Plástico

16 de fevereiro de 2008

Distribuição de resinas – Empresas apostam em expansão na rede distribuidora e do portfólio

Mais artigos por »
Publicado por: Simone Ferro
+(reset)-
Compartilhe esta página

    Além da fusão de empresas, está aberta a temporada de investimentos. Com o objetivo de ampliar a atuação em todo o território nacional, a Premix inaugurou, em janeiro, duas novas filiais em Pernambuco e Santa Catarina. “Estão previstas mais duas novas bases”, afirma o diretor Reinaldo Marques, sem revelar a localização. Com sede em Barueri-SP, a empresa conta com filial também em Minas Gerais. “O mesmo processo de reestruturação das petroquímicas vai chegar à distribuição”, diz.

    Os números registrados pela Premix em 2007 foram bastante positivos, mas não evitaram a queda de 35% das margens. De acordo com Marques, o volume de vendas cresceu 14% e o faturamento aumentou 23%. A Premix distribui PEBD (Polietilenos União), PEAD e PEBDL (Riopol), PP (Nova Petroquímica) e PS (Videolar).

    A Unipar Comercial também tem projetos de expansão com novas bases de distribuição. Com atuação mais focada nas regiões Sul e Sudeste do país, a empresa do grupo Unipar planeja, a médio prazo, expandir a participação no mercado nacional. Atualmente, conta com centros de distribuição na matriz em Mauá-SP e nas unidades do Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro.

    Os investimentos e estratégias aguardam a consolidação das fusões do setor petroquímico e devem ser anunciados no segundo semestre. “O objetivo é aumentar a participação no setor brasileiro de distribuição”, afirma o gerente-comercial da área de polímeros, Jaime Utrera. Em 2007, foi registrado avanço no volume de vendas e aumento de participação em nichos específicos, como o de injeção com o polipropileno (PP), polietileno de alta densidade (PEAD) e poliestireno (PS).

    Plástico Moderno, Distribuição de resinas - Empresas apostam em expansão na rede distribuidora e do portfólio

    Não houve mudança no portfólio de produtos sustentado pelas resinas da Polietilenos União (PEBD e EVA), RioPol (PEBDL e PEAD), Nova Petroquímica (PP) e Innova (PS), além dos elastômeros e outros materiais para a indústria da borracha da Petroflex, especialidades da Evonik (ex-Degussa), silicones da Blue Star (ex-Rhodia) e resinas hidrocarbônicas da Petroquímica União.

    Plástico Moderno, Simone Bittar Daher, gerente-comercial da Mais Polímeros, Distribuição de resinas - Empresas apostam em expansão na rede distribuidora e do portfólio

    Simone: vendas subiram e margens caíram

    Novas bases – A Mais Polímeros também estuda ampliar a rede de distribuição com a abertura de novas bases. Porém, ainda não divulgou detalhes do projeto. A empresa, com atuação no estado de São Paulo, distribui PP (Nova Petroquímica), PEBDL/PEBD (Riopol), EVA (Triunfo), masterbatch (Ampacet) e compostos de polietileno importados.

    As expectativas para 2008 são boas, segundo a gerente-comercial da Mais Polímeros, Simone Bittar Daher. Entre os fatores positivos, cita o crescimento do PIB, estimado em 5%, a queda dos juros e a elevação da produção industrial. “O poder de compra do consumidor aumentará e, conseqüentemente, as nossas vendas também. O risco que vejo é a ameaça de recessão nos Estados Unidos.”

    Simone ressalta ainda a retração das margens. “Em 2007, aumentamos significativamente os volumes de vendas em relação ao ano anterior. O resultado da operação se faz visível em ganho de escala e volume. Nossas margens estão cada vez mais baixas.”

    Plástico Moderno, Carlos Belli, diretor-comercial da SPP Resinas, Distribuição de resinas - Empresas apostam em expansão na rede distribuidora e do portfólio

    Belli vê com naturalidade o encolhimento do setor

    Em 2008, a SPP planeja consolidar as mudanças efetuadas em 2007. Carlos Belli estima um crescimento ao redor de 5% a 6%, com ênfase na recuperação de margens. Segundo ele, os volumes foram positivos, porém as margens apresentaram queda entre 25% e 30%, de acordo com a família de produtos. “Os polietilenos registraram a menor lucratividade do ano.”

    Para o executivo, diversos fatores definiram esse cenário, como o aumento das importações, a política de preços dos fornecedores locais e a venda para os pequenos e médios clientes da distribuição por parte dos fabricantes. Na opinião de Belli, a equivocada estratégia de vendas de alguns distribuidores, visando apenas os volumes, também prejudicou a rentabilidade do setor.

    A empresa promoveu mudanças na sua estrutura com o fechamento de algumas filiais. “Mantivemos as principais, como São Paulo, Curitiba, Fortaleza, Recife e Novo Hamburgo.”

    O portfólio da empresa conta com polipropileno (Nova Petroquímica), polietilenos (Polietilenos União e Riopol) e poliestireno (Innova), além das especialidades, como negro-de-fumo (Cabot), borrachas (Petroflex), poliéster (Eastman) e modificadores (Kraton e GE). “O setor petroquímico necessita de escala e integração com a primeira geração, garantindo o fornecimento de resinas, ponto principal para o transformador continuar a investir na expansão de seu negócio”, avalia Belli.

    Plástico Moderno, Distribuição de resinas - Empresas apostam em expansão na rede distribuidora e do portfólio

    Marca própria – Distribuidor de poliestireno da Innova e de polietilenos e polipropilenos da Braskem, a Fortymil também possui linha própria de compostos industriais e reciclados, e presta serviços de micronização de resinas virgens, recicladas e tingidas para os segmentos de rotomoldagem e termoformagem.

    De acordo com o diretor Ricardo Mason, em 2007, a produção da Fortymil cresceu 70%. Para 2008, a empresa projeta uma expansão de 20% na distribuição e de 50% na área industrial. O volume de vendas da distribuidora cresceu 20% no ano passado.


    Página 1 de 212

    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *