Feiras e Eventos

15 de maio de 2009

Brasilplast 2009 – Aditivos – Retomada dos negócios ancora busca incessante do mercado por fórmulas mais eficientes

Mais artigos por »
Publicado por: Jose Paulo Sant Anna
+(reset)-
Compartilhe esta página

    Os visitantes da Brasilplast interessados em conhecer novidades no universo dos aditivos não tiveram motivos para queixas. Participaram do evento os principais fornecedores do mercado, tanto de produtos tidos como especialidades, alguns lançados especialmente para a ocasião, quanto de commodities. A recíproca foi verdadeira. Os expositores também se mostraram felizes com a presença de público. Eles consideraram o evento uma excelente oportunidade para dialogar com clientes tradicionais e travar novos contatos. Todos exaltaram o gabarito dos visitantes, muitos com decisão de compra, e a internacionalização da feira, em especial a grande presença de representantes da indústria latino-americana.

    O bom movimento reforçou o sentimento comum entre os expositores ligados ao mundo dos aditivos. A opinião é unânime: a crise econômica, depois do forte susto provocado no final do ano passado, passou pelo seu pior momento. Em 2009, o primeiro trimestre foi fraco. Nesse período do ano, no entanto, os negócios são tímidos mesmo nos tempos de prosperidade. A partir de abril se iniciou uma animadora recuperação dos negócios.

    Existe a sensação geral de que este ano as vendas devam cair em relação às realizadas em 2008. Mas não muito. Em alguns casos, podem até empatar com o resultado do ano passado. Se as previsões se confirmarem, depois do forte pânico ocorrido no auge da crise, serão motivos de comemoração. Outra constatação, repetida sem exceção pelos executivos das multinacionais especializadas em aditivos, é a situação do mercado brasileiro, considerada bastante superior à dos países desenvolvidos. Usando uma metáfora, eles comparam a crise brasileira com um resfriado (o tradicional, não o provocado pelo vírus originário do México) e a dos países avançados com uma pneumonia dupla.

    As empresas químicas do ramo aproveitaram a Brasilplast para anunciar o lançamento de produtos. Entre as novidades, algumas tendências merecem ser mencionadas. A busca pela melhora dos aditivos é contínua. Um exemplo: em tempos de busca desesperada pela redução de custos, tem grande chance de alcançar sucesso comercial quem proporcionar a obtenção de peças plásticas com paredes mais finas e desempenho similar ao de peças com paredes mais espessas transformadas com a ajuda de aditivos menos sofisticados.

    A ideia de maior eficiência, por meio do desenvolvimento de aditivos que proporcionem qualidade às resinas com a adição de quantidades cada vez menores, é outra obsessão. Quanto menor a concentração necessária no polímero, menor a interferência nas características do material ao qual a fórmula se destina. Também é incessante, em alguns casos, a pesquisa voltada para o desenvolvimento de produtos não agressivos ao meio ambiente. As novas fórmulas, se possível, contam com propriedades múltiplas, substituem dois ou mais aditivos de gerações anteriores.

    Lançados os aditivos mais sofisticados, seus fornecedores enfrentam novo desafio. Obter fórmulas eficientes requer investimentos pesados em pesquisas cujos resultados muitas vezes são demorados. Os preços desses produtos são mais “salgados” e assustam compradores. Os fabricantes precisam convencer os clientes das vantagens proporcionadas pela melhor relação custo/benefício. O que nem sempre é tarefa fácil de ser concretizada.

    (Con)fusão e transição – Empresa bastante conhecida pelo amplo leque de aditivos oferecidos ao mercado, a multinacional alemã Ciba foi adquirida recentemente pela compatriota Basf. O atual momento é de transição. Os produtos apresentados na Brasilplast mantiveram a assinatura anterior, acompanhados de uma advertência. “Até junho os produtos mantêm a marca Ciba, com a ressalva de que a empresa pertence ao grupo Basf”, informa Francisco Lopes, gerente de novos negócios da Ciba. No segundo semestre, deve ser adotada outra estratégia de marketing, ainda não definida pelos administradores da Basf.

    Confusões normais em períodos de transições à parte, a Ciba aproveitou o maior evento nacional do plástico para divulgar as

    Plástico Moderno, Francisco Lopes, gerente de novos negócios da Ciba, Brasilplast 2009 - Aditivos - Retomada dos negócios ancora busca incessante do mercado por fórmulas mais eficientes

    Lopes aposta no aumento da demanda por produtos voltados à rotomoldagem

    vantagens apresentadas por alguns aditivos lançados recentemente no exterior e pouco conhecidos no Brasil. As novidades abrangeram os mercados de elevado desempenho, e pertencem às famílias de antioxidantes, estabilizantes e preparações pigmentárias.

    Algumas fórmulas foram ressaltadas por Lopes. Entre elas, o antioxidante Irgastab FS 042 e o antioxidante + estabilizante à luz ultravioleta Irgastab RM 68. Os dois são destinados a aplicações em polietileno de média densidade transformado por rotomoldagem. “A rotomoldagem é um mercado muito interessante e está crescendo muito”, informa o executivo.

    De acordo com a empresa, as duas linhas permitem a redução do ciclo de produção, com consequente redução do consumo de energia, o que no caso particular desse processo de transformação é característica para lá de desejada. “Em uma peça com ciclo aproximado de 20 minutos, o novo aditivo permite sua redução para de 14 a 15 minutos”, exemplifica. Essa redução se deve ao menor depósito de bolhas de ar nas paredes da peça e significa redução considerável do gás usado nas operações. “Essa característica também melhora as propriedades mecânicas da resina”, emenda.


    Página 1 de 512345

    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *