Ferramentaria Moderna

30 de setembro de 2013

Ferramentaria Moderna: Equipamento acoplado ao molde permite injetar peças multicores

Mais artigos por »
Publicado por: Jose Paulo Sant Anna
+(reset)-
Compartilhe esta página

    As peças injetadas com de duas a quatro cores têm sido cada vez mais requisitadas por usuários de vários segmentos econômicos. Como exemplo, podemos citar as embalagens de cosméticos e produtos de higiene pessoal, aparelhos de barbear, escovas de dente e outros que por sua aparência atraem a atenção dos consumidores nos mais distintos pontos de venda. A maior dificuldade para o mercado adotar os componentes coloridos é o custo da produção. O método tradicional prevê o uso de máquinas dotadas com duas ou mais unidades de injeção. O investimento necessário para os transformadores adquirirem esse maquinário é elevado e tal custo é repassado aos clientes.

    Química e Derivados, Ferramentaria Moderna: Equipamento acoplado ao molde permite injetar peças multicoresPensando no potencial desse mercado, a MoldMasters lança no Brasil o E-Multi, unidade de injeção instalada diretamente nos moldes. Ela permite a fabricação de peças com mais de uma cor em ciclos realizados em injetoras simples. De acordo com informações fornecidas pela empresa, a economia para a aquisição de uma linha de produção voltada para a operação chega a 60%, quando os preços são comparados aos dos equipamentos hoje utilizados.

    Fabricado no Canadá, o E-Multi foi lançado no mercado internacional há dois anos, em uma feira na Polônia. No ano passado, em exposição realizada nos Estados Unidos, foi apresentado ao mercado norte-americano. No Brasil, ele causou sensação no estande da empresa na Feiplastic, realizada em maio, em São Paulo. “O E-Multi tem provocado interesse muito grande no mercado nacional. Já temos dois instalados e funcionando por aqui”, informa Carlos Garcia, diretor-geral da empresa no país.

    Os moldes usados na operação são similares aos da fabricação de peças coloridas fabricados por injetoras múltiplas. Uma das entradas de material da ferramenta se ajusta ao canhão da máquina. Em outras entradas, pode ser usado o E-Multi, acoplado na posição vertical ou horizontal. “Em um mesmo molde podem ser instaladas até três unidades, uma em cima da ferramenta e duas nas laterais. Assim conseguimos peças com de duas a quatro cores”, diz o executivo. A conexão com o equipamento pode ser feita na superfície da ferramenta ou diretamente na câmara quente. “Ela se dá por meio de uma placa de adaptação bastante simples.”

    O funcionamento do equipamento é totalmente elétrico. “Ele tem comando compatível com o da injetora usada na operação. A conexão é fácil”, garante Garcia. Cada unidade tem um alimentador de matéria-prima próprio e pode ser abastecida por meio da mangueira conectada ao alimentador da injetora. Podem ser usadas resinas diferentes das utilizadas na injetora, desde que elas tenham características próximas, que trabalhem com grau de temperatura similar.

    O E-Multi é oferecido em quatro diferentes tamanhos. A capacidade máxima de injeção é de 170 gramas por ciclo. Caso um molde tenha câmara quente, essa capacidade deve ser dividida pelo número de cavidades. ?Se a ferramenta conta com dez cavidades, cada peça pode ter 17 gramas de matéria-prima de cor diferente, por unidade do E-Multi instalada no projeto.” A capacidade diminui se o molde não tiver câmara quente. Nesse caso, do plástico a ser utilizado em cada peça, deve-se subtrair o peso necessário para a fabricação do canal de injeção.



    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *