Aditivos e Masterbatches

22 de novembro de 2016

K-2016: Poliamidas revelam avanços

Mais artigos por »
Publicado por: Jose Paulo Sant Anna
+(reset)-
Compartilhe esta página

    Durante a realização da K’ grandes grupos petroquímicos apresentaram novidades no campo das poliamidas. O Grupo Solvay (Rhodia) fez o lançamento oficial da marca Technyl 4earth, cujo diferencial é proporcionar benefícios ambientais inovadores em comparação com a poliamida 6.6 tradicional. De acordo com a empresa, a produção da matéria prima reduz a pegada de carbono em um quarto, o consumo de recursos não renováveis pela metade e o uso de água em mais de dois terços em comparação com compostos tradicionais. 

    “O Technyl 4earth reduz o impacto ambiental de peças de poliamida em um nível nunca atingido antes”, garante Richard Bourdon, diretor do projeto Move 4earth. O projeto, apoiado pela Comissão Europeia (programa LIFE +), cuja sede industrial está na Polônia, também tem a meta de transformar fontes estáveis de têxteis técnicos pós-industriais ou em fim de vida – tais como airbags para automóveis – em plásticos de engenharia de primeira qualidade. “Os produtos ecológicos têm desempenho semelhante ao do tradicional Technyl, comercializado pela empresa”.

    A Solvay já está desenvolvendo uma série de aplicações utilizando o Technyl 4earth com os principais participantes do mercado automotivo e de bens de consumo. A empresa também promete suporte aos clientes, a partir de gama completa de serviços técnicos destinados a acelerar o tempo de comercialização de novas aplicações, desde a caracterização de materiais avançados até a validação de aplicação. Os serviços incluem impressão em 3D de protótipos funcionais à base da poliamida em pó Sinterline, programas de simulação e testes de peças em centros de validação totalmente equipados.

    A japonesa UBE, por sua vez, lançou o náilon 5033FD8, com propriedades diferenciadas de resistência à temperatura e umidade. O material é indicado, em especial, para a produção de embalagens flexíveis esterilizadas pelo processo retort. Essa tecnologia, bastante usada na indústria alimentícia, se dá a partir do uso de autoclave em altas temperaturas e pressões e permite que o produto seja mantido sem refrigeração.

    O método, no entanto, pode levar ao chamado efeito retort shock, fenômeno que provoca entrada de ar na embalagem, o que compromete a vida de prateleira do produto. Daniel Hernandes, executivo de vendas da UBE no Brasil, afirma que o uso do náilon 5033FD8 na estrutura do filme reduz significativamente esse risco. “O produto também melhora a aparência externa da embalagem”.



    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *