Máquinas e Equipamentos

2 de junho de 2011

Brasilplast 2011 – Periféricos – Sistemas propõem mais eficiência

Mais artigos por »
Publicado por: Rose de Moraes
+(reset)-
Compartilhe esta página

    A alta tecnologia em automação aportou no mundo dos periféricos. Equipamentos como unidades de água gelada, termorreguladores, dry-coolers e chillers, exibidos na 13ª Brasilplast e dotados de recursos mais avançados, podem tornar a produção na indústria do plástico bem mais eficiente e veloz. Com isso, é possível supervisionar a refrigeração dos moldes nas injetoras e sopradoras ou controlar termicamente os fluidos hidráulicos em processos de extrusão e termoformagem, fazendo-se uso de CLP (Controle Lógico Programável), e também contando com interfaces homem-máquina (IHM), que possibilitam, com um simples toque em tela, acessar inúmeras informações.

    Fica fácil entender como os avanços mais recentes introduzidos nos periféricos ajudam a posicionar a produção em patamares mais elevados: assumir o controle sobre os processos significa poder manter a repetibilidade da injeção, do sopro, da extrusão e da termoformagem, sinônimo de uniformidade dimensional nos materiais produzidos, ganhos de qualidade e de produtividade nas indústrias.

    Mas o melhor dessa edição da megafeira do plástico, cada vez mais interessante e convidativa à visitação, foi conferir in-loco esses e tantos outros avanços, muitos deles apresentados em máquinas que operavam a pleno vapor no evento.

    O funcionamento de uma unidade de água gelada instalada em injetora no estande da Romi, por exemplo, podia ser observado a distância no estande do fabricante de periféricos Refrisat.
    As apresentações para demonstrar o grau de evolução alcançado pelos equipamentos da nova geração eram observadas nos novos sistemas de refrigeração fabricados pela Refrisat e acompanhadas por visitantes mais atentos em tela de 14 polegadas.

    Plástico Moderno, Carlos Pereira, Diretor industrial da Refrisat, Brasilplast 2011 - Periféricos - Sistemas propõem mais eficiência

    Pereira: CLP disponibiliza automações personalizadas

    “Estamos monitorando em tempo real o funcionamento de uma unidade de água gelada instalada em injetora Romi por meio de conexão wireless. Se houver falha de refrigeração no molde durante todo o processo de injeção até a extração, podendo representar risco de alta temperatura, é possível interromper as operações, sem causar danos às máquinas e ao processo”, informou Carlos Pereira, diretor industrial da Refrisat.

    A nova geração de equipamentos da Refrisat, disponível desde fevereiro deste ano, dotada de CLP (Controle Lógico Programável) da Siemens e com IHM touchscreen, está promovendo um salto nas vendas da empresa e, abrindo possibilidades de fechamento de novos negócios porque, além de aumentar o desempenho das máquinas e reduzir os gastos com energia, está mais alinhada com as avançadas tecnologias em injetoras, sopradoras, extrusoras e termoformadoras.

    Assim, em prol da modernização e da melhoria de processos, a empresa não poupou recursos para investimentos. Para o diretor, o CLP torna as operações muito mais versáteis, permitindo automações personalizadas, de acordo com cada processo ou instalação industrial, como controlar o tempo de funcionamento dos componentes de refrigeração, principalmente envolvendo os compressores. O operador das máquinas pode programar os horários específicos para o início e término das operações de refrigeração, ou seja, determinar os horários de partida e de interrupção da refrigeração, o que é considerado inédito em equipamentos para controle de temperatura, seja para aquecimento ou para resfriamento e, com o recurso de interface homem-máquina, é possível diagnosticar falhas, as causas dos problemas e possíveis correções.

    A migração tecnológica envolvendo a substituição do sistema de controle via placas eletrônicas por CLP demandou 14 meses de trabalho envolvendo as equipes de engenharia e de automação da Refrisat e, segundo Pereira, a otimização do projeto que culminou com o lançamento dos novos equipamentos não incorrerá em elevação nos preços de venda para os transformadores e demais usuários.

    Outra boa notícia é que a nova concepção tecnológica abrangerá todas as linhas de equipamentos produzidos pela Refrisat – sistemas de água gelada por condensação a ar e a água, chillers por condensação a água, torres de resfriamento em circuito fechado (dry-coolers), termorreguladores e desumidificadores –, o que favorece a supervisão e o controle de outras operações fabris, envolvendo as máquinas principais, como injetoras, com a instalação de sistemas supervisórios.

    A modernização implementada nos equipamentos visa a atender principalmente às expectativas das indústrias que estão investindo na melhoria de processos, oferecendo maior versatilidade e softwares exclusivos, projetados com concepção de automação integrada e flexível, com funcionalidades inteligentes, controles mais avançados e compressores de última geração, melhorias que elevam a performance de condensação dos periféricos e possibilitam menores gastos com energia.

    “A nossa nova linha Refrisat Touch oferece displays desde 4 polegadas até 15 polegadas, e proteção IP65, ideal para tarefas simples de visualização, e é dotada de novo software, que permite programar em conjunto CLP e IHM de forma didática e prática”, acrescentou Pereira.

    O grau de automação implementado aos resfriadores de líquidos, também conhecidos como chillers, atende às últimas sofisticações exigidas pelo mercado e oferece opção de interface Ethernet, permitindo módulos de comunicação expansíveis de acordo com as necessidades de cada aplicação.

    Plástico Moderno, Brasilplast 2011 - Periféricos - Sistemas propõem mais eficiência


    Página 1 de 912345...Última »

    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *