Plástico

24 de janeiro de 2010

Perspectivas 2010 – ABIPLAST – Otimista, o setor comemora a retomada do crescimento

Mais artigos por »
Publicado por: Plastico Moderno
+(reset)-
Compartilhe esta página

    Desde julho de 2009, quando cresceu 6,5% em relação ao mês anterior, a indústria brasileira de transformação do plástico vivencia consistente reação, depois de um período sob forte impacto da crise econômica mundial. O número de contratações de trabalhadores aumentou 7,9%, uma evidência da confiança das empresas numa retomada mais duradoura do nível de atividade. O saldo entre funcionários admitidos e desligados passou a ficar positivo a partir de maio, quando ocorreram 14.288 contratações, um aumento de 3,3% em relação ao mês anterior, e  9.774 desligamentos, redução de 4,4% em relação a abril.

    Plástico Moderno, Perspectivas 2010 - ABIPLAST - Otimista, o setor comemora a retomada do crescimento

    Merheg Cachum é presidente da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast) e do Sindicato da Indústria do Plástico (Sindiplast).

    Os números acumulados do ano, contudo, ainda refletem a crise econômica mundial, conforme se pode observar nas estatísticas preliminares da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast) para 2009: o volume da produção caiu 5,7%, recuando dos 5,14 milhões de toneladas, em 2008, para 5,48 milhões. O faturamento total do setor diminuiu de R$ 40,92 bilhões para R$ 32,40 bilhões (menos 20,82%). A despeito de as estatísticas acumuladas ainda apresentarem o impacto da crise, o número de empresas transformadoras de plásticos teve um pequeno crescimento, passando de 11.329 para 11.339.

    ão para US$ 1,2 bilhão, significando redução de 13,79%. As importações também retrocederam, de US$ 2,38 bilhões para US$ 2 bilhões. O saldo da balança comercial setorial fechou 2009 com déficit de US$ 800 milhões. O saldo negativo diminuiu 19,6% em relação a 2008, quando foi de US$ 995 bilhões.

    Independentemente dos dados acumulados, a performance do setor a partir do segundo semestre de 2009 evidencia clara retomada do crescimento. A Abiplast e o Sindiplast têm realizado grande empenho no sentido de contribuir para isso, bem como visando a oferecer serviços cada vez melhores aos associados e ao mercado. Apesar das dificuldades de 2009, mantiveram-se e foram ampliados os programas de cursos, treinamentos e palestras e a realização de estudos importantes, como as “Análises estatísticas do setor plástico”, os “Relatórios de acompanhamento de índices de preços de resinas” e as “Análises da Balança Comercial Brasileira de produtos transformados plásticos”. São relatórios e informações muito úteis para se planejar e avaliar estratégias mercadológicas.

    Também tivemos participação destacada em eventos, nos quais empresas, executivos, colaboradores, clientes e fornecedores trocam experiências e ampliam sua rede de relacionamento. Ênfase para a 12ª edição da Brasilplast, a maior feira internacional do setor na América Latina, a 2ª Plastech Brasil – Feira de Tecnologias para Termoplásticos e Termofixos, Moldes e Equipamentos, a Embala Nordeste 2009 e a 4ª Feira Internacional de Embalagens e Processos Industriais.

    Iniciativa importante no âmbito do Sindiplast foi a parceria com a Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb) e a Fiesp para a elaboração do Manual de Produção Mais Limpa (P+L), para a Indústria de Transformação de Material Plástico. Trata-se de uma publicação de alto nível, com orientação precisa para as empresas do setor, em resposta à premência da preservação ambiental e ao desafio da humanidade de conter as mudanças climáticas. O livro revela a consciência de nosso setor quanto ao exercício da responsabilidade socioambiental.

    Por outro lado, demos continuidade à luta por taxas de câmbio mais favoráveis às exportações, isonomia do IPI, aumento do prazo de recolhimento dos impostos e acesso mais amplo a financiamentos e com o mesmo nível dos juros internacionais, a fim de suscitar a igualdade de preços com o exterior. A despeito da queda da Selic no Brasil, o desequilíbrio persiste, pois, por causa da crise, há vários países praticando taxas próximas de zero. Tais conquistas ampliariam a competitividade de nosso setor. Em 2009, a mobilização com foco nessas medidas foi pauta prioritária da Abiplast. E continuará sendo uma prioridade em 2010.

    Apesar dos persistentes obstáculos, as perspectivas são positivas quanto à performance da indústria de transformação do plástico em 2010. A tendência de retomada a partir do terceiro trimestre do ano passado sinaliza haver razões para um otimismo responsável.



    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *