Máquinas e Equipamentos

22 de outubro de 2009

Extrusão – Produção local escassa e com pouca variação favorece a entrada de novas empresas no setor

Mais artigos por »
Publicado por: Renata Pachione
+(reset)-
Compartilhe esta página
    Plástico, Extrusão - Produção local escassa e com pouca variação favorece a entrada de novas empresas no setor

    Sistema Fast Gap possibilita o ajuste rápido de espessura

    Cada vez mais exigentes, os transformadores buscam variedade e novas tecnologias em periféricos para o mercado de extrusoras. Dessa forma, impulsiona-se a entrada de fabricantes e a diversificação do negócio dos já tradicionais no ramo. A extrusão é bem particular, sobretudo porque embute uma ampla gama de aplicações, e encontra naquele tipo de equipamento um importante subsídio para potencializar seu processo produtivo e engordar o seu faturamento.

    “As empresas que utilizam extrusoras estão investindo na automação dos processos e na otimização do desempenho de suas linhas”, afirma o diretor da ADL, Danilo Correia. Essa crescente demanda por periféricos passa por duas questões: a necessidade de redução dos custos de produção e a exigência de melhorias da qualidade do produto final. Para alguns fabricantes, no passado, o transformador não reconhecia o benefício obtido com esse tipo de equipamento. No entanto, o cenário mudou, pois, em geral, hoje se vê o investimento como uma vantagem competitiva permanente. Na opinião do diretor da BGM, Walner Cavallieri, o que acontece é que não se trata de algo subjetivo, mas pura matemática, com ganhos certeiros. “É algo exato, os benefícios podem ser comprovados”, diz. Ou seja, a decisão de compra passou a se basear muito mais no poder de compra do cliente do que nos argumentos do fabricante de periféricos.

    Exemplos não faltam dessas vantagens. Um deles se refere à tecnologia Fast Gap, de ajuste rápido de espessura, da EDI, representada no Brasil pela By Engenharia. O sistema permite alterar os parafusos de ajuste do lábio da máquina para uma nova espessura a ser produzida, sem parar a linha, usando o lábio inferior. “O range de espessura é de 5 mm, e um adicional de 2,5 mm é ainda possível através do lábio superior, se necessário”, completa um dos diretores da By Engenharia, Marco Antonio Gianesi. No caso das matrizes planas com sistema de restrição de largura interna (Internal Deckle), também da EDI, o benefício é outro. Na produção de filmes planos, o grande vilão é a formação de caroços (edge bead) nas extremidades do filme bem como no revestimento por extrusão, sendo assim, o sistema foi criado para sanar esse problema, diminuindo de forma substancial os caroços nas extremidades.

    Outra amostra fica por conta da bomba de engrenagens, da Xaloy, também representada por Gianesi. Segundo ele, ao processar ráfia de polipropileno (PP), um cliente registrou aumento de produção na ordem de 7%. Outra vantagem é diminuir o tempo de partida da linha; isto acontece em função de se conseguir colocar o material dentro da especificação num menor espaço de tempo. Além disso, a bomba de engrenagem ao ser incorporada à extrusora deixa de fazer o papel de “fabricante de pressão” e passa a trabalhar somente como transportadora/misturadora, reduzindo o desgaste. “Assim, fatalmente, o tempo de vida da extrusora – redutor, acionamento, rosca, canhão etc. – será maior”, completa.

    De acordo com Cavallieri, da BGM, a indústria do plástico valoriza todas as vantagens dos equipamentos e investe no segmento, à exceção dos recicladores, pois nessa área há muita informalidade e, portanto, menos disposição para incrementar o desempenho das linhas de extrusoras. Especialista na fabricação de sistemas de mistura, Francesco Buffone Filho, diretor da Mecanoplast, avalia que o periférico tem um custo considerado alto para a indústria de reciclagem. “Não justifica o investimento para obtenção do produto final que o reciclador pretende produzir”, explica.

    No mercado de extrusão de filmes, por sua vez, o periférico tem tido aceitação invejável, sobretudo em virtude do

    Plástico, Wilson Carnevalli Filho, diretor, Extrusão - Produção local escassa e com pouca variação favorece a entrada de novas empresas no setor

    Carnevalli: não faz sentido uma coex sem dosador gravimétrico

    aquecimento da demanda das coextrusoras. Numa das companhias mais importantes do setor, a Carnevalli, a média de venda é de dez a doze modelos coex por ano; no entanto, só em agosto e setembro, a fabricante comercializou oito deles. Essa procura por si só já agrega ao mercado, mas vai além: as vendas de periféricos tendem a aumentar na mesma proporção, pois ao optar por uma máquina de alto valor agregado, o transformador potencializa a linha, tornando-a mais completa, justamente com a adoção desses equipamentos. “O periférico se justifica mais facilmente em uma máquina complexa, como a coex; em um tipo inferior, pode chegar a encarecer o conjunto”, comenta o diretor Wilson


    Página 1 de 512345

    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *