Economia

18 de abril de 2016

Perspectivas 2016 – Plásticos: Acordo setorial do PNRS vai estimular a reciclagem de plásticos em pós-consumo

Mais artigos por »
Publicado por: Jose Paulo Sant Anna
+(reset)-
Compartilhe esta página

    Alguns ventos favoráveis sopram para um nicho de negócios que nas últimas duas décadas vêm se desenvolvendo de forma significativa no mercado brasileiro. Trata-se da reciclagem de peças plásticas pós-consumo. Uma boa notícia para as empresas do ramo foi dada no final de 2015. No dia 25 de novembro foi assinado, o acordo setorial de logística reversa das embalagens fabricadas no Brasil, quaisquer que sejam os seus materiais. A cerimônia ocorreu na sede do Ministério do Meio Ambiente, em Brasília-DF. A meta da iniciativa é reduzir em 22%, em um prazo de três anos, a quantidade de embalagens recicláveis destinadas aos aterros sanitários. Essa porcentagem deve continuar crescendo nos anos seguintes, até ficar próxima dos 100%.

    O acordo está previsto na Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), promulgada em 2010 e regulamentada em 2012. O documento leva a assinatura de representantes de vinte associações industriais representantes dos fabricantes de embalagens (plástico, papel, metal e alumínio), empresas usuárias de embalagens (indústrias de alimentos, bebidas, confecções e outras) e varejo (supermercadistas e atacadistas). Todas as entidades participam da associação Compromisso Empresarial para Reciclagem (Cempre), criada para criar as condições do acordo. Entre elas, três ligadas à indústria do Plástico: Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast), Associação Brasileira da Indústria do PET (Abipet) e Instituto Socioambiental dos Plásticos (Plastivida).

    Plástico Moderno, Bahiense prevê aumento gradual do envio de embalagens usadas

    Bahiense prevê aumento gradual do envio de embalagens usadas

    Segundo Miguel Bahiense, presidente da Plastivida, a assinatura do acordo é um marco histórico, uma vez que concretiza mais de 20 anos de tramitação do Projeto de Lei que deu origem à PNRS e aos quase cinco anos do processo de regulamentação e negociação para se chegar ao texto final. Para o executivo, a expectativa é de aumento gradual e significativo da quantidade de embalagens a serem destinadas à reciclagem, gerando emprego e renda, além da preservação ambiental.

    “Também acreditamos que a assinatura do acordo permita à sociedade reconhecer a atuação e os investimentos das indústrias e empresas de todos os setores envolvidos na infraestrutura existente para a reciclagem de todo tipo de embalagens”. O acordo relativo ao setor de embalagens se soma às já assinadas parcerias verificadas nos setores de agrotóxicos e de óleo mineral. Ainda estão em fase de elaboração acordos na área de medicamentos e de eletroeletrônicos.

    Acordo sobre o PNRS à parte, outro fator pode colaborar com o desempenho do segmento de reciclagem. A alta forte da cotação do dólar proporciona boa oportunidade os envolvidos com esse mercado. Explica-se. Com o real valorizado, o preço da resina virgem, bastante influenciado pela cotação da moeda, estava muito próximo ao da reciclada. No novo cenário, a resina reciclada se tornou mais competitiva e a procura deve apresentar importante crescimento.

    Mãos à obra – A meta estipulada pelo acordo de reduzir a quantidade de embalagens recicláveis destinadas aos aterros sanitários em 22% no prazo de três anos é ambiciosa. Para atingi-la, os signatários realizaram um estudo um estudo de viabilidade técnico-econômica que mostrou os caminhos a serem percorridos. “Precisamos trabalhar em conjunto e fazer o melhor possível”, explica Sílvia Rolim, assessora técnica do Plastivida.

    Para Sílvia, mesmo antes da promulgação da PNRS, os empresários do setor já vinham trabalhando bastante no sentido de elevar o índice de reciclagem das embalagens pós-consumo. Para exemplificar, lembra o esforço que vem sendo feito por uma série de indústrias no estado do Paraná, que vêm obtendo resultados positivos. “Entre outras iniciativas”. A expectativa é de incentivar projetos como esse, para incrementar os negócios de reciclagem de forma gradativa. “Vamos acompanhar os resultados mês a mês, o que não era feito até hoje”.

    Não existem estatísticas atualizadas muito confiáveis no que se refere à atividade. Estimativa baseada em pesquisa encomendada pela Plastivida à Maxiquim, consultoria especializada no segmento industrial, revelou, em que esse segmento movimentava em torno de R$ 2,5 bilhões no Brasil em 2011. O total de plásticos reciclados mecanicamente era estimado em 21% do total produzido.

    À época, o setor era formado por 762 empresas voltadas para a atividade, com capacidade instalada de 1,7 milhões de toneladas, e empregava quase 19 mil colaboradores. Os números atuais, de acordo com especialistas, não devem ter sofrido grandes variações. Possíveis quedas ocorridas devido à crise econômica podem ter sido compensadas pela melhora na estrutura da atividade.

    Essa estrutura é insuficiente para atender o objetivo traçado pelo documento. Para se chegar à meta, serão necessários investimentos voltados para triplicar a capacidade produtiva do setor. O esforço compreende vários tipos de iniciativas. Entre elas, talvez a principal seja melhorar a operação de coleta dos materiais. Hoje, no Brasil, os catadores têm papel fundamental nesse tipo de operação. A atividade, por conta de seu caráter social, é protegida por lei. Para incentivá-la, os empresários da associação Compromisso Empresarial para Reciclagem, pretendem realizar cursos e investir na infraestrutura das cooperativas de catadores.

    Em paralelo, outras formas de atuação podem ajudar a tarefa. Um dos planos é a instalação de pontos de entrega voluntária. Eles devem ser colocados em supermercados e outros locais a serem definidos. Também devem ser promovidas campanhas de educação ambiental para incentivar a adesão da população. “Sem o apoio das pessoas fica muito difícil levar adiante o desafio”. O poder público, por sua vez, precisa dar sua cota de sacrifício. “Os governos municipais precisam investir em coleta seletiva, caso contrário os resultados podem ser prejudicados”.



    Compartilhe esta página







      Um Comentário


      1. Arnaldo Lavado

        Eu como tecnólogo em Polímeros, tenho brigado muito em relação a aplicação do material plastico na sociedade e tb com relação a reciclagem do mesmo.
        Onde poderíamos ter varias ganhos, como conservação ambiental e geração de empregos.
        Atualmente as empresas só querem materiais virgem, e alegam que seja pela qualidade.
        Descordo, pois podemos ter bons materiais reciclados, mas a questão é o custo desse processamento, onde todos buscam apenas ganhos financeiros e nada mais.
        Sem um politica seria (obrigatória), jamais chegaremos a esse conceito, que no meu entender é de extrema importância.
        Deixo meu contato, para que possa ter a possibilidade de ser convidado a participar no que chamo de novos conceitos para um planeta melhor em todos os aspectos.
        Pois sinto que praticamente nada fazemos.
        Att
        Arnaldo



      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *