Plástico

16 de fevereiro de 2008

Antioxidantes – Mercado desenvolve moléculas livres de fenol e reestrutura portfólio, com foco nas especialidades

Mais artigos por »
Publicado por: Renata Pachione
+(reset)-
Compartilhe esta página

    Exigências de alto desempenho, quanto à máxima inibição das reações de degradação do polímero e à sua capacidade de minimizar a geração de cor, têm norteado os novos desenvolvimentos da indústria de antioxidantes. O resultado dessa postura se reflete na oferta de produtos livres de fenol e de sistemas feitos sob medida para os clientes. Os fabricantes também redefiniram o portfólio de produtos, com foco nas especialidades, numa tentativa de alinhar suas estratégias às atuais solicitações desse mercado, estimado, hoje, em cerca de 160 mil toneladas/ano.

    O setor vive um período de transição, no qual os fabricantes de antioxidantes estão buscando um foco de atuação e reposicionando o seu negócio. Esse é o caso da norte-americana Chemtura. A empresa decidiu se direcionar para a produção de especialidades e, portanto, não irá investir mais no aumento da sua capacidade instalada na área de commodities. Além disso, no terceiro trimestre do ano passado, a Chemtura fechou duas plantas localizadas na Itália. Em linhas gerais, a produção interrompida foi a de aditivos commodities convencionais – o arroz com feijão do mercado –, os fenólicos Irganox 1010 e 1076, da Ciba Especialidades Químicas, que na Chemtura se chamam Anox 20 e Anox PP 18, e o antioxidante secundário Irganox 1680, correlato ao Alkanox 240.

    A estratégia se deu porque as unidades não eram mais competitivas. Afinal, para se produzir commodities e se manter no setor é preciso volume e custo baixo. O último quesito, em particular, não era atendido nos players italianos. No entanto, como prova de sua vitalidade, a companhia mantém duas joint ventures, uma na Arábia Saudita e outra na Coréia, onde produz o commodity convencional, entre outros produtos, e ainda possui na sua unidade em Rio Claro-SP a produção de blendas de antioxidantes para as petroquímicas. A Chemtura é uma das líderes do mercado de aditivos plásticos e resulta da fusão, em 2005, da Crompton Corporation com a Great Lakes Chemical Corporation.

    Em meio ao movimento do mercado, a Ciba Especialidades Químicas tem a tradição a seu favor. A história mundial dos antioxidantes está intimamente ligada à sua trajetória, pois a companhia é responsável pela introdução das misturas sinérgicas e das marcas Irganox e Irgafos, conhecidas globalmente e copiadas por todo o setor. Esses desenvolvimentos nasceram na Ciba, dentro do segmento Plastic Additives, chamado no passado de Additives. Desde então, o pioneirismo tem sido palavra de ordem na companhia que, até mesmo por isso, se mantém na liderança do mercado global, longe dos outros fabricantes no ranking dos antioxidantes.

    Apesar dessa folga, os investimentos não estão estagnados, há novidades à vista. Com fábricas nos Estados Unidos e na Europa, a Ciba gastou US$ 100 milhões em uma futura unidade em Singapura. “É nossa maior fábrica de antioxidantes”, afirma o gerente de Novos Negócios Plastic Additives, Francisco Lopes. A unidade deverá produzir 30 mil toneladas/ano de antioxidantes, capacidade que poderá ser expandida nos anos seguintes à sua inauguração, prevista para 2008. Talvez seja uma forma de compensar a perda da fábrica de antioxidantes de Camaçari-BA, recentemente fechada, segundo Lopes, por falta de escala e de fonte de matéria-prima local.

    Tendências – Estratégias de posicionamento à parte, a empresa tem apostado nas tendências mundiais. O crescente interesse dos clientes em misturas de aditivos, vendidos na forma de um único produto e das chamadas formulações taylor made − feitas sob medida para o cliente −, impulsionou a Ciba a investir na sua unidade de mistura e compactação, em Americana-SP, em parceria com a Bärlocher do Brasil. Essa planta absorveu investimentos para dobrar sua capacidade instalada.

    Plástico Moderno, Antioxidantes - Mercado desenvolve moléculas livres de fenol e reestrutura portfólio, com foco nas especialidades

    De acordo com Lopes, foram desenvolvidas e aprimoradas as misturas de aditivos, como antioxidantes, antiácidos, auxiliares de processo, antiestáticos entre outros, para atender à demanda dos clientes para uma determinada formulação em um aditivo só. Na verdade, o conceito vai além de um simples produto, pois se configura como um sistema de aditivação. “Com essa atitude, procuramos agregar serviço ao mercado, atendendo principalmente os produtores de resinas”, informa Lopes. Para ele, as vantagens se traduzem na logística e no manuseio facilitados dos aditivos.

    Plástico Moderno, Francisco Lopes, gerente de Novos Negócios Plastic Additives, Antioxidantes - Mercado desenvolve moléculas livres de fenol e reestrutura portfólio, com foco nas especialidades

    Lopes: investimento no fenol-free

    A importância dos antioxidantes para a Ciba se reflete em números. Hoje, esse tipo de aditivo corresponde a 20% do faturamento da empresa e 45% da área Plastic Additives. Esse segmento, antes restrito aos antioxidantes e estabilizantes à luz, agregou antiestáticos, antimicrobianos, antichamas e outros aditivos de efeitos.

    O desenvolvimento do antioxidante fenol-free (livre de fenol) também representa uma aposta da Ciba. “É no que mais temos investido nossos recursos”, revela Lopes. A procura por este tipo de produto tem aumentado, a ponto de motivar o líder do mercado de antioxidantes a concentrar seus esforços nessa categoria. A razão é simples: trata-se de uma alternativa para corrigir o amarelecimento causado pelo fenol.

    Como resultado de seus esforços, a Ciba trouxe ao mercado o Irgastab FS 533. Representante da linha de antioxidantes livres de fenol, o produto é apresentado como detentor de uma boa estabilização térmica e de processamento, porém sem comprometer a aparência do polímero. Da mesma linha de produtos, mas destinado aos poliuretanos (PU), a empresa também lançou o Irgastab PUR 68. Testes feitos pela Ciba comprovaram a sua eficiência, no quesito cor, em comparação aos sistemas à base de fenóis.


    Página 1 de 41234

    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *