Máquinas e Equipamentos

29 de novembro de 2008

Extrusoras – As novas gerações de máquinas facilitam os processos de manutenção preventiva

Mais artigos por »
Publicado por: Simone Ferro
+(reset)-
Compartilhe esta página

    Mais produtivas, econômicas e eficientes as extrusoras para o processamento de resinas plásticas também evoluíram em relação à manutenção preventiva. Tecnologias agregadas visam a tornar a operação mais simples, rápida e fácil, além de reduzir o número de procedimentos e os custos.

    Plástico Moderno, Carlos Alberto de Brito, gerente técnico da Rulli Standard, Extrusoras - As novas gerações de máquinas facilitam os processos de manutenção preventiva

    Brito: intervenções ocorrem sem paradas

    O desenho da máquina, a qualidade de seus componentes e acessórios e os insumos empregados na manutenção são decisivos para garantir tais objetivos. “Atualmente, as intervenções são mais raras, e até nos equipamentos mais simples ocorrem sem paradas”, afirma o gerente técnico da Rulli Standard, Carlos Alberto de Brito. Fundada em 1961, a Rulli fabrica extrusoras de filmes e chapas em Guarulhos-SP.

    Em uma extrusora, assim como num carro, existem itens que devem ser checados com base em uma tabela que considera horas trabalhadas ou toneladas processadas. Em geral, procedimentos, prazos,  benefícios e demais

    instruções estão relacionados nos manuais técnicos dos fabricantes, que também oferecem cursos distintos para operação e manutenção das máquinas. Alguns manuais incluem lista de problemas e possíveis soluções, e dicas para o bom uso do equipamento.

    O conceito, no entanto, não está arraigado tanto quanto deveria na planta dos transformadores. Os usuários, em especial as empresas de pequeno e médio porte, recorrem com mais freqüência e necessidade à manutenção corretiva, ou seja, quando a bomba já estourou e a solução, em geral, é mais cara e demorada. “O principal benefício é evitar a parada de máquina por problemas de última hora que poderiam ser detectados antes”, diz o diretor da By Engenharia, Marco Antonio Gianesi.

    Dessa opinião compartilha o diretor-industrial da Minematsu, Edson Minematsu, fabricante de extrusoras para filmes tubulares, com sede em Osasco-SP. “Com a produção tomada, a manutenção normalmente ocorre quando o equipamento realmente necessita de reparos”, diz. Alerta ainda que em caso de quebra ou falhas de operação, a solução geralmente é mais simples em equipamentos que passam por revisão periódica.

    De acordo com Gianesi, dentre os itens a serem verificados com mais freqüência e atenção estão rolamentos do redutor, rosca e camisa da extrusora, resistências e outros. Recomendações não faltam. “Partem de uma simples verificação do óleo ou graxa em um rolamento e a periodicidade ideal para tal prática, ao alinhamento da rosca em relação ao redutor e medição da rosca e camisa da extrusora, para detectar eventual desgaste.”

    Dentre as representadas da By Engenharia estão a Davis Standard, desde 2002, e a F.LLI Maris, fabricante italiano de extrusoras co-rotantes para compostos, masterbatches, hot melt etc.

    Empurrão externo – Simplificar os procedimentos, aumentar a vida útil dos componentes e, conseqüentemente, reduzir os gastos com essa operação estão no escopo dos fabricantes de máquinas nacionais e estrangeiros faz alguns anos. A satisfação do cliente e sua fidelização, aliados à concorrência, cada vez mais acirrada, deram um empurrãozinho para essas melhorias ocorrerem. Mas a entrada dos fabricantes nacionais no mercado externo ajudou mais ainda.

    Isso porque equipamentos bem dimensionados e fabricados com componentes de ponta quebram menos e, certamente, requerem menos atenção dos técnicos. Afinal, garantir eficiente assistência técnica no Brasil custa caro. No exterior, então, nem se fala. Dentro desse contexto, reduzir custos e enxugar estruturas financeiras tornou-se condição obrigatória para se manter no acirrado mercado internacional. “Sabemos da necessidade da máquina trabalhando e o prejuízo que causa parada”, afirma Minematsu.

    A padronização construtiva dos equipamentos também garantiu a permanência de marcas nacionais no mercado externo e facilitou a manutenção das máquinas e a aquisição de peças de reposição. “Usamos motores, rolamentos, alinhadores, itens pneumáticos e outros componentes sempre dos mesmos fabricantes. Todos esses itens estão codificados para que o transformador consiga identificar rapidamente a peça que necessita”, explica Brito.

    A evolução das resinas plásticas e o crescente uso de cargas e aditivos também exigiram a adequação dos equipamentos. As ligas bimetálicas ou especiais aumentaram a vida útil e o desempenho de roscas e cilindros. “Hoje é possível projetar e obter o comportamento reológico ideal dos materiais dentro dos conjuntos de extrusão.”

    Os avanços se devem não apenas às melhorias incorporadas aos projetos das extrusoras, mas também à evolução de seus componentes, desde roscas, cilindros e cabeçotes aos comandos. “Nos últimos anos, novas tecnologias aumentaram a produtividade e reduziram sensivelmente a variação de espessura e o consumo de energia elétrica, entre outros parâmetros”, afirma Brito.

    Os insumos usados na manutenção também evoluíram consideravelmente, tais como as graxas sem ação residual. “A manutenção preventiva proporcionará sempre um ótimo estado de funcionamento do equipamento, bem como sua conservação”, afirma o diretor-comercial da HGR Extrusoras, de Guarulhos-SP, Ricardo Rodrigues.


    Página 1 de 41234

    Compartilhe esta página







      3 Comentários


      1. jose mario ferreira

        Boa noite a todos que trabalham com plásticos o assunto abordado é muito bom trabalho com maquinas de corte solda e extrusoras a 31 anos tenho acompanha a tecnologia que vem avançando a cada ano.
        extrusoras carnevale/ Rulli Standard hoje trabalho so com extrusora da windm0ller e impressoras roto com manutenção preventiva adequada para as extrusora evitando parada desnescessaria


      2. João santos

        Boa,noite pessoal do plastico.com.br,adorei muito a matéria sobre etrusoras
        se tivesse mais tempo seria capaz de ficar aqui muitas horas apreciando,o
        conteudo da matéria,vcs estão de parabéns.
        Agora,a respeito de manutenção em maquinas extrusoras e também
        maquina de corte e solda do plastico,gostaria se possivel,que vcs me indicasem
        algumas intituições que formam profissionais neste tipo de maquinas.
        Um abraço.



      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *