Plástico

3 de maio de 2011

Notícias – Empresa gaúcha cria calçados conceito com “pegada verde”

Mais artigos por »
Publicado por: Fernando C. de Castro
+(reset)-
Compartilhe esta página

    Uma das maiores fabricantes de sistemas de colagens, compostos termoplásticos e solas de couro da América Latina, a FCC, empresa com sede em Campo Bom-RS, apresentou na Fimec 2011 um modelo de sapato feito de materiais obtidos de fontes renováveis, o qual, na concepção da empresa, representa um avanço importante em relação à sustentabilidade do setor calçadista.

    Plástico Moderno, Notícias - Empresa gaúcha cria calçado conceito com "pegada verde"

    Palmilhas são moldadas com insumo obtido por rotas de fontes renováveis

    A 35ª edição da Feira Internacional de Couros, Produtos Químicos, Componentes, Máquinas e Equipamentos para Calçados e Curtumes, em Novo Hamburgo, contou neste ano com a participação de mais de 1,2 mil marcas de produtos, de cerca de 20 países, numa área de exposição total de 36 mil metros quadrados, dois mil metros quadrados a mais que a edição de 2010.

    O sapato apresentado pela FCC é diferente pela sua composição inovadora. Boa parte dos seus componentes – solado TR, palmilha TR, forro de couro e adesivos – é feita com materiais obtidos de fontes renováveis. Fabricado com o Fortiprene TR Verde, produto lançado na feira, o Conceito FCC Calçado Verde é uma forma de mostrar às indústrias calçadistas que é possível investir na construção de um sapato feito totalmente de materiais de fontes renováveis.

    O principal desafio para o desenvolvimento do Conceito FCC Sapato Verde era obter solados e palmilhas originados de matérias-primas de fontes renováveis, sem perder as características necessárias para estes componentes: flexibilidade, aparência e resistência ao desgaste. Depois de três anos de pesquisa, a FCC conseguiu viabilizar um solado feito de borracha reciclável e que contém até 50% de matérias-primas de fonte renovável em sua composição.

    A apresentação do novo produto se deu dois anos após a FCC ter lançado e registrado patente do composto Fortipur 4222 Bio, que tem como principal característica a biodegradabilidade. Denominada borracha termoplástica de quarta geração, a resina reduz significativamente a utilização de recursos provenientes do petróleo, privilegiando o uso de materiais de origem vegetal.
    O conceito FCC Calçado Verde também é resultado da utilização de matérias-primas recicladas, ou seja, resíduos gerados em outras fontes industriais, como o PET (garrafas de refrigerante descartadas) para a fabricação do cadarço, cabedal e algodão com tingimento à base de água.

    Plástico Moderno, Julio Schmitt, Diretor, Notícias - Empresa gaúcha cria calçado conceito com "pegada verde"

    Solados verdes não impactam no preço final do calçado, diz Schmitt

    O Fortiprene TR Verde, que tem origem vegetal, foi o principal lançamento em termos de resina termoplástica da FCC. Segundo o diretor da empresa Julio Schmitt, o produto foi desenvolvido “para ser uma solução imediata para os fabricantes de solados”.  A FCC projeta que nos próximos dois anos em torno de 50% das vendas de matérias-primas para solados terão como matriz o novo produto. “Porque ele atende à questão econômica, na medida em que é um substituto para os derivados de petróleo, sem impactar no preço final do calçado”, justifica Julio Schmitt.

    O calçado conceito é um tênis com a TR Verde, palmilha feita do mesmo elastômero termoplástico, forrada com couro natural, obtido pelo processo de curtimento com taninos vegetais oriundos de florestas renováveis. Não emprega metais pesados. Os resíduos oriundos desse processo de curtimento são biodegradáveis e totalmente compostáveis. O diretor da FCC ressaltou que outro fator relevante da nova matéria-prima é a possibilidade de ela ser utilizada em qualquer injetora de plásticos, tornando-se um produto de solução imediata para os fabricantes de solados.

    Os resíduos líquidos são destinados para a agricultura, pois a aplicação vem recuperando a qualidade nutritiva e o pH do solo de propriedades produtivas da região, com resultados avalizados por análises semestrais e permanente acompanhamento dos órgãos de fiscalização.

    O adesivo usado para colar o forro na palmilha é à base de água, produzido pela FCC sem a utilização de solvente petroquímico em sua composição. O cabedal (parte de cima do calçado) é feito de lona de algodão 100% natural com tingimento à base de água. Todas as costuras também são feitas com o uso de linhas do mesmo tipo de algodão. Os cadarços usados no protótipo da FCC são fabricados com fibras obtidas do PET reciclado.

    Com 42 anos de atividade, a FCC é a maior fabricante brasileira de TPU para solados e tacos, a maior produtora de adesivos para calçados e a única a oferecer soluções completas em elastômeros termoplásticos. Com origem no setor calçadista, segmento que tem participação preponderante em sua produção, a FCC tem quatro unidades produtivas: a matriz em Campo Bom-RS e  unidades em Jacuípe-BA, Morada Nova-CE e em Canelones, no Uruguai. A sua central de distribuição fica em São Paulo, capital.

    Uma das líderes globais em tecnologias para adesivos aquosos, a FCC tem métodos próprios na síntese de poliuretanos e se considera a maior e mais diversificada fornecedora de elastômeros termoplásticos da América Latina. Para garantir seu espaço no mercado, a empresa investe forte na certificação de seus processos.

    Conforme Schmitt, o compromisso da FCC, delineado por seu planejamento estratégico, está baseado na premissa de que respeitar o presente é proteger o futuro. Por isso a empresa investe na certificação de suas plantas industriais e não desenvolve mais resinas nem compostos que não possam ser reciclados.

    Existem ainda alguns grades de produtos sendo elaborados na fábrica, como o poliuretano termofixo, mas de maneira descontinuada, o que significa que nos próximos anos não será mais fornecido pela empresa – deve ser substituído pelo PU termoplástico, 100% reciclável. “Nossa meta é a produção de insumos e matérias-primas que se decomponham sem agredir a natureza”, resume Schmitt.



    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *