Notícias

25 de janeiro de 2010

Notícias – Senai gaúcho ajuda unidade no NE a formar mão-de-obra

Mais artigos por »
Publicado por: Fernando C. de Castro
+(reset)-
Compartilhe esta página
    Plástico Moderno, Saul Devenz, Professor, Notícias - Senai gaúcho ajuda unidade no NE a formar mão-de-obra

    Devenz pretende capacitar os professores de Maceió

    Inaugurada em dezembro de 2006, a Agência de Educação Profissional Senai do Plástico de Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul, também conhecida como Escola do Plástico, formou 1.630 operadores de máquinas e periféricos para a indústria de transformação em três anos e meio de atividade. Recentemente, a instituição recebeu a visita da direção regional do Senai de Alagoas e deverá, a partir de 2010, ajudar a montar a estrutura daquele estado para criar mão-de-obra direcionada à terceira geração petroquímica.

    Segundo o diretor da “Escola do Plástico” de Caxias, o professor Saul Devenz, numa primeira etapa, o objetivo é formar professores em Maceió. Depois irá supervisionar a formação das turmas de alunos. “Fizemos uma proposta para a implantação do núcleo do plástico naquele estado e iniciamos o trabalho no mês de agosto e concluímos a primeira etapa em novembro passado”, assinala Devenz.

    Conforme complementou, os professores são capacitados em empresas da região e de outros estados. Eles são estimulados a participar de oficinas e seminários de aperfeiçoamento, visitas técnicas em feiras e eventos que possam aprimorá-los o mais rápido possível.

    De acordo com Devenz, a indústria brasileira de transformação começa a expandir-se além das divisas dos estados pioneiros: São Paulo, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Tornou-se muito forte no Paraná em poucos anos. Por conta da nova demanda por trabalhadores qualificados, a formação de mão-de-obra deverá ser descentralizada para os demais estados.

    Existem duas modalidades de cursos. Jovens ainda sem emprego podem conseguir os cursos gratuitos mediante compromissos de desempenho no ensino regular e com os objetivos da instituição. Empresas filiadas aos sindicatos de transformadores podem matricular seus empregados mediante uma taxa cobrada de acordo com as suas possibilidades. Os cursos pagos no turno da noite estão abertos a pessoas com idade superior a dezoito anos, enquanto os menores de idade frequentam as aulas no período diurno.

    Os alunos aprendem desde tecnologia dos polímeros, sua composição química, aplicação e características técnicas, até a operação e programação de injetoras e extrusoras. Para tanto, a Escola do Plástico de Caxias do Sul mantém equipamento próprio. Há também aulas para a operação correta de moinhos, sopradoras, alimentadores de processos automatizados, entre outros.

    A construção das instalações do Senai do Plástico de Caxias do Sul ocorreu por meio de parceria com os sindicatos de transformadores de Caxias do Sul e de Bento Gonçalves e o Sindicato de Trabalhadores do segmento plástico de Caxias do Sul. O curso tem duração de mil e duzentas horas para a obtenção do diploma de formação técnica em transformação de plásticos de nível médio. Para os módulos pagos, o investimento médio é de R$ 670,00 para 100 horas/aula, por aluno. Mais informações em www.simplas.com.br ou pelo fone (54) 3028-7005.

    Brasil avança na reciclagem de PET e mantém 2ª posição

    Se as autoridades públicas sentissem vergonha da própria inoperância e omissão em relação aos assuntos de interesse da sociedade brasileira, elas teriam um motivo adicional para corar. A despeito da insignificância dos sistemas nacionais de coleta seletiva de resíduos sólidos urbanos, o Brasil reciclou, em 2008, 253 mil t de resina PET, mantendo sua posição como um dos maiores recicladores mundiais do poliéster, atrás apenas do Japão.

    O dado consta do 5º Censo da Reciclagem do PET no Brasil, realizado pela Noûs Consulting a pedido da Associação Brasileira da Indústria do PET (Abipet). O estudo revelou que, de todas as embalagens de PET consumidas no país, 54,8% foram recuperadas por meio da reciclagem, uma alta de 9,5% em relação ao índice apurado em 2007, quando 231 mil t de poliéster foram reprocessadas. Os números são significativos, principalmente ao levarmos em consideração que o líder, o Japão, recicla 69,2% de suas embalagens de PET, mas amparado por um eficiente sistema público de coleta seletiva, presente em praticamente todas as cidades do país. No Brasil, por outro lado, as estimativas sérias apontam para uma fração de apenas 5% dos municípios beneficiados por sistemas estruturados de coleta seletiva.

    Como explicar, então, o desenvolvimento da cadeia de reciclagem por aqui? Primeiro, a pobreza é um forte “incentivo” para a atividade de coleta, uma alternativa de fonte de renda para os miseráveis. Além disso, o Brasil, segundo Auri Marçon, presidente da Abipet, é líder mundial em quantidade de aplicações da resina reciclada, consumindo internamente a maior parte de sua produção, enquanto que em outros grandes recicladores, como EUA, Europa e o próprio Japão, a destinação principal do plástico revalorizado é a exportação.

    Os dados apresentados por Leandro Fraga, diretor da Noûs Consulting, também revelam que a produção de fibras têxteis continua sendo a maior aplicação do PET reciclado, com uma fatia de 38% no consumo da matéria-prima revalorizada. A fabricação de resinas insaturadas e alquídicas vem em seguida, com 18%, e laminados e chapas ocupam a terceira posição, com 15%.

    Fraga afirmou que a capacidade instalada de reciclagem de PET continua crescendo no Brasil, e ela nunca foi o gargalo a frear a expansão do setor. O diretor estima que, caso fosse necessária uma expansão rápida e substancial da capacidade instalada, as empresas nacionais conseguiriam realizá-la com uma certa facilidade, pois já dominam a tecnologia, e o investimento é relativamente baixo, em comparação a outros processos industriais. A capacidade instalada atualmente no Brasil é de 275 mil t/ano. Com uma taxa de ocupação de 92%, ele explica outro dado apontado no 5º Censo: a intenção de 66% do setor de investir nos próximos 12 meses. Na avaliação de Fraga, caso houvesse um sistema nacional de coleta seletiva, a demanda pela resina reprocessada no Brasil poderia chegar a 400 mil t/ano. “Os consumidores estão ávidos por utilizar mais PET reciclado”, disse. A busca é tamanha que, também por conta da valorização do real, o PET reciclado brasileiro se tornou um dos mais caros do mundo. O problema é que, para crescer além do estágio atual, o consumo precisa de um salto de oferta que não pode ser oferecido pelos catadores. É o Poder Público que precisa se coçar: PET a ser coletado há; o que falta é o sistema de coleta.

    Proliferação de PLs – Se ainda não conseguiram cumprir com a missão de aprovar uma política nacional de resíduos sólidos, por outro lado, nossos ilustres representantes têm se esmerado em produzir projetos de lei, abordando a temática da reciclagem, no mínimo esdrúxulos. Alguns desses PLs pretendem repassar à iniciativa privada a responsabilidade pela coleta do lixo plástico; outros, lunaticamente otimistas, querem impor taxas de reciclagem superiores às praticadas em alguns pequenos países da Europa, ignorando que nesses países a coleta seletiva se estende por quase todo o território nacional. Para a Abipet, o projeto de lei que merece atenção é o da política nacional de resíduos sólidos, em discussão há 18 anos no Congresso Nacional. Na visão de Auri Marçon, a questão do lixo exige uma solução que contemple o país por inteiro, em vez de legislações locais válidas apenas nos estados ou municípios que as criarem. Desse modo, as esperanças da Abipet acerca da criação de um sistema nacional de coleta seletiva se concentram na discussão do projeto de lei em Brasília. Otimista, Marçon diz que os acertos progrediram no Planalto Central, e que a discussão teve um avanço inédito no último ano, superando até as suas próprias expectativas. “Nós atingimos índices de reciclagem de PET difíceis de serem atingidos até por países com altíssimo desenvolvimento. A indústria de reciclagem de PET é uma realidade no Brasil, e a maior parte das aplicações ainda não foi explorada em sua totalidade. O problema é que falta matéria-prima. Essa é a maior discussão da indústria hoje”, comentou.

    Márcio Azevedo

     

    Leia a reportagem principal:

    Saiba mais:



    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *