Embalagens

24 de fevereiro de 2017

Limpeza: Dos fornos ao gelo seco, técnicas conseguem manter o ferramental limpo

Mais artigos por »
Publicado por: Jose Paulo Sant Anna
+(reset)-
Compartilhe esta página
    Plástico Moderno, Antes e depois: Husky deixa molde complexo limpo com ultrassom

    Antes e depois: Husky deixa molde complexo limpo com ultrassom

    Plástico Moderno, Antes e depois: Husky deixa molde complexo limpo com ultrassom

    Antes e depois: Husky deixa molde complexo limpo com ultrassom

    Obter peças de qualidade na indústria do plástico depende de inúmeras variáveis. Algumas muito atraentes para os amantes da tecnologia, outras bem menos chamativas, mas também muito importantes. Entre as com menor charme se encontra a limpeza dos moldes e de componentes das máquinas, serviço banal para os desavisados, mas imprescindível para o bom andamento das linhas de produção.

    A operação se enquadra dentro de planejamentos de manutenção que seguidos à risca proporcionam redução do tempo de parada das máquinas. Em outras palavras, melhoram a produtividade das linhas de produção. Tais planejamentos não são definidos a partir de receita única. Cada equipamento e molde segue estratégia própria, diferentes situações precisam ser avaliadas caso a caso.

    A limpeza pode ser realizada de forma manual ou com auxílio de tecnologias mais sofisticadas. Entre elas se encontram a limpeza criogênica – feita com bombardeamento de gelo seco –, técnicas de lavagens ultrassônicas ou o uso de fornos de pirólise ou leito fluidizado. A aplicação de tais tecnologias é feita por prestadores de serviços especializados, a não ser em alguns casos, quando o porte do transformador for muito grande e justifique investimentos na compra dos maquinários necessários para realizar as operações. Em geral, os prestadores de serviços trabalham para diversos segmentos. Entre eles, a indústria do plástico aparece como nicho de negócios interessante.

    É comum entre os transformadores realizar as operações de limpeza dos moldes internamente. No caso dos moldes, muitos se aproveitam de contar em sua equipe com profissionais especializados em ferramentaria. Isso ocorre, por exemplo, na Plásticos Regina, empresa com 22 injetoras cujo carro-chefe é a produção de embalagens. “Temos planos de manutenção que preveem limpezas feitas em moldes e máquinas com diferentes periodicidades, a partir da análise de uso de cada item”, informa Bruno Dedomenici, diretor industrial.

    Plástico Moderno, Dedomenici: limpeza faz parte do plano de manutenção interna

    Dedomenici: limpeza faz parte do plano de manutenção interna

    São levadas em conta para a idealização desses planos variáveis como horas-máquina trabalhadas, número de ciclos realizados, número de cavidades, matérias-primas utilizadas e outras. “As limpezas podem ser diárias, semanais ou até mensais”. No caso dos moldes, na maioria das vezes eles são desmontados e a limpeza é feita com produtos a base de água, oferecidos pela indústria química com o objetivo de não prejudicar o meio ambiente. “Nossa estratégia tem dado excelentes resultados, temos moldes com nove anos de trabalho contínuo”.

    A receita adotada pela Drypol Recyclean é diferente. A empresa possui nove injetoras e uma linha de extrusão. É fabricante de pré-formas de PET – em torno de 90% do volume de seus produtos são feitos de plásticos reciclados. “De acordo com nossas necessidades, utilizamos três maneiras distintas de efetuar a limpeza”, explica Paulo Rollo, gerente industrial. Existem casos de limpeza manual realizada internamente, na qual determinadas peças chegam a passar por operação de abrasão feita com lixas especiais. Com a ajuda de parceiros, são efetuadas lavagens com a ajuda do gelo seco ou com a tecnologia ultrassônica.

    Cada caso é um caso, mas há uma ressalva. “Entre as três, a lavagem com gelo seco tem a vantagem de poder ser feita sem a necessidade de desmontar o molde, o que torna o processo mais ágil”, explica. Para minimizar o custo da contratação de uma empresa especializada, a saída é organizar a linha de produção de forma que três ou quatro máquinas sejam interrompidas em conjunto. “É preferível fazer o serviço por batelada, o preço fica vantajoso”.

    Plástico Moderno, Abdala: limpeza criogênica dispensa movimentar o molde

    Abdala: limpeza criogênica dispensa movimentar o molde

    Limpeza criogênica – O método de limpeza criogênica consiste no bombardeio em altíssima velocidade de pellets de gelo seco (partículas de dióxido de carbono mantidas a uma temperatura em torno de -78ºC) sobre a superfície a ser limpa. Pelo processo, os pellets eliminam a sujeira por meio do processo de sublimação. Ela pode ser usada para remover resíduos pesados como silicone, borracha, poliuretano, óleo, graxa, lubrificante, tinta, resina e outros.

    Além do setor plástico, atende indústrias como automotiva, alimentícia, gráfica, fundição, metalúrgica, naval, de restauração, química e farmacêutica. Seu uso é bastante difundido no exterior há anos, em especial nos Estados Unidos e Europa. No Brasil, ainda não é tão disseminado, mas especialistas acreditam que no futuro a técnica deve ganhar espaço em relação às concorrentes, por apresentar algumas características atraentes.

    O bom potencial de negócios da lavagem criogênica incentivou a criação da Atlantic Dry Ice, há cinco meses no mercado. Especializada na prestação de serviços, tem sede na capital paulista e atende clientes em todas as regiões do Brasil. “A decisão de investir no empreendimento se deu após ampla pesquisa”, explica Carlos Abdala, diretor industrial. Ele lembra se tratar de um método de lavagem ainda pouco aproveitado no Brasil e explorado por número reduzido de empresas. “Nós surgimos em momento oportuno. É notória a preocupação do empresário brasileiro com serviços e projetos sustentáveis, que aumentam a produtividade e não agridem o meio ambiente”.


    Página 1 de 212

    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *