Notícias

29 de dezembro de 2008

Notícias – Resinas apontam crescimento

Mais artigos por »
Publicado por: Maria Aparecida de Sino Reto
+(reset)-
Compartilhe esta página
    Plástico Moderno, Vitor Mallmann, presidente do Siresp, Notícias - Resinas apontam crescimento

    Mallmann evidencia viés positivo da alta da moeda americana

    O mercado brasileiro de resinas caminha para um desfecho positivo em 2008, mesmo com o favorecimento às importações pelo real valorizado. Hoje, a indústria nacional se beneficia da depreciação da moeda brasileira. Os dados preliminares da Comissão Setorial de Resinas Termoplásticas (Coplast), da Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim), apontam acréscimo de 14,7% no consumo aparente das commodities – considerados os polietilenos, o polipropileno, o poliestireno, o policloreto de vinila e o acetato de vinila etileno. De janeiro a outubro deste ano, a demanda totaliza 4,1 mil toneladas, contra 3,6 mil t, em igual período de 2007. Enquanto as exportações recuaram 35,48%, as importações avançaram quase 60%; e, por conta de paradas programadas para manutenção preventiva das petroquímicas, a produção das commodities encolheu 3,97% no período estudado.

    A grande vedete do ano foi o PVC, com expansão de 33,55% no consumo aparente, favorecido pelo excelente desempenho da indústria de construção civil, até o estouro da crise financeira, que enxugou o crédito e desestruturou a economia global. A esse respeito, Vitor Mallmann, presidente do Siresp, comentou, em nota

    divulgada recentemente na grande imprensa, que o crescimento da demanda por resinas termoplásticas deve cair em 2009, por conta das interrupções produtivas da indústria automobilística, do desaquecimento da construção civil e da menor demanda por embalagens. Mas ele acredita que os maiores produtores brasileiros de resinas (entenda-se Braskem e Quattor) tendem a sentir menos os efeitos da crise, pois ganham competitividade com o câmbio e podem avançar na fatia do mercado hoje detida pelas importações.

    Demanda sobe – Bastante atrelado ao setor de construção civil (essa indústria responde por algo em torno de 65% da demanda brasileira da resina, a maior parte dela destinada à produção de tubos e conexões), o policloreto de vinila acompanhou o forte crescimento desse mercado, culminando o seu consumo aparente em 879.624 t, avaliado entre janeiro e outubro deste ano, sobre idêntico período de 2007 (658.667 t), de acordo com os dados preliminares da Coplast. Mesmo com a exportação irrisória da resina (as vendas externas recuaram 52,37% neste ano, caindo de 40.437 t, registradas no período de 2007, para 19.260 t), o mercado precisou se abastecer ainda com 319.324 toneladas de produto importado, montante 144,19% acima do trazido para o país no ano passado.

    Na avaliação da Braskem, uma das maiores produtoras da resina, a cadeia produtiva do PVC terminou o ano de 2007 praticamente sem estoques e aproveitou a oferta de importados provenientes dos Estados Unidos, onde a demanda enfraqueceu em razão da crise na construção civil, para efetuar essa recomposição. A empresa informa ter operado suas plantas a 105%, com 96% de destinação para o mercado interno.

    A versatilidade, evolução tecnológica e avanço em aplicações contribuem para o crescimento contínuo experimentado pelo polipropileno, utilizado desde embalagens até autopeças técnicas. De janeiro até outubro deste ano, seu consumo aparente inflou 11,24% sobre o mesmo período de 2007 e atingiu 1,1 mil t. As vendas externas encolheram 37,20% nos meses avaliados, enquanto as importações avançaram 15,55% – ritmo menos acentuado que o de outros polímeros.

    Também o desempenho dos polietilenos foi positivo. O consumo da resina avançou 11,58% no período analisado. De janeiro a outubro deste ano, o mercado transformador brasileiro absorveu 1,7 mil toneladas desses polímeros, contra 1,6 mil t em igual época de 2007. Considera-se nessa soma os tipos: baixa densidade, baixa densidade linear e alta densidade. O linear sobressaiu, com demanda 18,51% maior; seguido dos grades de alta densidade, ampliados em 16,17%. Apenas o PEBD registrou retração no consumo, de 1,40%.

    As exportações de polietilenos declinaram 35,01%, contra alta de 42,66% das importações. Todas as variedades apresentaram retração nas vendas externas e expressivo avanço das provenientes do exterior, com destaque para o PEBD, cuja alta na importação ultrapassou 170%.

    O poliestireno e o acetato de vinila etileno apresentaram desempenho negativo. O consumo aparente do PS retraiu 3,72% e o do EVA 1,06%. A produção de ambas as resinas minguaram: 7,10% e 6,28%, nessa ordem. As exportações de poliestireno encolheram 28,63% e as de EVA 14,74%, enquanto as importações da primeira recuaram 16,49% e as da outra 1,81%.

    Uma das razões para a queda no segmento de poliestireno atrela-se à falta da matéria-prima. A Basf sofreu restrições produtivas por conta dessa baixa e registrou queda em setembro, informou o diretor da divisão de estirênicos para a América do Sul, Andréas Fleishhauer. A empresa não informa dados relativos ao seu desempenho, nem sobre projetos e metas. O diretor é da opinião de que a crise financeira mundial poderá afetar os negócios, mas acredita que o país está, hoje, mais preparado para superar a situação. “Todos nós devemos estar atentos, porém, otimistas em relação ao futuro”, ponderou.

    A empresa lançou neste ano o grade 158K Q690 – um poliestireno com índice de fluidez baixo e resistência térmica alta –, com o objetivo de atender às exigências do mercado de embalagens de espumados. Além disso, a Basf ampliou o leque da família de copolímeros de estireno butadieno (SBS), à qual adicionou produtos como o HS70, com elevada capacidade de encolhimento (acima de 80%), baixo teor de géis, fácil impressão, boa rigidez, excelente controle de encolhimento e densidade menor em relação a outros produtos. Graças a tais características, o fabricante assegura economia de até 30% no consumo de resina. A grande compatibilidade entre o SBS e o poliestireno possibilita a mistura entre os produtos para a obtenção da resistência desejada e, ao mesmo tempo, redução no custo de matéria-prima.


    Página 1 de 212

    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *