Máquinas e Equipamentos

26 de maio de 2015

Moinhos: Micronização tem demanda pequena

Mais artigos por »
Publicado por: Jose Paulo Sant Anna
+(reset)-
Compartilhe esta página
    Plástico Moderno, Lalli acompanha com atenção o avanço dos nichos de mercado

    Lalli acompanha com atenção o avanço dos nichos de mercado

    A venda de moinhos é um dos três segmentos de negócios trabalhados pela Pallmann, multinacional fundada em 1903 na Alemanha, com instalação no Brasil há mais de trinta anos. A empresa também fornece micronizadores e aglutinadores. Seus equipamentos são voltados não só para processar o plástico, também operam com madeira, resíduos de processos industriais e em processos de reciclagem.

    “No caso da indústria do plástico, o mercado de moinhos é difícil para nós”, diz Alceu Lalli, diretor de vendas e operações. O problema se encontra no tipo de equipamento produzido pela empresa. “Nós trabalhamos com modelos sofisticados, de maior custo, procurados no Brasil apenas para aplicações especiais. Nosso campo de atuação é limitado”.

    O forte da Pallmann, por aqui, é a venda de micronizadores, voltados para a transformação dos materiais a serem triturados em pó. “É um mercado bem menos disputado, o número de fornecedores é reduzido”. Os micronizadores são procurados pelas indústrias que usam métodos de transformação que exigem a alimentação das máquinas com matéria-prima em pó. É o caso, por exemplo, da termoformagem. “É comum vendermos máquinas para peças grandes, como caixas d’água e outras”. Outros clientes importantes no campo da extrusão são os fabricantes de tubos de PVC. “Um nicho de mercado ligado à extrusão que vem ganhando força é o da produção de telhas. No Nordeste as telhas plásticas já estão bastante difundidas”, informa.

    O segmento de aglutinadores, equipamentos destinados à produção de granulados com alta densidade aparente de compostos termoplásticos de fibras naturais e plástico-madeira, também movimenta a empresa. “Eles são muito usados na reciclagem de carpetes de automóveis, e de big bags”, exemplifica. Esses itens são feitos de polietileno, polipropileno e poliamidas.

    A Pallmann conta com outro diferencial. Possui divisão de prestação de serviços de aglomeração, moagem e micronização, equipada com máquinas de fabricação própria. A capacidade instalada dessa estrutura permite o processamento de aproximadamente 1.000 t/mês. “Somos a primeira empresa nesse ramo de atividade a obter certificação ISO 9001: 2008”.

    O ano de 2014 para a empresa foi bom. Muito mais pelas encomendas de clientes que trabalham com outros tipos de materiais. “Na área do plástico as vendas foram bem fracas, caíram 30% em relação a 2013”. A expectativa para esse ano, por enquanto, não está clara. “Vivemos um quadro de indefinições”, finaliza.



    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *