar os produtores asiáticos, que sofreram com a crise de crédito e passaram a não oferecer custos tão competitivos.

    No caso do Brasil, a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para automóveis suavizou a queda no consumo, contudo, não pode ser considerada no delineamento de estratégias de médio e longo prazo.

    De uma maneira geral, a indústria de plásticos de engenharia é bastante dependente de crédito para capital de giro e aquisição de máquinas. No cenário atual, diversos projetos de investimentos em novas máquinas e tecnologias, assim como expansão de capacidade, foram cancelados ou postergados.

     
    Um ponto importante a ser destacado como consequência da crise econômica é o crescente foco das multinacionais em regiões em desenvolvimento. No caso da indústria de plásticos de engenharia, empresas como Rhodia, Basf, Lanxess e DuPont já possuem planos estratégicos para aumentar sua participação no mercado latino-americano. Apesar das robustas taxas de crescimento do mercado nos últimos três anos, o consumo da América Latina ainda não é atrativo para que a maior parte das multinacionais considere novas capacidades produtivas na região.A Rhodia é uma empresa que tem visto um forte potencial a ser explorado em plásticos na América Latina. Neste sentido, a empresa vem desenvolvendo um portfólio mais diversificado em suas poliamidas, de forma que prospecte novas aplicações. E ainda que o setor automotivo seja o maior consumidor de plásticos de engenharia na região, seguido por eletrônicos, ainda há espaço para crescimento, uma vez que a produção de automóveis se mostra cada vez mais receptiva a substituir o metal por plásticos de alta resistência mecânica, proteção UV e que dispensem pintura.Reformas estratégicas – Com o advento da crise econômica mundial, as empresas passaram a reformular seus planos estratégicos, de forma que continue crescendo num cenário de incertezas. No setor de plásticos de engenharia não foi diferente, e algumas estratégias a ser utilizadas pelos principais players do mercado foram identificadas pela Frost & Sullivan na América Latina.A diretriz comum entre os produtores é a busca por aplicações diversificadas, por meio de pesquisa técnica e promoção das resinas e compostos existentes em diversos segmentos. É crucial para a indústria uma penetração efetiva em outros segmentos além do automotivo, a fim de manter sua própria sustentabilidade econômica. Além disso, com as constantes requisições por melhorias de desempenho e preços competitivos, a inovação se torna um fator crítico de sucesso para os produtores

    Página 1 de 212

    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *