Máquinas e Equipamentos

10 de junho de 2008

Injetoras – As vendas internas aquecidas e aquisições de marcas internacionais de renome agitam o mercado

Mais artigos por »
Publicado por: Jose Paulo Sant Anna
+(reset)-
Compartilhe esta página

    Economia aquecida e indústria da transformação atuando com índices de capacidade próximos dos 100%. Para os fornecedores nacionais de injetoras, o início de 2008 foi muito promissor. O cenário favorável só tem um senão: a acirrada concorrência proporcionada pela elevada competitividade dos importados, favorecidos pela desvalorização do dólar.

    No Brasil, não há números oficiais. Estima-se a comercialização de 2,5 mil a 3 mil injetoras por ano. No nicho de máquinas mais sofisticadas, voltadas para a obtenção de peças de grande precisão ou para grandes volumes de produção, devem ser vendidas em torno de 400 unidades por ano. O alcance representado por essas vendas, no entanto, responde por um percentual mais significativo do total de negócios, por causa do maior valor agregado desses equipamentos. Nesse nicho, a grande briga dos brasileiros é com as empresas dos países avançados – em especial, as européias, que possuem forte participação no mercado nacional.

    Entre os modelos não tão sofisticados, que representam 80% das vendas em unidades de máquinas, a invasão chinesa, iniciada há alguns anos e capitaneada por preços para lá de atraentes, se transformou em forte dor de cabeça para os fabricantes de peças plásticas nacionais. No momento, no entanto, a dor anda um tanto anestesiada pelo cenário econômico favorável. O alívio proporcionado pelo aquecimento da demanda se soma aos argumentos usados pelos fabricantes nacionais há tempos na hora de convencer os compradores: a “qualidade duvidosa” dos modelos asiáticos e a falta de estrutura adequada para a prestação de assistência técnica.

    A concorrência acirrada não se resume ao mercado brasileiro. Em busca de fortalecer suas posições em novos mercados, três grandes grupos empresariais mundiais foram às compras no primeiro semestre deste ano. Entre os brasileiros, o negócio mais comentado é o do avanço nas negociações efetuadas pela Romi para adquirir as instalações européias da Sandretto, empresa italiana que enfrentou problemas econômicos graves nos últimos anos e estava sob intervenção do governo local.
    Para ser concluído, o negócio precisa ser aprovado por uma assembléia realizada com os acionistas da empresa nacional. A iniciativa tem como objetivo fazer com que a Romi finque um pé no mercado europeu. Vale ressaltar que a Sandretto do Brasil não está envolvida no negócio. A marca por aqui hoje pertence ao grupo Nardini, que a adquiriu em abril do ano passado.

    Duas outras aquisições de porte chamaram a atenção. O grupo japonês Sumitomo adquiriu em março a Demag, da Alemanha. O grupo austríaco Wittmann, especializado em equipamentos para automação de linhas de injeção de plástico, concretizou no início de abril a compra de outra empresa austríaca de renome, a Battenfeld. Ambas as aquisições vão trazer conseqüências aos transformadores brasileiros. Representantes das duas empresas prometem lançar equipamentos nos próximos meses e as novidades estarão disponíveis por aqui tão logo sejam anunciadas.

    Romi na Europa – A Romi fechou um acordo preliminar para adquirir os ativos da fabricante italiana de injetoras Sandretto, que possui duas unidades fabris nas cidades italianas de Grugliasco e Pont Canavese, na região de Turim, além de quatro subsidiárias comerciais localizadas no Reino Unido, na Holanda, na Espanha e na França e de vários centros de serviço, escritórios de venda e representações comerciais em diversos países.

    Plástico Moderno, Livaldo Aguiar dos Santos, diretor-presidente da Romi, Injetoras - As vendas internas aquecidas e aquisições de marcas internacionais de renome agitam o mercado

    Santos: compra prevê expansão no exterior

    Fundada em 1946, a Sandretto já vendeu mais de 30 mil equipamentos em todo o mundo. Sua linha de máquinas é composta de injetoras de plástico com capacidade de 75 a 5.500 toneladas de força de fechamento. A empresa italiana está em processo especial de recuperação financeira desde 2006 e vem sendo administrada por representantes do governo italiano, tendo registrado uma receita líquida consolidada de aproximadamente 30 milhões de euros no ano passado.

    “A operação faz parte da estratégia de internacionalização da empresa nacional de expandir suas bases de produção e de mercados, ganhar escala e reduzir custos para aumentar suas vendas em todo o mundo”, afirma Livaldo Aguiar dos Santos, diretor-presidente da Romi. De acordo com o dirigente, a empresa tem três objetivos estratégicos ao negociar a aquisição: aproveitar a rede comercial da Sandretto no exterior para ampliar a base de distribuição de suas máquinas, desenvolver um centro tecnológico em uma região com know- how reconhecido no setor de máquinas e ampliar a política de desenvolvimento mundial de fornecedores.

    O acordo preliminar prevê o pagamento de 5,5 milhões de euros feito pela Romi pelos ativos da Sandretto (instalações, máquinas e equipamentos, tecnologia, marcas e patentes, entre outros). Os estoques de matérias-primas, produtos em elaboração e acabados não estão incluídos no preço mencionado, mas deverão ser adquiridos por valor a ser negociado. A Romi assume ainda o compromisso de contratar os atuais 295 empregados da Sandretto e de aportar 8 milhões de euros às operações, dentro de dois anos a partir da data de aquisição.

    A negociação será concluída com a participação da Romi Italia, empresa em fase final de criação na cidade de Turim, que será subsidiária integral da Romi Europa GmbH. Enquanto a assembléia de acionistas da Romi não aprova a aquisição, a empresa se recusa a responder perguntas sobre o futuro. Não se sabe, por exemplo, se a marca Sandretto continuará a existir na Europa ou se será substituída pela marca Romi.


    Página 1 de 41234

    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *