Notícias

15 de julho de 2013

Notícias: Produção de fibra de vidro no país sobe para 60 mil T

Mais artigos por »
Publicado por: Renata Pachione
+(reset)-
Compartilhe esta página

    A CPIC Brasil Fibras de Vidro, unidade brasileira da chinesa Chongqing Polycomp International Corporation (CPIC), anunciou investimentos de 30 milhões de dólares na modernização da sua fábrica localizada em Capivari-SP. O montante visa à instalação de uma linha de produção, que incluiu a compra de equipamentos, reformas estruturais e capacitação técnica.

    “Hoje marcamos um novo capítulo da história da CPIC”, celebra Adriana Nobre Rubo, gerente geral para a América Latina. A previsão é encerrar este ano com faturamento 35% superior ao registrado no ano passado, atingindo 75 milhões de dólares. A produção, por sua vez, terá incremento da ordem de 60%, segundo expectativa dos executivos da empresa. A sua capacidade produtiva passará das atuais 35 mil toneladas de fibra de vidro por ano para cerca de 60 mil toneladas/ano. “Essa modernização ampliará o mercado de compósitos como um todo”, comenta Adriana.

    O aumento está diretamente ligado à reforma do forno de fusão de vidro. O equipamento foi totalmente reconstruído, após dez anos de uso. “Do antigo, só ficou a estrutura metálica. Essa renovação o tornou mais eficiente”, atesta Marino Baldocchi, vice-gerente geral de vendas e marketing para a América Latina. O portfólio ganhará dez novos produtos, voltados para a divisão de rovings e fios picados. De acordo com Baldocchi, a proposta é atender alguns segmentos especializados, como tubulações de alta pressão, tanques de armazenamento de líquidos corrosivos e o crescente setor de energia eólica, no caso dos rovings; além dos reforços das resinas termoplásticas/termofixas, empregadas, sobretudo, na fabricação de componentes automotivos, com o uso de fios picados. Aliás, não por acaso, a companhia vislumbra um forte aquecimento da demanda das indústrias de pás eólicas, construção civil e de transporte.

    Plástico Moderno, Forno de fusão de vidro foi totalmente reconstruído

    Forno de fusão de vidro foi totalmente reconstruído

    Instalada em um terreno de 200 mil m² e com 30 mil m² de área construída, a CPIC Brasil Fibras de Vidro conta com 350 funcionários – antes da expansão eram 300. Vice-líder do mercado nacional – atrás da Owens Corning –, a companhia responde por 40% da produção do mercado interno e América do Sul. Sua produção é dedicada às linhas de rovings, fibras picadas e mantas, contando ainda com especialidades importadas da CPIC na China.

    Em sua história, vale uma ressalva. A fábrica existe desde a década de 90. Ela pertenceu à Cia. Vidraria Santa Marina – Divisão Vetrotex – até 2008, quando foi adquirida pela Owens Corning. No entanto, três anos depois, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), do Ministério da Justiça, vetou a transação, autorizando a venda para a chinesa CPIC, em maio de 2011. Essa negociação envolveu a cifra de 60 milhões de dólares.

    Internacionalização − A companhia é a primeira do setor de fibras de vidro a produzir fora da China. Não por acaso. A CPIC tem uma forte estratégia voltada para a globalização da marca. A aquisição da unidade de Capivari foi o primeiro passo. A ideia é avançar para outras regiões como a América do Norte. A CPIC produz 550 mil toneladas de fibra de vidro por ano e seu patrimônio é estimado em US$ 1,14 bilhão. Trata-se de uma joint venture formada pelo grupo chinês Yuntianhua, pelo árabe Amiantit e pelo fundo de investimento americano Carlyle. A matriz foi pioneira na produção de fibra de vidro do tipo E pelo processo de fusão direta na China, em 1986.



    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *