Máquinas e Equipamentos

29 de agosto de 2007

Microinjeção – Processo abre campo às resinas em mercado de peças altamente complexas

Mais artigos por »
Publicado por: Simone Ferro
+(reset)-
Compartilhe esta página

    Tecnologias disponíveis tanto em processos quanto em insumos tornaram realidade a moldagem de peças com peso na faixa de miligramas e a inclusão dos plásticos em mercados extremamente técnicos. Das microengrenagens para relógios aos suportes de lentes para leitores de DVD até os implantes auditivos e subcutâneos, as resinas substituem ligas metálicas, dentre outros materiais, ou, simplesmente, ocupam uma lacuna inédita nas indústrias médico-hospitalar, eletrônica, de comunicação e outras.

    No Brasil, a microinjeção ainda não alcançou a escala dos mercados europeu, americano ou asiático. Porém, o País, com seus 90 milhões de celulares, sinaliza demandas futuras em diversos segmentos. Além das telecomunicações, as áreas de mecânica de precisão (engrenagens em geral), de eletroeletrônicos (conectores) e de produtos médico-hospitalares, que exigem produção em sala limpa, chamam a atenção dos fabricantes de injetoras.

    Precisão e repetibilidade são fatores fundamentais para a microinjeção de resinas plásticas. Por isso, a dosagem do material e o controle da temperatura estão entre os parâmetros críticos do processo, segundo especialistas do setor. “Os movimentos de abertura e fechamento podem ser hidráulicos, porém é imprescindível que a injeção seja elétrica”, afirma o diretor-presidente da HDB, de Cotia, Herbert Buschle. A empresa representa a austríaca Engel com exclusividade no Brasil.

    Existem diversos sistemas dedicados à microinjeção, cujas tecnologias patenteadas estão à disposição dos moldadores nacionais. A Engel desenvolveu um sistema de injeção por compressão, denominado X-Melt, que permite velocidades de injeção de até 1.200 mm por segundo e converte a injetora em uma máquina acumuladora de alta precisão para a produção de peças de parede fina e peso reduzido.

    Compressão – De acordo com Buschle, a injeção ocorre com a rosca parada. “O sistema de compressão garante volume de injeção extremamente preciso, assim como a repetibilidade do processo.” Após plastificação, o movimento axial da rosca promove a compressão da resina. Os bicos valvulados, que podem estar na máquina ou no molde de câmara quente, se abrem simultaneamente. O sistema proporciona ainda o acesso rápido do material nas cavidades, sem sobrecarregar as mesmas.
    O material comprime na rosca e expande no molde. “Na injeção de alta velocidade, o mais importante não é a aceleração da rosca, mas a precisão com que esta pára, sempre no mesmo ponto”, alega Buschle.

    Conforme informações do fabricante, o sistema atende à injeção de peças com pesos variados. Em geral, itens acima de 0,1 grama, com paredes de 0,1 mm a 1 mm. “É possível injetar itens muito reduzidos”, diz Buschle. Já a produção de peças de pequeno porte, acima de 50 gramas, pode ser executada em máquinas 100% elétricas, híbridas e até hidráulicas sem o sistema X-Melt.

    A Engel, tradicional fabricante de injetoras sem colunas, possui vasta linha de máquinas desde 28 toneladas até 5.500 t de força de fechamento. No Brasil, o principal volume de vendas fica por conta dos modelos sem colunas até 300 t de força de fechamento e os de duas placas e grande porte até 2.700 t, principalmente para o setor automotivo.

    Para o mercado de embalagens e peças de ciclo rápido e parede fina, a empresa apresentou o modelo Speed, na última edição da feira K, em 2005, em Düsseldorf, na Alemanha. “Essa linha abriu campo para a Engel no segmento de embalagens.” Segundo Buschle, a empresa vai mostrar neste ano duas novas capacidades, 500 e 650 t de força de fechamento, além de ampliar a linha de elétricas com o modelo de 380 t.

    Plástico Moderno, Herbert Buschle, diretor-presidente da HDB, Microinjeção - Processo abre campo às resinas em mercado de peças altamente complexas

    Buschle oferece sistema de injeção por compressão

    Elétricas – O gerente-comercial da Milacron do Brasil, Hercules Piazzo, defende a superioridade das injetoras elétricas para a moldagem de micropeças plásticas. Há trinta anos atuando nesse mercado, a empresa recomenda os modelos de 5, 15, 30, 50 e 100 toneladas de força de fechamento da série Roboshot S2000iB. A linha conta com máquinas até 350 t, o modelo mais vendido pela empresa no Brasil. “Também fabricamos injetoras hidráulicas de pequeno porte, porém as 100% elétricas são superiores para esse tipo de produção.”

    Por ser elétrica, a Roboshot S2000iB não utiliza óleo. Dentre as principais características, Piazzo cita os recursos batizados de inteligência artificial que se aplicam à pressão de injeção, plastificação, segurança do molde e extração. Com relação à pressão de injeção, os recursos eliminam variações de processo ocasionadas pelo desgaste do conjunto de anel de bloqueio (ponta de rosca).

    De acordo com Piazzo, após a edição da curva de pressão de injeção, a máquina salva o parâmetro e o segue sempre, mesmo quando ocorre o desgaste mecânico do conjunto de ponta da rosca, ou seja, dispensa reajustes. “Desta forma a máquina acompanha a curva, evitando refugos e acertos de regulagem do processo.”
    Os recursos adotados na plastificação evitam variações de peso. “Caso ocorra qualquer variação na granulometria ou na densidade da resina durante a produção, a máquina automaticamente aumenta ou diminui a rotação da rosca para que seja plastificada e compactada a mesma massa de material dentro do cilindro de injeção em todos os ciclos. Dessa forma, sempre será injetado o mesmo volume de material na cavidade do molde.”


    Página 1 de 3123

    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *